terça-feira, 9 de outubro de 2012

Esqueça a geoengenharia: Professor pede uma "Engenharia Humana" para salvar a terra

English: Logo of the Food and Agriculture Orga...
English: Logo of the Food and Agriculture Organization (Photo credit: Wikipedia)
Por Melissa Melton

É quase impossível ler as manchetes hoje em dia sem se perguntar se a realidade que estamos vivendo é o mundo real ou alguma terra da fantasia de um cientista maluco.

Desde o primeiro projeto de bebês geneticamente modificados, a acusações de atletas geneticamente melhorados competindo nas olimpíadas, o mundo como o conhecemos tem sido lançado em um laboratório de ciências e agitado até ficar borrado.

Agora o diretor do programa master em bioética na Universidade de Nova York, Martin Liao, publicou um artigo intitulado, "Humanos manufaturados talvez guardem a chave para salvar o mundo", afirmando que, a fim de combater as mudanças climáticas feitas pelo homem, deveríamos considerar "construir pessoas amigáveis a terra" usando "engenharia humana".

Liao afirma que uma série de intervenções humanas- de intolerância a carne induzida por medicamento a "pré-implante de diagnóstico genético" para criar crianças menores para melhoramentos cognitivos que fariam as mulheres parar de engravidar- são não apenas possíveis em um "futuro próximo", mas teriam "amplo apelo". No papel, ele realmente avança a ideia de pais dando hormônios a suas crianças a fim de atrasar o crescimento delas, junto com a adoção de políticas onde as pessoas têm de decidir se querem ou não "uma criança grande, duas crianças de tamanho médio ou três crianças pequenas".

Enquanto tais "melhoramentos" supostamente seriam voluntários, Liao continua a vender sua ideia pregando para as pessoas vivendo em uma depressão econômica global, oferecendo incentivos de taxas e serviço médico grátis em troca da disposição de modificação biomédica.

As razões pelas quais humanos precisam ser cientificamente editados, Liao argumenta, é que a ciência da geoengenharia "parece muito arriscada" para o planeta. Trasnformar as pessoas em experimentos cientificos, contudo, é cem por cento mais seguro.

Tais táticas de intimidação não são, infelizmente, novas. Um menu favorito da Nova Ordem Mundial é a contínua inundação através da cultura pop e da mídia de massa da ideia de que a humanidade é a culpada pelo aquecimento global e alguma coisa tem de ser feita para salvar a terra de nós humanos produtores de carbono. O think tank elitista ambientalista Clube de Roma se gabava que eles inventaram o conceito de aquecimento para unir o homem sob um governo mundial porque a humanidade é a inimiga. Mais uma prova de que o aquecimento global feito pelo homem foi ele próprio feito pelo homem veio quando o escândalo Climategate estourou em 2009, e o mundo foi informado do fato de que o aquecimento global antropogênico nada mais era do que uma fraude manipulada de muitas bilhões de dólares para maior controle do mundo através de iniciativas do imposto de carbono e do projeto limitar e negociar. Porque a terra não estava legitimamente ficando mais quente (sem uma flagrante troca de dados), a frase "mudança climática" substituiu "aquecimento global". Um movimento semântico brilhante considerando que o clima, bom ou mau e como tudo o mais na natureza, está assegurado mudar independentemente.

Apenas algumas semanas atrás, a Reuters relatou que 100 milhões de pessoas morrerão até 2030 se não fizermos alguma coisa rápido sobre o aquecimento global causado pelo homem. Citando um relatório emitido pela assim chamada "organização humanitária" DARA, a Reuters continua a apontar que a mudança climática não está somente matando milhões de pessoas, mas está custando $1,2 trilhões ao mundo em produto interno bruto global ao ano. O que a Reuters falha em mostrar, no entanto, é que os parceiros da DARA incluem o Conselho Europeu de Relações Exteriores, A Estratégia Internacional das Nações Unidas para Redução de Desastres e ALNAP, uma rede de ação humanitária cujos membros incluem A Organização Mundial da Saúde, a FAO entre outras.

Enquanto estes grupos todos têm objetivos humanitários na superfície até certo ponto, eles têm estado ligados a ideia de que os recursos do mundo estão acabando, e a única maneira de parar isso é através da redução da população. Em outras palavras, eles vendem às pessoas a ideia de eugenia, mas a disfarçam sob o véu fino do ambientalismo.

Nas considerações finais Liao avisa, "dados os gigantescos riscos associados com a mudança do meio ambiente, deveríamos levar muito a sério a ideia de que podemos precisar mudar a nós mesmos". O professor está falando em termos literais aqui. A parte mais assustadora é que esse mais recente ataque sobre a humanidade livre não é a linguagem descontrolada e selvagem de algum lunático rabiscada na parede de algum banheiro público. É uma proposta genuína do diretor de um programa de pós-graduação de bioética de uma grande universidade que provavelmente atrairá mais estudantes para o mundo que pensa que humanos são uma praga no planeta e que tem de ser simplesmente modificados, a fim de viver.


Fonte: www.infowars.com





Enhanced by Zemanta

Nenhum comentário:

As 4 fases do Projeto Blue Beam