quarta-feira, 21 de outubro de 2009

A máquina de relações públicas para o complexo da vacina.

Influenza A - H1N1 - Gripe suínaImage by Fernando Freitas - FF via Flickr

A máquina de relações públicas para o complexo da vacina.
O papel do CDC

Por Richard Gale e Gary Null


Uma dura lição que deveríamos ter aprendido após o colapso de Wall Street e a manipulação da ajuda pelo governo é que não há razão, seja qual for, para nós sacrificarmos nossa boa fé e confiança em ex-banqueiros que agora dirigem o Tesouro e a Reserva Federal. E agora que a temporada de gripe se prepara para começar em meio a muita fanfarra e predições de desgraça devido ao novo vírus da gripe H1H1, há suficiente informação emergindo para levantar sérias dúvidas de que as autoridades de saúde da nossa nação estão realmente servindo a saúde pública, em vez de interesses comerciais.

Se a temporada de gripe for de acordo com a programação, o complexo industrial da vacina estará pronto para se unir a Wall street para um ano de roubo recorde. Nós também provavelmente testemunharemos enormes bônus para os executivos da indústria farmacêutica e talvez até toalete banhado a ouro. Até se a bola de cristal das estatísticas do CDC for usada para predizer uma galopante infecção de gripe suina se transformar em um completo fracasso - que seria apenas mais um somado a muitas outras predições que fracassaram desde 1976 - seria, todavia, um fracasso muito lucrativo, como foi o colapso da economia para o cartel dos bancos. A indústria da vacina tem até agora recebido pedidos na faixa de 3 bilhões de doses durante o curso da temporada da gripe que está chegando. A Organização Mundial da Saúde gostaria de vacinar dois terços (4 bilhões) da comunidade global, e os Estados Unidos sozinhos estão gastando $ 2 bilhões para estocar acima de 250 milhões de doses para a nação.

Nos Estados Unidos, tais lucros nunca poderiam ser consumados sem uma dinâmica iniciativa de comercialização para convencer os americanos de que as vacinas os manterão protegidos e vivos. E qual melhor máquina de relações públicas para o complexo da vacina, e seus apoiadores nos seguros de saúde e instituições médicas profissionais, do que nosso próprio Centro de Controle de Doenças e Departamento de Saúde e Serviços Humanos? Ainda melhor, os dólares de nossos impostos estão aí para pagar por tudo isso. Pagamos pelo conforto de saber que a campanha de desinformação do CDC continuará a nos assustar nas maiores redes de televisão e no New York Times. Podemos também assegurar que aos fabricantes de vacinas que de uma vez por todas eles estão protegidos de responsabilidade em caso de danos sérios da vacina da gripe.

Contudo, o governo tem um bocado de frascos de vacina para distribuir, portanto, o CDC precisa sustentar a ficção de numerosos velhos morrendo em lares assistenciais, mães grávidas sem vacinação e crianças enfrentando complicações ameaçadoras, e o resultado de doentes e mortos queima em nosso subconsciente nacional. Tudo isso é parte do roteiro do CDC para apressar os cidadãos para os seus médicos e para os Wal-Marts para serem vacinados.

Peter Doshi, enquanto estava em Harvard em meados dos anos 2000, publicou um estudo devastador no Jornal Britânico de Medicina que sistematicamente revela a falha da ciência especulativa usada para publicar as estatísticas e taxas de mortalidade de nossas agências de saúde. Sua análise mexeu o bastante com as autoridades de saúde para garantir que doze cientistas do CDC e do Instituto Nacional de Saúde o contestassem sem sucesso. Agora no MIT, Doshi continua sua análise da importância dos dados da mortalidade da gripe no século e da manipulação de dados da gripe, como os números anuais da gripe, tais como os números de 36.000 mortes anuais de gripe que ouvimos e lemos repetidamente. Embora este número mágico seja para todos os propósitos práticos conjurados alquimicamente até através de modelos matemáticos de 2003, continua a ser o mais sagrado número no vocabulário do CDC em toda temporada de gripe. Doshi tira a conclusão, publicada no Jornal Americano de Saúde Pública, de que interesses comerciais estão desempenhando o papel da ciência tanto na indústria como no governo.

A desconstrução da ciência pedaço de cereja do CDC e uma crescente comunidade antivacinação são alguns dos obstáculos que as autoridades de saúde enfrentam. No entanto, nenhuma estratégia de relações públicas pode ter um sólido punho multimídia sobre os cidadãos americanos sem que os formadores de opinião sirvam de gnomos para o complexo da vacina e a pesada investida de nossas agências governamentais de saúde, que estão para ser enterradas pela aquisição de milhões de frascos de vacina ávidos por distribuição. Esse esforço requer tropas de choque, como o profeta pró-vacina Dr. Paul Offit, o criador da vacina do rotavírus e um crítico incondicional contra qualquer cientista que descubra uma associação entre as vacinas e severas desordens neurológicas. Dr. Offit declarou publicamente em um audacioso comentário que as crianças podem tolerar 100.000 vacinações (sim, você leu este número corretamente).

Contudo, durante esta temporada de gripe em particular, as autoridades governamentais de saúde podem ter tempos mais difíceis para convencer os americanos a serem vacinados contra a gripe suina se as pesquisas recentes forem indicadores confiáveis. A mais recente pesquisa da União dos Consumidores liberada em 30 de setembro mostra que quase dois terços dos pais evitarão vacinar seus filhos; O raciocínio dos cinquenta por cento que responderam é que a vacina não foi testada minuciosamente para ser segura. Uma pesquisa com mães grávidas conduzida pelo grupo de apoio de pais pelo Mumsnet.com na internet indica que as mulheres estão ficando desconfiadas sobre a verdadeira eficácia e segurança da vacina da gripe. A enquete com 1.500 entrevistados descobriu apenas 6 por cento de mulheres grávidas que "definitivamente" tomarão a injeção, enquanto 48 por cento disseram que elas "definitivamente" não tomariam. Uma pesquisa paralela revelou que somente 5 por cento certamente vacinariam seus filhos. Uma pesquisa mais recente do San Francisco Chronicle revela que 54 por cento dizem que a gripe H1N1 não é nada com que se fique preocupado.

Um estudo separado conduzido pela Escola de Saúde Pública de Harvard mostrou que entre os 41 por cento dos que não tomariam a injeção, 44 por cento dos pais estão incertos se deveriam permitir que suas crianças a recebessem. Aparte dos muitos que expressaram medo dos efeitos colaterais da vacina, a pesquisa descobriu que 31 por cento expressavam uma desconfiança em nossas autoridades de saúde pública em proporcionar informações precisas sobre a segurança da vacina. Portanto, espere uma campanha de relações públicas agressiva do governo durante as próximas semanas e até meses, enquanto os dólares de nossos impostos são gastos em 250 milhões de injeções que evidência epidemiológica independente está mostrando no melhor caso serem ineficazes, e na pior hipótese perigosa.

Pesquisas europeias indicam que nossos vizinhos do outro lado do grande lago estão menos nervosos sobre o tom de severidade do H1N1 e muito mais desconfiados da lógica das autoridades de saúde para estimular os terríveis avisos dos perigos da gripe suina. Na França, o Le Figaro conduziu uma pesquisa com 12.500 pessoas mostrando que 69 por cento recusarão a vacinação. Em uma pesquisa separada na França, um terço dos 4.752 médicos, enfermeiras e trabalhadores da saúde pesquisados não seriam inoculados. 29 por cento dos alemães pesquisados disseram que a recusariam "sob qualquer circunstância" e um adicional de 33 por cento provavelmente a recusariam. Na região da Bavária e Baden Wuttenburg, somente 10 por cento dos pesquisados disseram que submeteriam seus braços as injeções. No Reino Unido, algumas pesquisas relatadas no Daily Mail em agosto passado mostraram que metade dos médicos da família e um terço das enfermeiras do Reino Unido não querem a vacinação da gripe suina. Setenta e um por cento não acreditam que a vacina tenha sido testada o suficiente com relação a segurança e que a gripe suina é muito mais branda do que as autoridades de saúde estão dizendo.

Durante o curso de guerra de mídia do CDC para impulsionar a ganância da indústria da vacina pelo lucro, ciência e precaução meditativa estão sendo sacrificadas. Um importante estudo de revisão surgido na edição de junho de 2009 no Toxicological e Environmental Chemistry mostra uma relação casual entre as quantidades de etilmercúrio (thimerosal) encontradas em inoculações de crianças , quando administradas em macacos, e a toxidade celular resultante em disfunção mitocondrial, atividade defeituosa da redução oxidativa, degeneração e morte de células neuronais e fetais. Estes são todos sinais indicativos encontrados em alguns ASD. Mas autoridades de saúde preferem ignorar esses resultados. Para saúde futura das crianças americanas, as descobertas do estudo chegam em má hora quando um estudo recente de Harvard agora relata que o espectro das desordens de autismo (ASD) cresceu de 1 em 91 pessoas comparado com a estimativa anterior de 1 em 150. Mas desde que o estudo foi patrocinado pelo CDC, o comunicado da imprensa não traz indicação de que talvez o excesso de vacinação das crianças com dezenas de injeções na idade de 5 anos poderia ser o fator causal por trás desta epidemia nacional de ASD e outras desordens neurológicas.

Durante o curso das muitas entrevistas com pais de crianças autistas para nossos documentários Vaccine Nation and Autism: Made in the USA, as histórias pessoais que filmamos eram repetidamente as de que uma criança perfeitamente saudável e alegre que, pouco depois da vacinação ou de uma série de injeções, simplesmente deixavam de ser normais. No entanto, a política nacional de saúde hoje parece ter quase legislado por decreto divino que não há relação entre os componentes da vacina e autismo. Além disso, pesquisas independentes adicionais e histórias pessoais de primeira mão só interfeririam com a máquina de propaganda e os "a receita dos sete passos para gerar interesse em, e procura pela vacinação da gripe" do CDC.

Peter Doshi primeiro trouxe atenção pública para a estratégia de relações públicas do CDC para a gripe conhecida como a receita dos sete passos. Glen Nowalk, agora diretor das relações de mídia do CDC, esquematizou uma planilha concisa de relações públicas enquanto servia como porta voz de comunicações para o Programa Nacional de Imunização. Falando na Cúpula Nacional de Vacina da Gripe em 2004, ele apresentou os sete passos do CDC. Depois de cuidadosa revisão da apresentação de PowerPoint de Nowalk descobrimos uma campanha de relações públicas e multimídia muito detalhada e harmonizada que inclui o seguinte (citações do material do CDC):

* Encorajar a crença de que a infecção de gripe pode "ocorrer entre nas pessoas para quem a gripe não é geralmente percebida por causar sérias complicações (ex. crianças, adultos saudáveis, idosos saudáveis)." Em outras palavras, promover a vacinação da gripe para aqueles que realmente não precisam dela.
* No sentido de "fomentar a procura por vacinação da gripe" o CDC deveria ter como alvo "médicos especialistas e autoridades de saúde pública publicamente (ex. via mídia) para expressar preocupação e alarme (e predizer resultados terríveis) - e impulsionar a vacinação da gripe.
* Por concentrar-se sobre a mensagem de terríveis ameaças a saúde e fatalidades humanas sobre aqueles que realmente não precisam ser vacinados, o CDC atingirá seu marco de "dar suporte a temporada de gripe em termos de que motive comportamentos (ex. como "muito severa", "mais severa do que o último ou os anos passados", "mortal")."
* Durante toda a estação da gripe, a campanha deveria continuar emitindo relatórios "de autoridades de saúde e da mídia" para enfatizar que "a gripe está causando severa enfermidade e/ou afetando muitas pessoas - ajudando a fomentar a percepção de que muitas pessoas são suscetíveis a um caso grave de gripe".
* É claro, nenhuma estratégia de marketing é perfeita sem imagens. Por conseguinte um outro ingrediente da receita é usar "visíveis/tangíveis exemplos da seriedade da doença (ex. fotografias de crianças, famílias daqueles afetados vindo para a frente) e pessoas sendo vacinadas (o primeiro para motivar, e o segundo para reforçar)."

Os "pontos chaves" do CDC indicam que estamos agora naquele marco temporal crítico para o CDC distribuir os materiais a uma "variedade de parceiros". Isto inclui disseminar agressivamente todos os relatórios médicos, estudos e prolongar as relações públicas e para a soporífica mídia e associações médicas fundadas pelas corporações para apoiar os esforços governamentais para a vacinação em massa. Vem ai novembro, começaremos a ver relatórios sobre "mortes pediátricas" devido a gripe - embora Dr. Martin Meltzer, um especialista da CDC em economia da saúde, tenha afirmado "quase ninguém morre de gripe" e "mortes estão associadas com a gripe, mas não necessariamente causadas pela gripe". Aparentemente, as pessoas nos diversos departamentos da CDC e nossas diferentes agências federais de saúde não se comunicam muito bem umas com as outras.

Então por que os dólares de nossos impostos deveriam ir para a fabricação e/ou ignorar a ciência no sentido de vacinar os americanos? Nowalk publicamente afirmou que as razões do CDC na Rádio Pública Nacional, “... Os fabricantes estavam nos dizendo que eles não estavam recebendo muitos pedidos de vacinas para usar em novembro ou mesmo dezembro... Realmente não parecia que nós (CDC) precisávamos fazer alguma coisa para encorajar as pessoas a tomar uma injeção da gripe.

Até esse momento, estamos testemunhando um fluxo contínuo de comunicados de imprensa e artigos na mídia para convencer os americanos a sabedoria da política nacional de saúde de vacinação. O instituto nacional de alergia e doenças infecciosas (NIAID) emitiu resultados preliminares positivos de uma experiência clínica incompleta de testes da vacina H1N1 em crianças e jovens entre 6 meses e 17 anos de idade. O fato de que o estudo inteiro alistou somente 70 indivíduos cobrindo essa faixa de idade deveria sozinho levantar bandeiras vermelhas sobre quaisquer conclusões confiáveis depois do estudo ser completado. Além do mais, o estudo é especificamente projetado para medir a resposta imune necessária para proteger os jovens da gripe suina. Não é um estudo seguro. Nós normalmente esperamos que o som da ética científica exigisse que experiências clínicas fossem relatadas depois da análise final dos dados da pesquisa, contudo, a receita dos sete passos do CDC não está preocupada com fatos científicos, ou rigorosos protocolos de pesquisa. É apenas parte do plano de jogo das relações públicas para conseguir que as pessoas sejam vacinadas e fazer isso rápido.

Donald McNell, uma isca para o complexo da vacina escrevendo para o New York Times imprimiu dois artigos recentes alinhados com a propaganda do CDC. Ele cita Dr. Jay Butler, chefe da força tarefa da gripe suina no CDC com relação a aliviar os temores sobre os efeitos adversos da gripe suina., especialmente para mulheres grávidas. Dr. Butler disse, "há cerca de 2.400 abortos por dia nos Estados Unidos. Você verá que estas coisas teriam acontecido de qualquer maneira. Mas a vacina não causa abortos. Ela também não causa auto-acidentes, mas eles acontecem. Eu espero que isso reassegure a todas essas mulheres esperançosas através do país, especialmente desde que nenhuma vacina H1N1 aprovada passou experiências clínicas seguras em mulheres grávidas ou os efeitos adversos potenciais de vacinas ligadas a mercúrio e outros ingredientes, tais como espermicida, detergente e cosméticos, em fetos em desenvolvimento. A Alemanha por outro lado anunciou que agora está tomando medidas preventivas. Concordando que o veredito sobre a segurança do ethylmercúrio e esqualeno para as crianças é incerta, a Alemanha está requerendo que a indústria da vacina volte para suas fábricas e providencie lotes de vacina com aditivos livres de preservativos de mercúrio.

O artigo mais recente de McNell no New York Times de 7 de outubro deveria ser lido ao lado da receita dos sete passos para uma clara visão do desdobramento da estratégia de relações públicas do CDC em ação. McNell subestima as crescentes realizações médicas de que a gripe suina é com toda probabilidade mais moderada do que uma gripe sazonal com o sentido de nos convencer a arregaçar as mangas. Seguindo o roteiro do CDC, vemos a fotografia de uma pequena criança de 3 anos sendo vacinada, enquanto McNell compara a morte de uma mulher tibetana de 18 anos por gripe suina na China com a história do alegre jovem
e sua irmã de 9 anos alegremente rendendo suas narinas para uma rajada de vírus vivos H1N1 atenuados.

Enquanto finalizávamos este artigo, Peter Doshi respondeu um email e chamou a atenção para um evento em seu artigo da Harper que deveria nos forçar a pausar antes de arregaçarmos as mangas. Brevemente, a temporada de gripe de 2004 foi um fiasco para o complexo da vacina e para os funcionários federais de saúde depois que 50 milhões de doses de vacina para gripe prometidas pela Corporação Chiron tornaram-se indisponíveis, dessa forma, pondo a indústria da saúde em pânico. Com o objetivo de reduzir o frenesi anteriormente levantado pela tática de amedrontar o público, o CDC diminuiu a urgência da gripe para "doença irritante", e "enfatizou os benefícios protetores de uma lavagem regular das mãos".

Agora esta é uma política nacional que posso apoiar. Eu preferiria muito mais que o CDC financiasse a conta de sabão dos americanos para proteger de uma pandemia de gripe suina duvidosa do que usar os impostos para as não comprovadas ameaças do CDC para uma campanha nacional de marketing da vacina.

Richard Gale é Produtor Executivo da Progressive Radio Network e ex veterano Analista de Pesquisa da indústria genômica. Dr. Gary Null é o anfitrião do mais longo programa da rádio pública em transmissão sobre nutrição e saúde natural e um diretor de filmes de documentários progressivos ganhador de múltiplos prêmios, incluindo Vaccine Nation and Autism: Made in the USA.

Fonte: http://globalresearch.ca/index.php?





Reblog this post [with Zemanta]

Nenhum comentário:

As 4 fases do Projeto Blue Beam