sábado, 31 de março de 2012

A crise econômica da Europa: Portugal, Irlanda, Espanha, Itália e Bélgica seguem na mesma direção da Grécia

A crise econômica da Europa: Portugal, Irlanda, Espanha, Itália e Bélgica seguem na mesma direção da Grécia


Nada está acabado até estar terminado. Naturalmente, referimo-nos à Europa e à sua versão de 1984. Achamos difícil de compreender que banqueiros, políticos e burocratas da Europa possam fazer o que fizeram com uma cara aparentemente séria. Investidores tiveram um haircut a pressionar suas gargantas mas o BCE e o FMI ficaram isentos. 
Como pode ser isso? É porque alguns são mais iguais do que outros.

Não há dúvida de que isto será um acontecimento decisivo para o sistema financeiro europeu e mundial. Assistimos a um descumprimento parcial, mas só porque os criadores dos derivativos, o ISDA(International Swaps and Derivatives Association), tinham de dizer alguma coisa, do contrário o seu negócio de derivativos teria entrado em colapso. Ninguém fará negócio com um segurador ou um operador de apostas que não paga e constantemente muda as regras de forma arbitrária. Não é preciso dizer que tais maquinações estão fora da vista do público, porque 99% dele certamente não entende de derivativos. 

A Grécia está a caminho da crise seguinte quer seja pela via da austeridade, de manifestações ou de um golpe militar. Com toda probabilidade a Grécia será seguida pela Irlanda, Portugal, Bélgica, Espanha e Itália. 


Também será interessante ver se retornam depósitos bancários aos bancos gregos. Eles provavelmente não voltam e haverá grande dificuldade a afetar qualquer espécie de recuperação. O povo grego, ao longo disto, foi deixado fora da equação. 

Como mencionamos no último número, os líderes da zona do euro gastaram três anos a tentarem evitar um tal resultado, mas obviamente subestimaram a profundidade dos problemas gregos e de outros países. Será interessante ver como os membros do ISDA manipulam os US$3 mil milhões em acertos de derivativos, ou será que alguma vez compartilharemos o segredo deles? Mas quaisquer que tenham sido as soluções europeias elas certamente foram política enviesada e fracassada. Quase tudo política e muito pouco pensamento avançado. Um evitar de colapso e depuração só para arcar com as consequências daqui a seis meses a um ano. 

Certamente uma vitória de Pirro, pois a distribuição de fundos foi muito mais curta do que era necessário. O que pensarão estas pessoas e o que dirá a Alemanha esta semana quando revelarem o fato de que o novo MEE , o sucessor do EFSF, é inconstitucional na Alemanha? Além disso, estes países europeus solventes que emprestaram estes fundos em nome dos seus contribuintes tem de revelar-lhes simplesmente em quanto estão pendurados até agora. 

Serão estas pessoas suficientemente tolas para acreditar que austeridade, salários mais baixos e lucros mais altos trazem prosperidade? Todo o cenário é surreal e irrealista. Também nos perguntamos o que pensam acerca de o BCE e o FMI serem excluídos das perdas gregas e de outras. O eleitor tem de acreditar que estão a viver num mundo imaginário. 

O acordo que foi estruturado para a Grécia desrespeita a lei e será litigado durante anos. Por que investidores desejariam investir sob estas circunstâncias? As regras são aquilo que eles dizem que são em qualquer dado momento ou conjuntura. Estarão outros países desejosos de seguirem o mesmo caminho? 

Toda promessa dos banqueiros, políticos e burocratas foi rompida. 

No fim as perdas do investidor foram de 70% ou mais. Eles deveriam ter aguentado perdas de 100%, mas isso não se vê nem aqui nem ali, a questão é que todos foram também deliberadamente enganados. A Grécia não era um caso isolado e os mercados financeiros são bem conscientes disso. 

Não será de perguntar como é que o BCE vai descarregar US$290 mil milhões em títulos tóxicos? Quem será bastante tolo para comprá-los? Como exemplo, o PIB português pode cair mais de 5% em 2012. Isso poderia traduzir-se em 50% de perdas um fardo da dívida pública de 118% do PIB no ano fiscal de 2012. A dívida do seu estado eleva isto em mais 10%. Isso é pior do que a Grécia. 

Recorde-se um fato muito pouco conhecido, de que Portugal “mascarou” o seu déficit no ano passado, tomando 3,5% do PIB de fundos de pensão privados. Cidadãos de todos os países prestam muita atenção. Este roubo está em vias de ser um modo de vida para todos os banqueiros e políticos. Eles estão em vias de roubar a sua aposentadoria, esteja pronto para isso. Eis porque temos recomendado a todos os cidadãos nos EUA a retirarem todos os fundos de aposentadoria que puderem. Em cinco meses o FMI decidirá se Portugal precisa de mais dinheiro. Naturalmente precisará de mais. Portugal não pode levantar fundos no mercado aberto a taxas razoáveis, de modo que o FMI tem de intervir com o EFSF. Como é que isto se ajustará à Espanha e à Itália? Não muito bem, imaginamos. Tudo isto significa que os possuidores de títulos  destes países estarão vendedores e não compradores, o que colocará o BCE e o FMI numa situação desesperada. Os problemas da Europa têm anos de duração. 

Só para mostrar como estão os bancos centrais europeus, verifica-se que devem US$650 mil milhões ao BCE. Além disso, se a Grécia tiver de deixar a zona do euro no futuro ela deverá aos atores solventes do euro outros US$125 mil milhões em dívida pagável. 

Uma dívida que será muito pior daqui a seis meses a um ano.

Isto significa que a Alemanha utilizará o próximo salvamento para dizer não, especialmente que o MEE não estará disponível para eles, ou assim diz o seu Tribunal Supremo. Acreditamos que a Alemanha quis assumir a perda e ir embora um ano atrás, mas os banqueiros disseram não. O seu sonho de governo mundial ainda está vivo e é mais importante do que o sistema financeiro da UE. Então dizem-nos outra vez que o Mediterrâneo é um vasto depósito de gás natural. Se assim for, então talvez a Grécia esteja a ser mantida a fim de ter acesso àquele gás e estarem menos dependentes da Rússia. 

Como temos dito frequentemente desde o princípio da década de 1990 a UE e a zona do euro estão condenadas. 

A Grécia não tem possibilidade de recuperação devido aos fundos inadequados emprestados. Então há os desembolsos dos CDS de uns US$3 mil milhões, os quais farão as coisas mais difíceis para outros países na mesma situação. A recapitalização dos bancos gregos é um insulto à inteligência econômica. Eles precisarão o dobro dos fundos oferecidos só para alcançarem os 9% de exigências de capital. 

Fundos de pensão gregos serão devastados, provavelmente retendo 25% do antigo valor. Temos uma [nova] coligação governamental em 1 de Maio e isso põe em causa o futuro do acordo de salvamento que acabou de ser feito. A Grécia está em vias de ser sujeita a um corte orçamentário de 20% em cima daquele já efetuado. Este acordo engendrado pelos banqueiros é o pior de todos os mundos. 

Provocará graves problemas à UE nos próximos anos. 

Há alguns meses escrevemos que há cerca de US$70 mil milhões em CDS gregos. Corte isto pela metade e as perdas seriam de US$30 a US$35 mil milhões, não os US$3 mil milhões mencionados. A questão que se levanta será a capacidade das contrapartes de pagarem. Descobriremos isso bastante logo. Haverá uns poucos vencedores e quão longe irá a carnificina? O acordo estruturado não foi de todo voluntário para os credores gregos. Foi extorsão nos moldes da Inquisição Espanhola. Isso não é modo de conduzir negócios. 

Veja-se então as questões sociais e a possibilidade de um golpe. E há ainda aspectos racistas a atiçar ódio. 

Os nortistas não gostam dos sulistas no Sul latino. 

Como dissemos anteriormente Portugal caminha na mesma direcção da Grécia. Nenhum crescimento e nenhuma mudança de qualquer espécie. A Itália e a Espanha terão de ser salvas como os outros. E há ainda o negro segredo sujo de que é a França que se segue. Estes problemas vão continuar por aí além. 

14/Março/2012

O original encontra-se em http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=29766 
Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
Retirado do site http://www.fimdostempos.net
Enhanced by Zemanta

terça-feira, 27 de março de 2012

A Ênfase em Notícias Ruins na Mídia de Massa Tem o Objetivo Deliberado de Criar Desânimo e Insatisfação na População

NBC News logo, 1959-1972.NBC News logo, 1959-1972. (Photo credit: Wikipedia)

A Ênfase em Notícias Ruins na Mídia de Massa Tem o Objetivo Deliberado de Criar Desânimo e Insatisfação na População

O papel da imprensa está definido de forma bem clara nos Protocolos dos Sábios de Sião: criar descontentes e ser seu órgão de expressão. Afinal, somente se estiverem suficientemente insatisfeitas com as instituições é que as pessoas estarão abertas a aceitarem o sistema do Anticristo e seus planos.

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?
Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia a dia!!
Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!
Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.
Agora você está com a
"THE CUTTING EDGE"
Sempre nos sentimos enojados e cansados após ouvir ou ler todas as notícias ruins pela televisão, rádio, jornais e revistas. Quando reclamamos, a resposta que ouvimos é: "São as más notícias que vendem os jornais". Mas, como aprenderemos neste artigo, as más notícias têm um objetivo de produzir muito mais dano à sociedade do que as pessoas podem imaginar.
Sempre que você percorre os canais de seu televisor ou gira o sintonizador do aparelho de rádio, os apresentadores de notícias estão trazendo as piores notícias imagináveis. Assassinatos, violência, roubos e sequestros são parte do regime diário. Parece que nunca passa uma semana sem que balancemos nossas cabeças, desanimados com o lixo e a lama aparentemente intermináveis. Observamos muito disso em artigos anteriores e observamos que a Bíblia diz repetidamente que, no fim dos tempos, a iniquidade aumentará mais e mais, até que a sociedade entrará em colapso sob o impacto de toda a desordem. Essa impiedade é um dos principais sinais que o mundo hoje está marchando rumo ao aparecimento do Anticristo. Não se engane sobre o fato que esses crimes estão lenta e sistematicamente despedaçando esta grande civilização.
Mas, é claro, os barões da grande mídia de massa não estão contentes apenas em reportar os crimes contra a sociedade, eles querem ir para o próprio fulcro da nossa sociedade: a confiança nas instituições. Embora a maioria das pessoas queira acreditar em seus governos, elas têm sido expostas a tantos casos de abuso de poder e privilégios, que a simples confiança de algumas gerações atrás desapareceu, e foi substituída por uma confiança condicional. A "confiança" atual consiste de "Eu o apoiarei para o cargo se você apoiar as políticas que ponham dinheiro no meu bolso".

Poucas pessoas confiam realmente em seus governos — nacional, estadual e municipal — em todas as circunstâncias. De fato, descobrimos que a ideia que nossos lideres no governo não têm nossos melhores interesses em vista é totalmente atemorizadora para a maioria dos cidadãos. Eles compreendem que, se nossos líderes nacionais e/ou estaduais realmente se voltarem contra nós em uma ação unificada, não poderemos resistir às armas atuais que estão à disposição dos governantes. É por isto que tantas pessoas são totalmente resistentes ao conceito de uma conspiração para criar um governo global; esse conceito é atemorizador demais e provoca náusea, dores de cabeça e insônia. Portanto, a maioria prefere ouvir comentaristas, como o radialista Rush Limbaugh, dizerem que as coisas não são bem assim, em vez de enfrentarem a verdade das Escrituras que nos advertem a esperarmos esse tipo de conspiração no fim dos tempos.
Em seu esforço de despedaçar o fulcro social, a mídia de notícias constantemente apresenta matérias sobre a natureza corrupta dos nossas autoridades eleitas, ou matérias sobre a ineficiência ou a natureza fraudulenta dessas autoridades. Assim, a rede NBC News tem um quadro que é exibido quase todas as noites chamado "Tosquiando a Nação". Eles reportam atos sérios de corrupção, complacência e incompetência de autoridades de todos os níveis do governo: Forças Armadas, Departamento de Estado, Congresso e presidência. Aparentemente, o Congresso e as Forças Armadas recebem a cobertura mais severa. O Congresso é constantemente ridicularizado por causa dos gastos frívolos, que desperdiçam o dinheiro do contribuinte aos milhões e milhões, ao mesmo tempo em que beneficiam os ricos e famosos. As Forças Armadas são criticadas pelo modo como desperdiçam o dinheiro em aquisições de armamentos e em pesquisa, e de muitas outras formas. O tema que parece ser o mais prevalecente no governo e nas Forças Armadas é que nossas autoridades eleitas, e muitos dos nossos líderes militares, abusam do seu poder e da confiança que os cidadãos colocam neles.

As empresas são também alvos favoritos, desde os esquemas de seguros que defraudam os idosos, até os golpes contra tantos tipos diferentes de pessoas em nossa sociedade. Logicamente, quanto mais inocente e indefesa for a vítima, mais poderosa será a matéria de notícias.
Os desastres naturais recebem muita atenção da mídia, algumas vezes ao ponto de nos convencer que este velho planeta está prestes a ser destruído (vender essa história é o Plano). No Sistema Público de Ensino, as crianças e adolescentes não somente aprendem que a Teoria da Evolução é um fato científico, mas também aprendem que estamos chegando perto de destruir a Terra, a não ser que algo seja feito, e feito de forma rápida e drástica.
Outros programas na televisão seguem esse mesmo cenário em suas apresentações. Embora estejamos todos já fartos desse jornalismo terrivelmente negativo, todos nós assistimos a alguns desses programas, e a maioria de nós faz isso regularmente.
Os programas de rádio com entrevistas tiveram uma grande expansão na última década e transmitem o mesmo tipo de notícias ruins que vemos na televisão. Os comentaristas da esquerda, da direita e os de centro aparentemente gostam de agradar sua audiência, que se deleita em ridicularizar as pessoas com quem tem diferenças filosóficas, políticas e/ou religiosas. Um dos apresentadores mais populares no rádio atualmente é Rush Limbaugh, um homem admirável, que exala carisma e inteligência ao apresentar suas opiniões aparentemente conservadoras. Fui um ouvinte assíduo dele de 1991-1995, até que comecei a observar que Rush não era aquilo que aparentava ser. [Você pode ler o resto da história em N1030, "Rush Limbaugh — Mega-Dittos To The Master Communicator"]. Rush faz um excelente trabalho de enunciar os problemas que estão diante de nossa sociedade, mas sua única solução é que elejamos mais conservadores e/ou republicanos. Minha pesquisa nos últimos 25 anos mostra que os líderes do Partido Republicano são tão comprometidos com a Nova Ordem Mundial quanto os líderes do Partido Democrata, e que os rótulos "conservador" e "progressista" na verdade são sem sentido.
Embora essa designação possa fazer sentido do ponto de vista econômico, não faz sentido quando você compreende que as pessoas que vestem o rótulo de "progressista" estão cooperando com aquelas que vestem o rótulo de "conservador" para trazer esse vindouro sistema ditatorial chamado Nova Ordem Mundial. Estarei muito interessado em ouvir Rush Limbaugh quando o Anticristo aparecer, pois esse evento será o mais espiritual na história mundial. Como a verdade espiritual é discernida espiritualmente, e como todos os membros da mídia que estão envolvidos com o Plano pegarão os microfones para incentivar seus ouvintes a aceitarem e a seguirem o Anticristo, estarei interessado em ouvir o que Rush terá a dizer. Ele certamente afirma dirigir o pensamento de milhões de pessoas nos EUA.
A apresentadora Oprah Winfrey epitomiza as novelas da televisão, em que os fatos sórdidos são discutidos com grande "abertura" e "maturidade". Esses programas aparentemente não conhecem limites e os assuntos mais vis e repugnantes são discutidos sem qualquer inibição. Hoje, já não sei mais quantos programas desse tipo são exibidos durante o período diurno na televisão.
O máximo em reportagens de más notícias pode ser encontrado nos tabloides de supermercado, que expõem tanto más notícias que você sente vontade de tapar os olhos. Entretanto, sabemos que muitas dessas matérias são totais fabricações. A maioria das matérias é criada pela imaginação fértil dos escritores do tabloide. Muitos dos principais astros do cinema já processaram os tabloides por difamação, e ganharam as ações na Justiça. É por causa desses casos que sabemos que muitas das matérias são fabricadas, e que os proprietários desses jornalecos dependem das proteções da Primeira Emenda (Liberdade de Expressão). Realmente, os Pais Fundadores que redigiram a Constituição Americana nunca imaginaram que esse cenário de tanta mentira e exageros seria protegido pela Primeira Emenda.
O peso cumulativo de todas essas más notícias é tão grande que já ouvi diversas vezes psicólogos dizerem que ninguém deveria assistir às notícias imediatamente antes de ir para a cama à noite; as más notícias inevitavelmente prejudicam nosso sono. Nossas emoções estarão tão abaladas que teremos dificuldade em dormir bem. Sempre achei esse conselho muito sólido.
Agora que examinamos algumas das principais partes da torrente interminável de más notícias que são apresentadas pelas várias modalidades de mídia, temos de nos perguntar por que isso acontece. No passado, existiram grandes civilizações que não tiveram a imprensa e nem a inundação de informações que existe hoje. Ao perguntar por que temos essas notícias continuamente ruins, especialmente quando as pesquisas de opinião revelam que muitas pessoas já estão enojadas e cansadas delas, temos de olhar além da sabedoria convencional para encontrar a resposta.
Vamos examinar parte do Plano para produzir a Nova Ordem Mundial. Você ficará chocado!
Uma das principais declarações do Plano está contido nos "Protocolos dos Sábios de Sião". Esse documento maligno foi certamente escrito pelos Illuminati, provavelmente dentro da sociedade secreta chamada Priorado de Sião [leia o artigo N1144] e provavelmente por um membro da família Rothschild (banqueiros internacionais), mas foi escrito de tal forma a fazer parecer como se os judeus tivessem escrito o plano para tomar o controle do mundo e instituir a forma mais ditatorial de governo já vista. Logicamente, a verdade está exatamente 180 graus na direção oposta; o Plano é um Plano gentio para tomar o mundo em um sistema que eles chamam de Nova Ordem Mundial. Quando leio os Protocolos, fico admirado em ver quantas das mudanças propostas foram implementadas nos últimos 30-50 anos, e quão próximos aparentemente estamos das mudanças finais que produzirão o homem deles, o Anticristo. Verdadeiramente, esse Plano somente pode ter sido concebido de forma sobrenatural, pelos "espíritos-guias" demoníacos que guiam todos os verdadeiros ocultistas.
Veja o papel que eles preveem para a mídia, a imprensa, durante este atual estado de transição para a Nova Ordem Mundial. Durante esse estado de transição, os governos do Ocidente ainda serão livres, mas cambalearão rumo ao sistema ditatorial previsto. Leia com toda a atenção:
"Os Estados modernos possuem uma grande força criadora: a imprensa. O papel da imprensa consiste em indicar as reclamações que se dizem indispensáveis, dando a conhecer as reclamações do povo, criando descontentes e sendo seu órgão." [Protocolo 2; ênfase adicionada].
Não é esse exatamente o papel que está sendo executado hoje pela mídia de más notícias, como acabamos de descrever? Não é especialmente esse o papel que Rush Limbaugh cumpre quando ocupa seu espaço de três horas, de segunda a sexta-feira, com lamúrias conservadoras suficientes para fazer flutuar um navio de guerra? Rush está cumprindo essa parte do Plano lindamente.
A mídia de massa hoje está cumprindo o primeiro elemento (salientar os requisitos considerados indispensáveis) quando apresenta quadros como "Tosquiando a Nação", que enfatizam fortemente os fracassos do governo e das empresas, e o modo como o dinheiro dos nossos impostos é desperdiçado. Radialistas como Rush Limbaugh dão "voz às reclamações das pessoas" e o efeito cumulativo total é "criar descontentes e ser seu órgão". Incrível! Todo esse cenário está sendo cumprido bem debaixo dos nossos narizes.
Veja mais:
"A imprensa encarna a liberdade da palavra. Mas os Estados não souberam utilizar essa força e ela caiu em nossas mãos. Por ela, obtivemos influência, ficando ocultos." [Protocolo 2].
Não é também o modo como esse cenário se desdobra hoje? Ao mesmo tempo em que provocam agitações, ruído e fúria em nossa sociedade, os verdadeiros manipuladores do poder nunca são vistos e nunca são afetados.
Veja mais:
"Graças à imprensa, ajuntamos o ouro em nossas mãos, a despeito das torrentes de sangue e de lágrimas que nos custou consegui-lo... Mas valeu a pena, apesar de termos sacrificado muitos dos nossos. Cada uma de nossas vítimas, diante de Deus, vale milhares de gentios." [Protocolo 2].
Aqui, os protocolos estão falando das guerras travadas; quando falam das "torrentes de sangue e de lágrimas", que resultaram na acumulação de grandes riquezas pelos banqueiros internacionais. Na verdade, veja a avaliação da necessidade de guerra e de um determinado tipo de guerra:
"Precisamos que as guerras não deem, tanto quanto possível, vantagens territoriais. Transportada, assim, a guerra para o terreno econômico, as nações verão a força de nossa supremacia, e tal situação porá ambas as partes à disposição de nossos agentes internacionais, que têm milhares de olhos e que nenhuma fronteira pode deter. Então, nossos direitos internacionais apagarão os direitos nacionais, no sentido próprio da expressão, governando os povos, do mesmo modo que o direito civil dos Estados regula as relações entre seus súditos." [Protocolo 2].
É por isto que houve tanto derramamento de sangue nas duas Guerras Mundiais, na Guerra da Coreia, na Guerra do Vietnã, em ambas as Guerras do Golfo, e no Afeganistão, por questões econômicas, sem a conquista de novos territórios? É lógico que sim! Esta também é a razão por que os EUA lutaram nessas guerras, desde 1948, sem a intenção de obter uma "vitória"!
Além disso, a imprensa é citada como a grande cúmplice em todo esse "oceano de sangue e de lágrimas"! Verdadeiramente, os grandes financistas e industriais se tornaram podres de ricos com todas essas guerras. Esse fato é a razão por que não posso visitar o Monumento à Guerra do Vietnã, em Washington, onde os nomes de meus bravos camaradas estão escritos no grande bloco de granito. Cada uma daquelas vidas foi perdida em vão, como também as vidas daqueles que tombaram na Guerra da Coreia e os mortos em ambas as Guerras Mundiais. Cada uma das guerras sanguinárias no último século teve o propósito de fazer avançar a Nova Ordem Mundial! [Leia os detalhes completos desses grandes conflitos planejados nos artigos N1015, N1056 e N1057.].
Certamente, quando o ato final desse grande drama global começar a se desdobrar na Terceira Guerra Mundial, a economia entrará em colapso total, pois está sendo preparada para isto. Neste ponto, a maior transferência de riqueza na história mundial ocorrerá, quando a riqueza cumulativa de muito gado (o modo como eles se referem a nós) fluirá para as mãos de alguns poucos (os líderes do Plano da Nova Ordem Mundial). Logicamente, esse colapso econômico será uma das muitas crises que serão deflagradas simultaneamente em todo o mundo, para fazer as pessoas entrarem em pânico e aceitarem o Anticristo, seu governo e seu programa de recuperação. Se a população não estivesse insatisfeita com o atual governo em alguma medida, nunca permitiria que o Anticristo substituísse a forma atual de governo no mundo pela sua forma. Este é o plano, e o trabalho da imprensa neste período preparatório é criar o descontentamento entre a população.
Veja mais um pouco:
"Para impelir os ambiciosos a abusar do poder, opusemos umas às outras todas as forças, desenvolvendo todas as suas tendências liberais para a independência. Encorajamos para esse fim todas as tendências, armamos todos os partidos e fizemos do poder o alvo de todas as ambições. Transformamos os Estados em arenas onde reinam os distúrbios. Dentro de pouco tempo, as desordens e bancarrotas surgirão por toda a parte. Os falastrões inesgotáveis transformaram as sessões dos parlamentos e as reuniões administrativas em prélios oratórios. Jornalistas audaciosos e panfletários cínicos atacam diariamente o pessoal administrativo. Os abusos do poder, finalmente, prepararão a queda de todas as instituições, e tudo será destruído pela multidão enlouquecida." [Protocolo 3; ênfase adicionada].
Este cenário tem sido a tendência durante todo o século 20, e tem sido o padrão para o século 21. Depois o mundo superou as excessivas destruições da Primeira Guerra Mundial, caminhou rumo à Segunda Guerra Mundial, passando primeiro pela Grande Depressão, que foi causada de forma deliberada pelo Illuminati. Em seguida, houve a Guerra da Coreia e a Guerra do Vietnã, em tempos econômicos difíceis. Após um breve período de tranquilidade econômica durante o governo Reagan, os EUA descobriram que tinham suas Forças Armadas renovadas, capazes de derrubar Saddam Hussein sem sofrerem grandes baixas. Mas, pelo menos o presidente Bush teve a cortesia de dizer claramente que a Guerra do Golfo tinha o propósito de cooperar para a Nova Ordem Mundial.
Agora, os EUA estão envolvidos em guerras no Iraque e no Afeganistão, nenhuma das quais será vencida.
Verdadeiramente, todos esses conflitos ocorreram por questões econômicas e políticas, mas não para ganhar novo território. Finalmente, os líderes da Nova Ordem Mundial que estão na liderança do capitalismo, do comunismo e das Potências do Eixo — se tornaram podres de ricos com todos esses conflitos.
O controle da imprensa foi um fator fundamental. A imprensa controla os valores e atitudes das pessoas, utilizando o Plano das Seis Etapas Para a Mudança de Comportamento [leia os detalhes completos de como esse plano funciona no artigo N1055.] para modificar sutilmente os valores e atitudes das pessoas em uma ampla variedade de assuntos, sem que elas saibam que estão sendo manipuladas para que as mudanças aconteçam. Afinal, o "conflito" previsto na Etapa 4 é promovido pela imprensa.
Permita-me encerrar citando novamente a parte pertinente dos planos dos Illuminati de usar a imprensa para obter o poder total e final sobre nós. Agora, você sabe por que as notícias são sempre tão ruins:
"Graças à imprensa, ajuntamos o ouro em nossas mãos, a despeito das torrentes de sangue e de lágrimas que nos custou consegui-lo." [Protocolo 2].
Verdadeiramente, os homens maus estão se tornando cada vez mais iníquos e estão ganhando lentamente o controle sobre todo o mundo.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org
Que Deus o abençoe.
Revisão: http://www.TextoExato.comA Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2398.asp
Nota: Esse artigo analisa o ambiente da imprensa americana, mas nem é preciso pesquisar muito para ver que aqui no Brasil a coisa não é diferente, eu diria que é até pior, dadas as condições deploráveis de violência e corrupção da nossa sociedade.

Enhanced by Zemanta

segunda-feira, 19 de março de 2012

Drones Orwellianos: "Olho no céu" espionando os americanos

Northrop Grumman RQ-4Northrop Grumman RQ-4 (Photo credit: gordontour)
Drones Orwellianos: "Olho no céu" espionando os americanos

Por Stephen Lendman

O poder do dinheiro governa a América. Bem como os lobies representantes de todas as corporações e outros interesses.

A Associação Internacional para Sistemas de Veículos Não-tripulados (AUVSI, em inglês) representa dezenas de empresas influentes.

Incluindo Lockheed Martin, Boeing, Northrop Grumman, Raytheon, Bell Hellicopter Textron, Sikorski Aircraft, Goodrich, General Dynamics, Honeywell, Booz Allen Hamilton, Hill & Knowlton e muitas outras que promovem a tecnologia drone de veículos aéreos não-tripulados (UAV, em inglês). 
Alvejar países contrários é o mais novo esporte da América. De centros de comando distantes, operadores matam por controle remoto. Eles usam teclados de computadores e múltiplos monitores. Os UAVs permanecem prontos ininterruptamente para as missões.

Os drones predadores realizam matanças higiênicas a baixo custo comparadas as aeronaves tripuladas. Especialistas independentes acreditam que os militantes são atingidos em cerca de 2% das vezes. Todos os outros são não combatentes, a despeito da negação dos oficiais.
 Em 1995 os drones predadores foram usados pela primeira vez na Bósnia. Em 2001, o Drone Global Hawk foi usado no Afeganistão. No decorrer das guerras do Afeganistão e do Iraque o Pentágono usou vários tipos de drones para missões de combate e espionagem.

Na Líbia, Obama autorizou drones Predator. Eles operaram durante a guerra. Eles também foram usados no Iêmen, Somália, e onde quer que Washington designasse alvos para matar.

O cidadão americano Anwar al-Aulaqi foi assassinado dessa maneira. Assim pode ser com qualquer um em qualquer lugar na lista de alvo da América, incluindo talvez a nível nacional brevemente.

Os planos de Washington agravaram a matança dos drones, bem como a espionagem sobre os americanos. Atualmente, cerca de um em cada três aviões de guerra são drones. Um dia talvez todos eles serão não tripulados.

Drones domésticos espionando na América

Em 10 de janeiro a advogada da Electronic Frontier Foundation (EFF) Jennifer Lynch, mencionou a manchete "Estão os drones vigiando você?", dizendo:

A EFF processou a Federal Aviation Administration por uso doméstico de drone. Perguntando quem está pilotando os UAVs?

Drones carregam equipamentos de vigilância, incluindo vídeo câmeras, câmeras de infravermelho, censores de calor, e radar para espionagem sofisticada virtualmente constante. As mais novas versões carregam câmeras "gigapixel" de super alta resolução. Elas permitem rastrear acima de 20.000 pés. Elas podem monitorar até 65 inimigos simultaneamente, e podem ver alvos a até 25 milhas de distância.

Os drones predadores podem escutar transmissões eletrônicas. Um novo modelo é capaz de penetrar redes wi-fi e interceptar mensagens de texto e chamadas de telefone celular secretamente.

Até mesmo domesticamente, drones podem ser armados com tasers e outros dispositivos capazes de machucar ou talvez matar.

Atualmente, a Alfândega e Proteção a Fronteiras dos Estados Unidos usa UAVs para vigiar as fronteiras. As agências de aplicação da lei locais e estaduais também usam eles para investigar "roubo de gado, tráfico de drogas e procurar pessoas desaparecidas."

Voar acima de 400 pés requer certificação da FAA. As informações sobre quem obteve autorização para quais propósitos são indisponíveis.

A FAA está sob o Departamento de Transporte (DOT, em inglês). Que falhou em responder a um pedido da Lei de Liberdade de Informação do EFF em abril de 2011. O advogado do EFF, Lynch disse:

"Drones dão ao governo e outros operadores do UAV uma poderosa nova ferramenta de vigilância para coletar dados extensivamente e intrusivamente sobre os movimentos e atividades dos cidadãos americanos".

"Enquanto o governo começa a tomar decisões políticas sobre o uso destas aeronaves, o público precisa saber mais sobre como e porque estes drones estão sendo usados para vigiar os cidadãos dos Estados Unidos."

Drones "poderiam aumentar dramaticamente o rastreamento físico de cidadãos - rastreamento que pode revelar detalhes pessoais profundos sobre nossas vidas privadas. Estamos pedindo ao DOT para seguir a lei e responder a nossa solicitação para que possamos aprender mais a respeito disso" que o público tem o direito de saber.

A Suprema Corte não tem sido amigável ao povo em muitas questões, incluindo privacidade. Em Estados Unidos vs. Place (1983), a Corte declarou que farejamento por cães policiais treinados para detectar drogas ilegais não são buscas sob a Quarta Emenda.

Elas são sui generis, destinadas apenas a revelar a presença ou ausência de narcóticos. Em outras palavras, as proteções da Quarta Emenda não se aplicam a examinadores não humanos. Como resultado, direitos de privacidade estão no bloco de corte para a eliminação. Agora mesmo, de fato, eles estão gravemente comprometidos sob a política de vigilância institucionalizada da administração Bush (e agora de Obama).

Em 2007, O Departamento de Segurança Interna (DHS, em inglês) autorizou a espionagem através do National Applications Office (Escritório Nacional de Aplicativos, que é um departamento que proporciona aos oficiais federais, locais e estaduais acesso irrestrito a imagens de satélites espiões). Isso foi descrito como "o agente executivo para facilitar o uso dos ativos tecnológicos da comunidade de inteligência para propósitos de cumprimento da lei e segurança interna para civis dentro dos Estados Unidos."

Com ou sem autorização do Congresso ou de supervisão, o ramo executivo deve autorizar essa tecnologia sofisticada, incluindo imagem de satélite militar, para espionar sorrateiramente os americanos.

Embora os planos iniciais estejam atrasados, o olho no céu espionando ao redor, potencialmente monitorará todos em todo lugar uma vez que a plena implementação seja atingida. Incluídos estarão milhares de drones Big Brother observando.

Em 3 de fevereiro, A Lei de Reautorização da FAA (HR 658) passou por ambas as casas do Congresso depois que diferenças entre as versões do Senado e da Câmara foram resolvidas. Espera-se que Obama assine em breve.

Ela autoriza drones domésticos espionarem sob condições para testar e licenciar drones comerciais por volta de 2015. Estima-se que mais de 30.000 UAVs poderão esta r sobrevoando a América em 2020. Defensores da privacidade estão preocupados. Steven Aftergood, diretor da Federação Americana de Cientistas de Projetos Secretos do Governo, disse:

"Há sérias questões políticas no horizonte sobre privacidade e vigilância, tanto de agências do governo quanto de entidades comerciais".

De acordo com o Centro Amie Stepanovich de Privacidade Eletrônica de Informação, "Atualmente, a única barreira para o uso corriqueiro de drones para vigilância persistente são os requerimentos de procedimento impostos pela FAA para a emissão de certificados."

Mudando as regras muda o jogo. Espera-se. Vai acontecer uma vez que Obama assine a HR 658. A proliferação de UAV agora mesmo está se expandindo rapidamente. Uma folha técnica da FAA em julho de 2010 disse que somente na América, "aproximadamente 50 companhias, universidades e organizações governamentais estão desenvolvendo e produzindo em torno de 155 projetos de aeronaves não tripuladas."

Espera-se que a América seja responsável por cerca de 70% do crescimento global. Em 2011, o Congresso, o Departamento de Defesa e os governos locais e estaduais, bem como a AUVSI (Associação Internacional para Sistemas de Veículos Não Tripulados) pressionaram a FAA para rever e expandir seu atual programa de "Certificado de Autorização ou Concessão (COA)" relativo a aeronave não tripulada (UA).

A agência também está examinando suas próprias regras para pequenas UAs. É esperado que autorize um uso expandido do COA brevemente.

Preocupações da ACLU (União Americana das Liberdades Civis)

Em 6 de fevereiro, a ACLU publicou, "Congresso tentando acelerar o uso de drone doméstico, Privacidade Excluída," dizendo:

De fato, o Congresso já autorizou o aumento de drones domésticos. Obama está prestes a assinar em forma de lei a HR 658. As disposições nela incluem requerer a FAA:

1) Simplificar e acelerar permissão para operações de drone. A agência já está trabalhando no afrouxamento das regulamentações até a primavera de 2012.
2) Estabelecer projeto piloto dentro de seis meses para seis zonas de testes para integrar drones "dentro do sistema de espaço aéreo nacional."
3) Criar um plano abrangente dentro de nove meses "para acelerar com segurança a integração dos sistemas de aeronave não tripulada civil (operados privadamente) dentro do sistema de espaço aéreo nacional."
4) Depois de apresentar um plano abrangente, publicar as regras finais dentro de 18 meses para permitir a operação civil de pequenos drones (menos de 55 libras) no espaço aéreo nacional.

Em 15 de dezembro, a ACLU publicou um relatório intitulado, "Protegendo a privacidade da vigilância aérea: Recomendações para uso de aeronave Drone pelo governo", dizendo:

Eles estão chegando a América. A privacidade pode estar seriamente comprometida. Proteções são urgentemente necessárias. O relatório recomenda que "drones não deveriam ser posicionados a menos que haja motivos para acreditar que eles coletarão provas de um crime específico."

"Se um drone vai se intrometer em razoáveis expectativas de privacidade, um mandado deveria ser requerido." O relatório também pede "restrições na retenção de imagens de pessoas identificáveis, bem como um processo aberto para desenvolvimento de políticas sobre como os drones serão usados."

Sobrevoos desenfreados de drones na América mudam o jogo. Uma "sociedade de vigilância" será institucionalizada para monitorar, rastrear e gravar "cada movimento nosso".

Dada uma propensão bipartidária para espionar, espere o pior. Privacidade, como outros direitos civis e humanos, está desaparecendo rápido sob as políticas em vigor ou chegando para destruí-la.
Stephen Lendman mora em Chicago e por ser achado em lendmanstephen@sbcglobal.net
Fonte: www.globalresearch.ca











Enhanced by Zemanta

sexta-feira, 16 de março de 2012

quarta-feira, 14 de março de 2012

ONU estimula abortos de seleção sexual e desvalorização das mulheres

Flag of UNICEFImage via Wikipedia Escrito por Wendy Wright | 12 Março 2012

Artigos - Globalismo 


(C-FAM) - As agências mais importantes da Organização das Nações Unidas estão promovendo ativamente as duas principais causas do imenso desequilíbrio sexual da Ásia, acusou uma especialista de políticas populacionais nesta semana durante uma conferência de mulheres da ONU.


Falando num painel durante a Comissão sobre a Condição das Mulheres que a ONU faz todo ano, a Dra. Susan Yoshihara identificou três razões para o fenômeno da “escassez de meninas” na China, Índia e que está se espalhando para outras nações. As causas principais para as matanças em massa, disse ela, são o acesso a tecnologias que facilitam o aborto, uma preferência por filhos homens e o desejo dos pais ou do governo por famílias pequenas.

Entre 33 milhões e 160 milhões de meninas não estão vivas hoje devido ao aborto ou ao infanticídio. “As meninas são mortas porque são meninas. Dificilmente isso é sinal do avanço das mulheres”, disse a Dra. Yoshihara. Contudo, as agências da ONU incumbidas de promover direitos humanos, saúde, crianças e mulheres agressivamente promovem duas das três razões para os abortos de seleção sexual: famílias de tamanho pequeno e abortos.

Numa declaração conjunta sobre “Prevenção à seleção sexual por preconceito sexual”, o Escritório do Alto Comissário de Direitos Humanos, o UNICEF, o FNUAP, a Organização Mundial de Saúde e Mulheres da ONU afirmam falsamente que os países são obrigados a tratar os abortos de seleção sexual sem negar acesso aos abortos, declarando que seria “mais uma violação dos direitos dela à vida e saúde conforme estão garantidos em tratados internacionais de direitos humanos, e empenhados em acordos de desenvolvimento internacional”.

Não existe, nos tratados ou acordos internacionais, nenhuma obrigação de aborto.

O problema é horrendo. Em geral, a China tem 120 meninos para cada 100 meninas. Em algumas partes da China, esse número é 150 meninos para cada 100 meninas que nascem. Na Índia, a “desejabilidade de meninas cai com cada filho”, com os pais “não medindo nenhum esforço para garantir que seu segundo bebê seja um filho do sexo masculino”, disse a Dra. Yoshihara.

Décadas atrás, defensores do controle populacional financiados por ricas fundações ocidentais implementaram programas de grande escala em países visados como China e Japão. De acordo com Yoshihara, eles investiram em métodos de seleção sexual porque reconheceram os efeitos multiplicadores da seleção de meninas. O aborto se tornou o método preferido de redução populacional, considerando que os agentes poderiam identificar uma mulher grávida com mais facilidade do que identificam uma mulher que está pensando em ficar grávida.

As consequências dos programas de controle populacional carregam pesados custos sociais e de segurança internacional. Menos mulheres nas sociedades estimulam sequestros, vários homens possuindo a mesma mulher e tráfico humano. A rápida queda na fertilidade significa menos pessoas para sustentar uma crescente população idosa. Reconhecendo a iminente falta de jovens para preencher fileiras militares, líderes governamentais poderão ter atitudes agressivas para com outras nações enquanto puderem.

Na China, diariamente, 500 mulheres cometem suicídio, relatou Tessa Dale de “All Girls Allowed” no painel patrocinado por REAL Women do Canadá. Tessa descreveu casos de abortos forçados de terceiro trimestre que matam tanto mãe quanto filho, e de uma mãe que foi forçada a escolher entre entregar uma de suas duas filhas ou ser esterilizada. Desejando um filho do sexo masculino, ela não conseguia decidir. Autoridades governamentais então tomaram sua filha mais nova.

Meninas são raptadas com a idade de 2 ou 3 anos, enquanto são novas demais para imaginar como voltar para casa.

“All Girls Allowed” fornece apoio para famílias chinesas que acolhem suas filhas, especificamente trabalhando em vilas com desequilíbrios sexuais que chegam até a 170 meninos para 100 meninas.

Líderes da ONU apresentam falsas escolhas para as nações em desenvolvimento, comentou a Dra. Yoshihara. Os países precisam decidir entre desenvolvimento e crianças; promover direitos humanos (definidos como incluindo aborto) ou ter famílias.

“É uma escolha mortal”, declarou ela.

Publicado no 'Friday Fax ' do C-FAM .
Tradução: Julio Severo
Enhanced by Zemanta

sexta-feira, 9 de março de 2012

PROGRAMA HAARP



Artigo em espanhol de 2003 que fala sobre o HAARP , agradecimento ao Daniel que traduziu para o português e segue a tradução logo abaixo do final do espanhol.






PROGRAMA HAARP
El Parlamento Europeo, la Duma rusa y científicos, médicos y defensores del medio ambiente de todo el mundo están unidos en la misma preocupación: el Programa HAARP. Este proyecto estadounidense oficialmente investiga la ionosfera, pero sus responsables directos son la US Navy y las US Air Force, lo cual hace suponer que los objetivos son militares. Sus posibles utilizaciones van desde alterar el clima a interrumpir todas las comunicaciones.
Texto: Marta Iglesias
El clima como arma de guerraLas investigaciones relacionadas con este proyecto existen desde los años 60, pero es ahora cuando se han retomado, reunido y dotado de fondos. Desde España el científico y Portavoz de Ecologistas en Acción para temas nucleares, Paco Castro, afirma que "el Programa HAARP, junto con otros programas de armamento, constituyen un proyecto coordinado que aparece con la Administración Bush. Están encaminados a mejorar y modernizar la industria de armamento estadounidense e introducen elementos desconocidos hasta el momento, como el disparo de radiación electromagnética". Desde EEUU, la Dra. Rosalie Bertell va más allá al declarar que "la capacidad de la combinación HAARP/Spacelab/cohete espacial de producir cantidades muy grandes de energía -comparable a una bomba atómica-, en cualquier parte de la tierra por medio de haces de láser y partículas, es aterradora. El proyecto será probablemente 'vendido' al público como un escudo espacial contra la entrada de armas al territorio nacional o, para los más ingenuos, como un sistema para reparar la capa de ozono". Lo que se refleja claramente en los artículos publicados sobre el tema es que todos los proyectos del Ministerio de Defensa estadounidense están agrupándose en uno.¿El clima a sus pies?En Alaska, rodeada de bosques y altivas montañas nevadas, se ubica la base de trabajo del Programa de Investigación Aurora Activa de Alta Frecuencia, o Programa HAARP según sus siglas en inglés. Un conjunto de antenas emisoras de ondas y un transmisor de potencia se encargan de enviar ondas de alta y baja frecuencia a la ionosfera. Esta capa de la atmósfera actúa como un espejo, devolviéndolas a la superficie terrestre convertidas en las ondas más bajas del espectro electromagnético. Con este sistema se pueden emitir comunicaciones más allá del horizonte sin necesidad de recurrir a los satélites, mejorar las comunicaciones con los submarinos -ya que las ondas de baja frecuencia se transmiten fácilmente en el agua-, hacer prospecciones petrolíferas o de yacimientos minerales, o detectar aviones o misiles que vuelen bajo. Todo es cierto y corresponde a la versión oficial estadounidense, que afirma que no hay nada más detrás, pero las mentes científicas y políticas apuntan otros posibles usos tras este programa. Sin ir más lejos, todas estas capacidades utilizadas como arma defensiva podrían aniquilar todas las comunicaciones, enemigas y propias. Ofensivamente inclinarían la balanza a la hora de invadir un país, tras conocer que tiene pozos petrolíferos o minerales aún sin explotar. Pero, sin duda, la conclusión más alarmante de los científicos es que este sistema puede alterar el clima, y si ello consigue hacerse controladamente, utilizarlo como un arma. De esta manera, pueden producirse tormentas, sequías o huracanes para arruinar un país. Paco Castro explica el funcionamiento de los calentadores ionosféricos que utiliza el Programa HAARP comparándolos con un gran horno microondas: "al disparar a zonas bajas producirías un calentamiento de la baja atmósfera, sería un calentamiento local y haría que el agua contenida en todos los seres vivos que estuviesen expuestos, se calentara y les produjera la muerte. Un calentamiento en la alta atmósfera es impredecible, porque estaría provocando desde una alteración local del clima hasta alterar las propiedades de 'filtro' que tiene la atmósfera. Con ello, los rayos cósmicos que vienen del espacio dejarían de filtrarse en la ionosfera, y harían llegar su radiación a la superficie de la tierra". Para muchos científicos, las pruebas del HAARP serían responsables del cambio climático de El Niño, los aerolitos o incluso la ola de calor que hizo subir en Melilla la temperatura de 20 a 40 grados en cinco minutos. Aunque no hay pruebas, sí es evidente que alterar el equilibrio de la atmósfera, actuando directamente sobre ella, traerá consecuencias impredecibles.
Alteraciones mentalesSi resulta escalofriante y casi de ciencia ficción imaginar que el Gobierno de Bush se prepara para dominar el clima a su antojo, más estremecedor es constatar un dato evidente: el efecto que una emisión de ondas de baja frecuencia tiene en el cerebro de todas las especies del planeta. Un documento de la Cruz Roja Internacional advierte de los efectos negativos de la energía radiada e indica las bandas de frecuencia que los produciría. Éstas se corresponden con las que puede transmitir el HAARP. Casualmente EEUU afirma que uno de los usos del Programa es localizar yacimientos minerales bajo tierra y para eso la frecuencia necesaria es la misma que produce trastornos en la mente humana, que van desde la desorientación, al despertar de capacidades paranormales. Para hacernos una idea de la influencia de las ondas en la mente humana debemos remontarnos a los estudios que el profesor Schumann hizo en los años 50, que constataban que hay un efecto de resonancia entre la tierra, el aire y la ionosfera, cuyas ondas vibran en la misma frecuencia que las ondas cerebrales humanas y de todos los mamíferos. Estas llamadas Ondas Schumann son fundamentales para la vida y cuando faltan producen graves problemas de salud, como les sucedía a los astronautas antes de que instalaran generadores artificiales de estas ondas en las naves. Sin estas ondas se producen dolores de cabeza, migrañas, desvaríos, se desajustan los ritmos cardiacos... La alteración de las mismas producen efectos más graves. En los animales uno de los efectos inmediatos sería que alteraría las rutas de migración de aves y peces, al influir sobre los campos de energía sobre los que se guían.
La preocupación que está generando este programa militar está calando más allá de los ámbitos científico y medioambiental.

 El HAARP tiene la capacidad de "dañar la mente de poblaciones enteras,
utilizando ondas de muy baja frecuencia", según la Duma rusa.
La eurodiputada sueca Maj Britt Theorin ha liderado en la UE un sector que consiguió que en 1998 la Comunidad estudiase el programa. El resultado se publicó al año siguiente y afirmaba que "pese a los convenios existentes, la investigación militar sigue basándose en la manipulación medioambiental como arma". Se había pedido reiterativamente que EEUU mandase a alguien a explicar el programa y nunca acudió nadie. Tres años después, la Duma rusa señalaba que resulta sorprendente que tras estas conclusiones la UE no volviera a ahondar en el tema y que las informaciones no se filtraran a la prensa. Paco Castro opina que esto "tiene que ver con el hecho de que se buscan noticias espectaculares, y con que somos presos de lo que es de actualidad. No quiero pensar que existe autocensura u otra censura peor".
De ser ciertas todas estas informaciones nos espera un futuro negro, que ya auguraba la serie -para muchos fantasiosa- Expediente X: una única potencia que domina los sistemas de comunicación, el clima y las mentes humanas; capaz de generar una guerra para hacerse con recursos mineros ocultos y sin miramientos a la hora de engañar a los ciudadanos del mundo sobre sus verdaderas intenciones. ¿Hasta dónde pretende extender su dominio el ser humano? "Yo creo que no tiene límite, mientras haya personas sin escrúpulos dispuestas a avanzar en este sentido -sentencia Paco Castro-. Podemos pensar que el ser humano avanza, que cada vez progresamos más y que vivimos cada vez en un mundo mejor, pero la verdad es que es muy discutible. Esto es evidente si observamos el siglo XX que hemos vivido, donde ha habido dos bombas nucleares, la catástrofe de Chernobil, y un montón de avances que se han usado para destruir y matar. Está claro que el avance científico no garantiza, ni mucho menos, el progreso humano, y lo digo con dolor porque soy científico. Hace falta algo más para que este tipo de programas no existan o que los conocimientos se usen para el bien común, y ese algo más está fuera de la ciencia. Está en la sociedad, en la política, en los principios éticos de la gente".∆



Tradução para o Português por Daniel
PROGRAMA HAARP
O Parlamento Europeu, a Duma russa, e científicos, médicos e defensores do meio ambiente de todo o mundo estão unidos na mesma preocupação: o Programa HAARP. Este projeto estadunidense oficialmente investiga a ionosfera, mas seus responsáveis diretos são a US Navy e a US Air Force, o qual faz supor que os objetivos são militares. Suas possíveis utilizações vão desde alterar o clima a interromper todas as comunicações.
O clima como arma de guerra
As investigações relacionadas com este projeto existem desde os anos 60, mas agora quando retomado, reunido e dotado de fundos. Desde Espanha o cientifico e porta-voz de Ecologistas em Ação para temas nucleares, Paco Castro, afirma que “o Programa HAARP, junto com outros programas de armamento, constituem um projeto coordenado que aparece com a Administração Bush. Estão encaminhados a melhorar e modernizar a indústria de armamento estadunidense e introduz elementos desconhecidos até o momento, como o disparo de radiação eletromagnética”. Desde EEUU, a Dra. Rosalie Bertell vai além ao declarar que “a capacidade da combinação HAARP/Spacelab/foguete espacial de produzir quantidades muito grandes de energia, -comparável a uma bomba atômica-, em qualquer lugar da terra por meio de raios de laser e partículas, é aterradora-, O projeto será provavelmente “vendido” ao público como um escudo espacial contra a entrada de armas ao território nacional ou, para os mais ingênuos, como um sistema para reparar a camada de ozônio”. O que se reflete claramente nos artículos publicados sobre o assunto é que todos os projetos do Ministério de Defesa estadunidense estão se juntando em um só.

O clima aos seus pés?
Na Alaska, rodeada de bosques e altivas montanhas nevadas, esta situada a base de trabalho do Programa de investigação Aurora Ativa de Alta Freqüência, ou Programa HAARP segundo suas siglas em inglês. Um conjunto de antenas emissoras de ondas, e um transmissor de potencia encarregassem de enviar ondas de alta e baixa freqüência à ionosfera. Esta capa da atmosfera atua como um espelho devolvendo-as a superfície terrestre convertidas nas ondas mais baixas do espectro eletromagnético. Com este sistema podem-se emitir comunicações além do horizonte sem necessidade de recorrer aos satélites, melhorar as comunicações com submarinos -posto que as ondas de baixa freqüência são facilmente transmissíveis na água-, fazer prospecções petrolíferas ou de jazidas minerais, ou detectar aviões ou mísseis que voem baixo. Tudo é correto e corresponde à versão oficial americana, que afirma que não tem nada mais por trás, mas as mentes cientificas e políticas apontam outros usos para este programa. Sem ir muito longe, todas estas capacidades utilizadas como arma de defesa poderiam aniquilar todas as comunicações, inimigas ou próprias.
Ofensivamente poderiam inclinar a balança na hora de invadir um pais, depois de conhecer que tem poços petrolíferos ou minerais ainda sem explorar. Mas sem duvida, a idéia mais alarmante dos científicos é que este sistema pode alterar o clima, e se consegue ser feito de maneira controlada, pode ser utilizado como arma. Deste jeito, podem produzir tormentas, estiagens e furacões para arruinar um pais. Paco Castro explica o funcionamento dos aquecedores ionosféricos que utiliza o Programa HAARP comparando-os com um grande microondas: “ ao disparar a zonas baixas produziria um aquecimento na baixa atmosfera, seria um aquecimento local e faria que a água contida em todos os seres vivos que estivessem expostos, esquentasse e provocara sua morte. Um aquecimento na alta atmosfera é imprevisível, porque provocaria desde uma alteração local do clima até alterar as propriedades de “filtragem” que tem a atmosfera. Sendo assim os raios cósmicos vindos do espaço deixariam de ser filtrados pela ionosfera, e fariam chegar sua radiação até a superfície terrestre”. Para muitos científicos, as provas do HAARP seriam responsaveis pela mudança climática de El Niño, os aerólitos ou inclusive da onda de calor que fez aumentar a temperatura de 20 até 40 graus em cinco minutos. Mesmo não tendo provas, fica evidente que alterar o equilíbrio da atmosfera, atuando diretamente sobre ela, trará conseqüências imprevisíveis.
Alterações mentais
Se resulta assustador e quase de ciência ficção imaginar que o Governo Bush se prepara para dominar o clima ao seu gosto, mais estremecedor é constatar um fato evidente: o efeito que tem uma emissão de ondas de baixa freqüência no cérebro de todas as espécies do planeta. Um documento da Cruz Vermelha Internacional adverte dos efeitos negativos da energia radiada e indica as bandas de freqüência com as quais seriam produzidas. Estas se correspondem com as que podem ser emitidas pelo HAARP. Coincidentemente EEUU afirma que um dos usos do Programa é localizar jazidas minerais embaixo da terra e para isto a freqüência necessária é a mesma que produz transtornos na mente humana, que vão desde a desorientação, ao despertar de capacidades paranormais. Para fazermos uma idéia da influencia das ondas na mente humana devemos começar nos estudos que o professor Schurman fez nos anos 50, que constatavam que tem um efeito de ressonância entre a terra, o ar e a ionosfera, cujas ondas vibram na mesma freqüência que as ondas cerebrais humanas e de todos os mamíferos. Estas chamadas ondas Schurman são fundamentais para a vida e quando faltam produzem graves problemas de saúde, como acontecia com os astronautas antes que fossem instalados geradores artificiais destas ondas nas naves. A falta destas ondas produz dores de cabeça, neuralgias, devaneios, e desajustes dos ritmos cardíacos... A alteração das mesmas produz efeitos mais graves. Nos animais um dos efeitos imediatos seria a alteração das rotas de migração de aves e peixes, ao influenciar sobre os campos de energia nos quais eles guiam-se.
A preocupação que esta gerando este programa militar esta tocando alem dos âmbitos científicos e meio ambientalistas.
O HAARP tem a capacidade de “provocar danos de populações inteiras, utilizando ondas de muito baixa freqüência”, segundo a DUMA russa.


A Euro deputada sueca Maj Britt Theorin tem liderado na EU um setor que conseguiu que em 1998 a Comunidade estudasse o programa. O resultado foi publicado no ano seguinte e afirmava que “a pesar dos convênios existentes, a investigação militar continua baseando-se na manipulação meio ambiental como arma”. Solicitou-se aos EEUU enviar alguém para explicar o programa e nunca foi ninguém. Três anos depois, a DUMA russa assinalava que resulta surpreendente que trás estas conclusões a EU no voltasse a afundar no assunto e que as informações não saíssem na imprensa. Paco Castro opina que isto “tem a ver com o fato de que se procuram noticias espetaculares, e como estamos presos ao que é atualidade. Não quero pensar que existe autocensura ou outra censura pior”.
De ser confirmadas todas estas informações, nos espera um futuro negro, que já era augurado pela serie –Para muitos fantasiosa- Arquivos X: uma única potencia que domina os sistemas de comunicação, o clima e as mentes humanas, capaz de gerar uma guerra para conseguir recursos minerais ocultos e sem escrúpulos na hora de enganar aos cidadãos do mundo sobra suas verdadeiras intenções. Até onde pretende estender seu domínio o ser humano? “Eu acredito que não tem limite, enquanto existam pessoas sem escrúpulos dispostas a avançar neste sentido – sentencia Paco Castro-.
Podemos pensar que o ser humano avança, que cada vez progredimos mais e que vivemos num mundo melhor, mas a verdade é que isto é muito discutível. Isto fica evidente se observamos o século XX que vivemos, onde teve bombas nucleares, a catástrofe de Chernobyl, e um monte de avanços que foram usados para destruir e matar. Fica claro que o avanço cientifico não garante, nem muito menos, o progresso humano, e falo com dor porque sou cientifico. Faz falta alguma coisa para que estes tipos de programas não existam ou que os conhecimentos sejam usados para o bem comum, y este algo mais está fora da ciência. Está na sociedade, na política, e nos princípios éticos da gente”.


Fonte: www.lagoaviva.org
Enhanced by Zemanta

“Dia da Terra”, 1970: as 13 mais ridículas previsões

Por Jon Gabriel No último sábado, 22 de abril, foi celebrado o “Dia da Terra” – um evento anual lançado pela primeira vez em 1970. As...