domingo, 28 de março de 2010

A criação da inteligência mais esperta do que a humana.

Cover of "The Collected Stories of Vernor...Cover of The Collected Stories of Vernor Vinge

A criação da inteligência mais esperta do que a humana.

Por Singularity Institute

quantumbiocommunication.com

A Singularidade é a criação tecnológica da inteligência mais esperta do que a humana. Há diversas tecnologias que são frequentemente mencionadas como caminhando nessa direção.

A mais comumente mencionada é provavelmente a Inteligência Artificial, mas há outras: interfaces diretas cérebro-computador, aumento biológico do cérebro, engenharia genética, rastreamento de ultra-alta-resolução do cérebro seguida por simulação por computador.

Algumas dessas tecnologias parecem prováveis de chegar mais cedo do que outras, mas há, não obstante, diversas tecnologias independentes todas caminhando na direção da Singularidade - diversas tecnologias diferentes que, se elas alcançassem um limiar de nível de sofisticação, capacitariam a criação da inteligência mais esperta do que a humana.

Além de Maiores e Melhores Gadgets

Um futuro que contenha mentes mais espertas do que a humana será genuinamente diferente de um jeito que vai além das visões usuais de um futuro cheio de maiores e melhores gadgets. Vernor Vinge originalmente cunhou o termo "Singularidade" observando que, da mesma forma que nosso modelo de física fracassa quando tenta modelar a singularidade no centro de buraco negro, nosso modelo de mundo fracassa quando tenta modelar um futuro que contenha entidades mais inteligentes do que a humana.

A inteligência humana é a fundação da tecnologia humana; toda tecnologia é no final das contas o produto da inteligência. Se a tecnologia puder dar a volta e melhorar a inteligência, isso fecha o círculo, criando um efeito de feedback positivo. Mentes mais inteligentes serão mais efetivas na construção de mentes ainda mais inteligentes. Esse círculo aparece mais claramente no exemplo de uma Inteligência Artificial aperfeiçoando seu próprio código fonte, mas também produziria, embora em uma escala de tempo mais lenta, humanos com interfaces diretas cérebro-computador criando a próxima geração de interfaces cérebro-computador, ou humanos biologicamente aumentados trabalhando em um projeto de Inteligência Artificial.

Algumas das mais fortes tecnologias de Singularidade, tais como a Inteligência Artificial e interfaces cérebro-computador, oferecem a possibilidade de inteligência mais rápida bem como inteligência mais esperta. Por fim, acelerar a inteligência é provavelmente comparativamente insignificante ao lado da criação de uma inteligência melhor; todavia, as diferenças potenciais na velocidade valem a pena mencionar porque elas são enormes.

Comparando a velocidade

Neurônios humanos operam pelo envio de sinais eletroquímicos que se propagam a uma velocidade máxima de 150 metros por segundo ao longo dos neurônios mais rápidos. Por comparação, a velocidade da luz é de 300.000.000 de metros por segundo, dois milhões de vezes maior. Similarmente, a maioria dos neurônios humanos pode atingir o pico máximo de 200 vezes por segundo; até mesmo isso pode exagerar a capacidade de processamento de informação dos neurônios, visto que as mais modernas teorias de processamento de dados neurais exigem que as informações sejam carregadas pela frequência dos picos de uma série mais do que por sinais individuais.

Por comparação, as velocidades nos chips dos computadores modernos estão atualmente por volta de 2Ghz - uma diferença de um milhão de vezes - e ainda crescendo exponencialmente. No mínimo deveria ser fisicamente possível alcançar uma aceleração de um milhão para um no pensamento, taxa na qual um ano subjetivo passaria em 31 segundos físicos. Nessa taxa um intervalo de tempo subjetivo inteiro de Sócrates na Grécia antiga até a humanidade dos dias modernos passaria em menos de 22 horas.

Limites do Cérebro

Os humanos também enfrentam um limite superior no tamanho de seus cérebros. A estimativa corrente é de que o cérebro humano típico contém algo como cem bilhões de neurônios e cem trilhões de sinapses. Isso é uma enorme quantidade de pura força bruta computacional em comparação com os computadores de hoje - embora se tivéssemos de escrever programas que rodassem em CPUs de 200Hz também precisaríamos de paralelismo maciço para fazer qualquer coisa em tempo real. Contudo, na indústria da computação, as avaliações de desempenho crescem exponencialmente, tipicamente com um tempo de duplicação de um a dois anos.

A lei de Moore original diz que o número de transistores em uma dada área de silício dobra a cada dezoito meses; hoje há uma lei de Moore para a velocidade dos chips, uma lei de Moore para a memória dos computadores, uma lei de Moore para o armazenamento dos discos rígidos por dólar, uma lei de Moore para a conectividade da internet, e uma dúzia de outras variantes.

Por contraste, todos os cinco milhões de anos de evolução dos humanos modernos a partir dos primatas envolveram um aumento de 3 vezes na capacidade do cérebro e um aumento de seis vezes no córtex pré-frontal. Nós atualmente não podemos aumentar o poder de nosso cérebro, além disso; de fato, nós gradualmente perdemos neurônios enquanto envelhecemos. (Vocês devem ter ouvido que os humanos usam somente 10% de seus cérebros. Infelizmente isso é uma completa lenda urbana; não apenas insustentável, mas categoricamente negada pela neurociência).

Usando Computação Paralela

Um possível uso das interfaces cérebro-computador de banda larga seria para sincronizar neurônios através de cérebros humanos e observar se os cérebros podem aprender a falar uns com os outros - telepatia mediada por computador, que tentaria superar o problema do rompimento dos códigos do cérebro vendo se eles podem ser decodificados por outro cérebro. Se o aumento de seis vezes no poder cerebral pré-frontal foi suficiente para sustentar a transição dos primatas para humanos, o que poderia ser realizado com o agrupamento das mentes de sessenta e quatro humanos? Ou mil?

(E antes que você grite "Borg!", considere que os Borg são uma pura fabricação dos roteiristas de Hollywood. Não temos razão para acreditar que telepatas necessariamente são pessoas más. Uma sociedade telepata poderia facilmente ser um lugar mais agradável para viver do que este.) Ou se o pensamento de humanos agrupados lhe dá nos nervos, considere a discussão completa como sendo sobre Inteligência Artificial.

Algumas discussões da Singularidade supõem que o momento crítico na história não será quando a primeira Inteligência Artificial equivalente a humana vier a existência, mas alguns anos depois quando a persistência da Lei de Moore produzir mentes de Inteligência Artificial duas vezes ou quatro vezes mais rápidas do que a humana. Isso ignora a possibilidade de que a primeira invenção da Inteligência Artificial será seguida pela compra, aluguel, ou absorção menos formal de uma substancial proporção de todo poder de computação na então atual internet - talvez centenas ou milhares de vezes mais poder de computação do que entrou na Inteligência Artificial original.

Quantidade vs. Qualidade

Mas o verdadeiro coração da Singularidade é a ideia de uma melhor inteligência ou mentes mais espertas. Humanos não são apenas grandes chimpanzés; nós somos melhores chimpanzés. Essa é a parte mais difícil para a Singularidade discutir - é fácil olhar para um neurônio e um transistor e dizer que um é lento e o outro é rápido, mas a mente é mais difícil de compreender. Às vezes a discussão da Singularidade tende a se focalizar em cérebros mais rápidos ou cérebros maiores porque cérebros são relativamente fáceis de se falar comparados a mentes; mais fáceis de visualizar e mais fáceis de descrever. Isso não significa que é impossível de discutir.

Contudo, que mente mais esperta é mais difícil de discutir do que cérebros mais rápidos ou maiores não mostram que mentes mais espertas são mais difíceis de desenvolver - mais profunda para refletir, certamente, mas não necessariamente mais resistentes como um problema. Pode até mesmo ser que aumentos genuínos na esperteza poderiam ser alcançados apenas adicionando mais poder computacional ao cérebro humano já existente - embora isso não seja conhecido nesse momento. O que é conhecido é que ir dos primatas para os humanos não precisou de aumentos exponenciais no tamanho do cérebro ou melhorias de milhares de vezes na velocidade de processamento.

Relativo aos chimpanzés, os humanos têm cérebros três vezes mais largos, áreas pré-frontais seis vezes mais largas, e DNA 98.4% similar; dado que o genoma humano tem 3 bilhões de pares base, isso implica que no máximo 12 milhões de bytes extra de 'software' transformam chimpanzés em humanos. E não há sugestão em nossa história evolucionária de que a evolução achou mais e mais difícil construir cérebros cada vez mais espertos; Na verdade, a evolução dos hominídeos pareceu aumentar a velocidade ao longo do tempo, com menores intervalos entre os maiores desenvolvimentos.

O Que Significa Mais Esperta Do Que a Humana?

Mas deixemos de lado por um momento a questão de como desenvolver mentes mais espertas, e perguntemos o que "mais-esperta-do-que-a-humana" realmente significa. E como uma definição básica de Singularidade indica; isso é exatamente o ponto no qual nossa habilidade de extrapolar falha. Nós não sabemos por que não somos assim tão espertos. Estamos tentando adivinhar o que é ser um adivinhador melhor-do-que-os humanos. Poderia uma reunião de símios ter predito o surgimento da inteligência humana, ou compreendê-la se ela fosse explicada? Pela mesma razão, poderia o século 15 ter previsto o século 20, sem falar no século 21? Nada mudou no cérebro humano desde o século 15; se as pessoas do século 15 não podiam prever cinco séculos a frente através de mentes constantes, o que nos faz pensar que podemos sobrepujar a inteligência genuinamente mais-esperta-do-que-a humana?

Porque nós temos uma história passada de pessoas fazendo previsões falhas de um século a frente, aprendemos, culturalmente, a desconfiar de tais previsões - nós sabemos o progresso humano ordinário, dado um século para se trabalhar, cria um abismo que as previsões humanas não podem cruzar. Não aprendemos essa lição com respeito a melhorias genuínas na inteligência porque a última melhoria genuína foi a centenas de milhares de anos atrás. Mas a ascensão da humanidade moderna criou um abismo imensamente maior do que o abismo entre o século 15 e o século 20. Essa melhoria na inteligência criou todo um ambiente de progresso humano, incluindo todo o progresso entre o século 15 e o século 20. É um abismo tão largo que do outro lado encontramos, não previsões falhas, mas absolutamente nenhuma previsão.

Inteligência-mais-esperta-do-que-a humana, inteligência mais-rápida-do-que-a humana, e inteligência auto-melhoradora são todas inter-relacionadas. Se você for mais inteligente isso torna mais fácil entender como desenvolver cérebros rápidos ou melhorar sua própria mente. Por sua vez, ser capaz de remodelar sua própria mente não é apenas um jeito de iniciar uma vertente de auto-melhoramentos recursivos; ter completo acesso a seu próprio código é, em si mesmo, um tipo de esperteza que os humanos não têm. Auto-melhoramento é mais difícil do que aperfeiçoar códigos; não obstante, a mente com a habilidade de reescrever seu próprio código fonte pode potencialmente fazer-se mais rápida também. E cérebros mais rápidos também se relacionam a mentes mais espertas; acelerar uma mente toda não a faz mais esperta, mas adicionando mais poder de processamento aos processos cognitivos inerentes a inteligência é uma questão diferente.

Inteligência Mais Esperta Do a Humana

Mas a despeito da inter-relação, o momento chave é a ascensão da inteligência-mais-esperta-do-que-a humana, mais do que auto-melhoramento de maneira repetitiva ou inteligência mais rápida do que a humana, porque é isso que faz o futuro genuinamente diferente do passado. Isso não necessita de mentes milhões de vezes mais rápidas do que as humanas, ou melhorias após melhorias empilhadas ao longo de uma curva íngreme de auto-aperfeiçoamento recorrente. Uma mente significativamente além do nível humanamente possível representaria uma Singularidade completa. Que não sejamos aptos a estar lidando com "um único" melhoramento não faz o impacto de um melhoramento menos importante.

Combine uma inteligência mais rápida, uma inteligência mais esperta, e uma inteligência recursivamente auto-melhorada, e o resultado é um evento tão grande que não há metáfora adequada. Não há nada que sobre para poder compará-la.

A Singularidade é mais que enorme, mas pode começar com algo pequeno. Se uma inteligência-mais-esperta-do-que-a humana existir, essa mente achará mais fácil criar mentes ainda mais espertas. A esse respeito a dinâmica da Singularidade se assemelha a outros casos onde causas pequenas podem ter enormes efeitos; fazer cair o primeiro dominó em uma cadeia, começar uma avalanche com uma pedrinha, modificar o movimento de um objeto em posição vertical equilibrado em sua extremidade. (A civilização tecnológica humana ocupa um estado de metástase no qual a Singularidade é um atrator; uma vez que o sistema comece a se mover para um novo estado, o movimento acelera).

Tudo que é necessário é uma tecnologia - Inteligência Artificial, interfaces cérebro-computador, ou talvez alguma coisa inesperada - que avance para ao ponto de criar mentes-mais-espertas-do-que-a humana. Esse único avanço tecnológico é o equivalente da primeira substância química que deu origem a vida na terra.

Artigo do: http://www.quantumbiocommunication.com/ideas/the-creation-of-smarter-than-human-intelligence.html

Nota: Artigo interessante, especulação científica de altíssimo nível, mas baseado nos princípios errados do evolucionismo.


Reblog this post [with Zemanta]

Nenhum comentário:

Controle total do sistema : cientistas criam o chip-órgão que pode emular o corpo;

 “No futuro, você será um microchip – O “xeque-mate” contra a humanidade! By  Bruno Asher ,  www.apocalipsenews.com Setembro 14º, 201 7...