terça-feira, 30 de julho de 2013

O Clube Bilderberg e o Digital Generation: Um Super Computador Para a "Nova Ordem Mundial Digital"



O Grupo Bilderberg, que se reúne todos os anos com as pessoas mais poderosas e influentes nas mais diversas áreas, na sua reunião de 2010 na Espanha, iniciou um projeto para criar um super-computador virtual utilizando as máquinas de usuários de internet incautos, prometendo fortunas (na verdade um tipo de pirâmide) para usar seus computadores, com o objetivo de "possibilitar o surgimento de uma nova Ordem Mundial Digital, como nunca foi vista, sem limites e o que é melhor, sem ser influenciada pelos preconceitos atuais".

"O Clube Bilderberg está em busca de uma era do pós­-nacionalismo: um momento em que já não haverá países, só regi­ões e valores universais, quer dizer, só uma economia universal, um Governo Universal – designado, não eleito – e uma religião universal. Para assegurar-se esses objetivos, os membros do Clube Bilderberg defendem um enfoque mais técnico e menos conheci­mento por parte do público. Isto reduz as possibilidades de que toda a população se inteire do plano global dos donos mundiais e organize uma resistência organizada" (de Willian Shannon, em "Plans to Destroy America Are Exposed!", 2002)

Digital Generation: "uma forma mais inteligente de usar o seu PC":



Alguns dias atrás nas minhas andanças na internet, eu descobri o digital generation. Resumindo, o programa paga as pessoas 30 dólares por mês pra usar 2% da sua CPU. Este programa em apenas 2 meses já conta com mais de 300.000 computadores ligados á rede. A ideia do programa é criar um supercomputador através do computador de outras pessoas, e que cada um pode ter até 100 threads (linhas de execução paralelas) e ganhar em média mais de 3.000 dólares por mês. Cada thread adicional vai custar ao usuário 50 dólares.

O mais interessante de tudo é ler o que está escrito na página do site.


----------------------------------------------------------------------------------------
A ideia para este projeto é resultado do 58º Encontro Bilderberg (ocorrido de 3 a 6 junho/2010, em Sitges, Espanha). Onde como parte da conferência foi discutido os problemas das redes sociais, ciência, cyber-tecnologia, crises globais e outros temas relevantes a sociedade. A lógica da fundação do nosso projeto foi desenvolvida a partir de várias reuniões em paralelo na conferência, a qual foi dividida em categorias, sendo mais tarde construída com a participação de um pequeno número de pessoas obstinadas e qualificadas.

Foi onde surgiu a ideia de usar processamento distribuído para mudar completamente este estado degradável relacionado com as áreas cientificas. Nosso projeto está concluído para expandir as fronteiras da possibilidades e dar à humanidade um meio rápido e seguro de progredir. Financiando desenvolvimentos inovadores e dando suporte de ponta aos trabalhos científicos no mundo de forma prática e organizada. A capacidade do nosso supercomputador são ilimitadas, As possibilidades de nosso super-computador são ilimitadas. Sua escala é inédita, e através de uma boa gestão não terá preconceitos ideológicos (esta parte não estava na versão em português do site, apenas na versão em inglês). No futuro vai possibilitar o surgimento de uma nova Ordem Mundial Digital, como nunca foi vista, sem limites e o que é melhor, sem ser influenciada pelos preconceitos atuais. Não é segredo que o mundo é dominado pelo dinheiro, ambição, jogadas políticas e conspirações silenciosas. Há 1 século atras, protestar contra isso tudo seria sem sentido e completamente utópico. Nesta era de tantos avanços tecnológicos, a humanidade é capaz de substituir definitivamente a ordem caótica do mundo, que visualiza apenas o enriquecimento de poucos indivíduos e de alguns países. Para chegarmos ao nosso objetivo, precisamos que as pessoas percebam e conheçam o significado e importância deste projeto.

As possibilidades de nosso super-computador são ilimitadas. Sua escala é inédita, e através de uma boa gestão não terá preconceitos ideológicos. No futuro vai possibilitar o surgimento de uma nova Ordem Mundial Digital, como nunca foi vista, sem limites e o que é melhor, sem ser influenciada pelos preconceitos atuais. 

Informações

- Faça parte desse projeto mundial, e receba dinheiro diariamente como bônus!
- Somos uma organização privada internacional.
- A nossa principal missão é expandir os limites da possibilidade.

Nosso objetivo é criar o mais poderoso supercomputador do mundo, combinando o poder computacional de todos os computadores compartilhados. (Este tipo de processamento é usado em modelos climáticos, calculo de órbitas de satélites, biomecânica e diversas outras áreas).

Por que precisamos de um supercomputador?

Estamos apoiando este projeto inovador e incomum para que ele tenha a chance de tornar a vida em nosso planeta mais confortável, sustentável e segura. Nossos principais objetivos são disponibilizar suporte financeiro para as pesquisas científicas, abrangendo projetos que por alguma razão vão mudar o "status quo" (como combustíveis alternativos, software de reconhecimento facial etc) e providenciar ajuda para muitos cientistas no mundo todo. Isso é essencial para nós. Nossos filhos vão necessitar disto amanhã, e o planeta inteiro irá beneficiar-se no futuro!

O que propomos:

1 Primeiro

Uma relação de trabalho onde a interação entre ambos os participantes é natural e tranquila, reforçada pela confiança na experiência e competência geral do processo de gestão. Vamos procurar meios para novos descobrimentos e progressos, através do rigor e otimismo dos participantes do projeto. Convidamos você a tornar-se um de nós, um forte membro de nossa equipe. O sucesso lhe aguarda!

2 Segundo

A possibilidade de usar todo o potencial do seu computador, o que hoje não acontece. Todos os dias, em todos os lares com uma ligação à Internet, o poder destes computadores é desperdiçado, sem beneficiar nem a sociedade nem o proprietário do computador. É um crime desperdiçar este poder de processamento. Por isso propomos usar esse poder para o desenvolvimento de novas tecnologias.

3 Terceiro

Oferecemos a possibilidade de se tornar um participante em um grande projeto mundial, em termos de conceito e execução. Ao se cadastrar, você será automaticamente um membro completo dessa magnífico projeto.

Imagine só o que aconteceria se o seu celular não precisasse mais de carregador, e o mesmo trabalhasse sempre sem precisar repor a carga? Talvez você pense que isto é um sonho? Mas não é... pense em todas as coisas que se tornaram realidade e antes eram tidas como fantasias? Você já deve ter se perguntado em algum momento, por que em uma era de tantos avanços tecnológicos como o nosso último século não conseguiram criar um combustível alternativo? Nós lhe damos a resposta. A economia mundial está envolta em intrigas energéticas. A corrida pelos recursos naturais como o petróleo tornou-se uma das maiores prioridades para qualquer governo e por causa disso, a maior parte das descobertas e desenvolvimentos são bloqueadas ou reprimidas pelos governos. Idéias como os combustíveis alternativos são rejeitas, porque não são boas para continuar o ciclo de corrupção por parte dos envolvidos que criam obstáculos ao seu desenvolvimento. Apostar em combustíveis alternativos seria como cortar o ramo da árvore onde eles estão sentados. A Digital Generation foi concebida justamente com a finalidade de financiar ideias inovadoras e descobertas que de outra maneira não iriam receber o apoio e financiamento dos governos.

Quão lucrativo isto pode ser?

O seu pagamento será diretamente proporcional ao tempo que a aplicação esteve em execução no seu computador durante o mês e/ou dia. Seu rendimento será proporcional ao números de “threads” em execução.

O rendimento mínimo diário é de $ 1 (um dólar) por “threads”, o que renderá $ 30 (trinta dólares) mensais. Sendo permitido um máximo de 100 “threads” por computador, quanto maior o número delas, maior será seu ganho.

E você ainda pode convidar outras pessoas para fazerem parte do projeto e ser bonificado por isso com o sistema de referimento. Ganhando 20% no primeiro nível e 10% no segundo.

O que a Digital Generation ganha com isso?

Não diremos que o altruísmo é o nosso principal objetivo. O comércio é uma grande parte do nosso projeto. Mas, seguimos rígidos códigos morais e sabemos fazer o que é certo. Somos movidos pela paixão de novas descobertas, mais que as possibilidades financeiras


Junte-se a nós

Se você é inteligente, decidido e consegue distinguir uma oferta interessante e lucrativa com baixo investimento, de uma "boa demais para ser verdade" e seus princípios morais lhe deixam pensar em algo mais, além de ficar rico depressa e tenha visão de trabalho em equipe, ficaremos muito contentes de ter você conosco. Pois queremos pessoas focadas com o projeto e trabalho em grupo e não que esteja aqui apenas pelo dinheiro. É isso o que nos conecta!

----------------------------------------------------------------------------------------

Bem, trocando em miúdos, é uma pirâmide do Grupo Bilderberg para a criação de Uma Nova Ordem Mundial Digital, como eles mesmo frisam em seu texto. Interessante que ainda tem a "cara de pau" de afirmar que seria um protesto contra conspirações: "Não é segredo que o mundo é dominado pelo dinheiro, ambição, jogadas políticas e conspirações silenciosas. Há 1 século atras, protestar contra isso tudo seria sem sentido e completamente utópico."



Leia também "De Bilderberg a Google-Berg: Reestruturação Tecnocrática da Elite Global"



Também achei muito suspeito o logo do site, com um hexagrama (estrela de davi) com um leão dentro:
ce9770144e251d5b2705f891ed3619a0_bigger.jpeg (73×73)

Uma grande sacada da elite através de seu Grupo Bilderberg, cria um exército de seguidores, possivelmente monitorados por sua ferramenta, um super-computador virtual, "sem preconceitos ideológicos", e que "no futuro vai possibilitar o surgimento de uma Nova Ordem Mundial Digital", e ainda por cima lucrar muito com isto.

Agradeço ao membro Rangiku Matsumoto do fórum Anti-NOM que escreveu o texto inicial em um tópico.


Fontes:
- Fórum Anti-NOM: O Clube Bilderberg e o Digital Generation
- The Bilderberg Conspiracy

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Echelon - A rede de espionagem global

 

Comentário de Heitor De Paola:
O artigo de Carlos Azambuja, Echelon – A rede de espionagem global, que Mídia Sem Máscara republica hoje, é uma obra que mostra aos iniciantes como funciona há décadas uma das redes de espionagem global. Especialista em história dos movimentos revolucionários e serviços secretos, o autor nos dá uma clara noção de como é possível criar e funcionar por anos a fio uma rede de informações mundial sem precisar se esconder. Pode-se dizer que o gato era visível para quem quisesse ver, claro que escondendo suas entranhas.

Publicado pelo MSM em 12 de julho de 2006, o artigo vem bem a propósito para desmoralizar o alarido causado pelas revelações de Snowden. Não que ele deva ser considerado um herói, creio mesmo que deveria ser preso, julgado e condenado à morte como prevê a lei americana para os traidores.

Echelon – A rede de espionagem global


Emulando o Grande Irmão, criado por George Orwell no livro 1984, os EUA possuem uma rede de espionagem de comunicações mundial operada juntamente com a Inglaterra, Canadá, Austrália e Nova Zelândia. O sistema, denominado Echelon, foi criado em 1948, durante a Guerra Fria, e vem sendo continuamente aperfeiçoado.

O que se sabe sobre o Echelon é o resultado do esforço de jornalistas e investigadores em todo o mundo que trabalharam durante décadas buscando dados sobre os programas mais secretos do governo dos EUA. Um dos resultados dessa investigação é o livro do jornalista neo-zeolandês Nicky Hager, Secret Power: New Zealand’s Role in the International Spy Network, cujo conteúdo é um relato pormenorizado sobre o tema.

Em 5 de setembro de 2001 o Parlamento Europeu aprovou uma Resolução denunciando essa rede global de espionagem e recomendando a seus cidadãos que codificassem suas comunicações. Essa denúncia, evidentemente, caiu no vazio, pois apenas seis dias depois foi realizado o ataque da Al-Qaeda contra as torres gêmeas, em Nova York, e todos os países da União Européia se uniram aos EUA na guerra contra o terrorismo promovida pelo presidente Bush. E, para lutar contra o terror, o Echelon é uma arma imprescindível.

Ao final da II Guerra Mundial – mais precisamente em 1948 -, os EUA e a Inglaterra firmaram um Tratado que ficou conhecido como o Pacto UKUSA (United Kingdom-United States of América). Posteriormente uniram-se a esse pacto o Canadá, a Austrália e a Nova Zelândia.

A constituição do UKUSA apenas deu continuidade ao total acordo de cooperação entre EUA e Inglaterra em matéria de espionagem que durante a II Guerra os levou a compartilhar os êxitos alcançados com a decodificação dos códigos nazistas e japoneses.

Na verdade, o projeto Echelon foi plenamente desenvolvido na década de 70, quando foram lançados os primeiros satélites comerciais destinados a comunicações civis.

O Echelon, através de estações de interceptação posicionadas por todo o mundo, capta todo o tráfego de comunicações via satélite, microondas, celulares e por fibras óticas. Essa informação captada é processada através dos computadores da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA, que inclui sofisticados programas de reconhecimento de voz e reconhecimento de caráter ótico, através dos quais é efetuada a pesquisa de palavras ou frases em código, pelo sistema conhecido como Dicionário Echelon, que levam os computadores a assinalarem as mensagens a serem gravadas e transcritas para uma futura análise.

A NSA, com sede no Fort George Meade, localizado nas proximidades de Washington, é a maior empregadora global de matemáticos que compõem as melhores equipes de criadores e decifradores de códigos jamais reunidas. O trabalho dessas equipes é decifrar os códigos de comunicações internas e estrangeiras, enviando as mensagens decodificadas a uma também enorme equipe de hábeis lingüistas para serem analisadas em cerca de cem idiomas.



Sabe-se, todavia, que o Echelon, após a Guerra Fria, passou a ser utilizado para objetivos outros além de sua missão original, como as espionagens política e industrial em alcance mundial.

Esses objetivos outros foram definidos após o desmantelamento do socialismo na ex-União Soviética e na Europa do Leste, com a procura, pelos órgãos de Inteligência dos EUA e seus parceiros no Echelon, de uma nova justificativa que protegesse suas atividades, mantivesse sua importância e os seus avultados orçamentos. A solução encontrada foi incluir como objetivos outros as preocupações econômicas, comerciais e empresariais. Nesse sentido, foi criado dentro do Departamento de Comércio dos EUA o Gabinete de Ligação de Informações, que canaliza para as grandes empresas norte-americanas os materiais interceptados. Na maioria dos casos, os beneficiários desse esforço de espionagem comercial são as próprias empresas que ajudaram a NSA a desenvolver os sistemas que compõem a rede Echelon e que, muitas vezes, são a fonte de vultosas contribuições em dinheiro aos dois principais partidos políticos dos EUA. Poder-se-ia dizer ser essa uma relação incestuosa. Entre essas empresas são apontadas a Lockheed, a Boeing, a Loral, a TWR e a Raytheon.

Ou seja, a verdade é que o projeto Echelon, utilizado para conter e eventualmente derrotar o Império Soviético durante a Guerra Fria é agora virtualmente dirigido contra todos os cidadãos do mundo, violando indiscriminadamente a soberania de Estados e a privacidade dos cidadãos.

Segundo se sabe, a espinha dorsal da rede Echelon são as estações de escuta e recepção maciças direcionadas para os satélites Intelsat e Inmarsat, responsáveis pela quase totalidade das comunicações via telefone e fax, no interior dos países, entre países e continentes. Os vinte satélites Intelsat transportam essencialmente tráfego civil mas, adicionalmente, comunicações diplomáticas e governamentais de interesse particular para a UKUSA.

Diversas e stações de rádio-escuta operadas pelo UKUSA estão espalhadas por todo o mundo, localizadas em bases militares em território estrangeiro e em remotas estações de escuta. As maiores estações de rádio-escuta da rede encontram-se em Tangimoana/Nova Zelândia, Bamaga/Austrália, Menwith/Inglaterra e no atol de Diego Garcia, no oceano Índico, operadas pela NSA.

Segundo o levantamento efetuado por jornalistas e investigadores, dentro da Europa todas as comunicações via fax, telefone e e-mails são rotineiramente interceptadas pela estação de Menwith e enviadas, via satélite, para Fort Mead, para análise.

Uma outra rede de busca paralela de alta freqüência intercepta sinais de comunicações com o objetivo único de localizar a posição de navios, submarinos e aviões em todo o mundo, desempenhando um papel fundamental na monitorização dos movimentos de possíveis alvos móveis.

O poder do Echelon reside em sua capacidade de decifrar, filtrar, examinar e codificar todas as mensagens interceptadas em categorias seletivas para uma análise mais pormenorizada dos agentes dos serviços de Inteligência das diversas agências UKUSA.

O Echelon utiliza poderosos programas de pesquisa através de palavras e frases-chave, analisando minuciosamente os textos das mensagens com base em complexos critérios algorítmicos. Programas de reconhecimento de vozes convertem conversas em textos para uma análise mais aprofundada. Um sistema extremamente avançado, o VOICECAST, pode visar o padrão de voz de um indivíduo para que todos os telefonemas que essa pessoa efetue sejam transcritos para futura análise. Ou seja, o mundo está virtualmente “grampeado”.

Processando milhões de mensagens por hora, o sistema Echelon funciona vinte e quatro horas por dia. É importante assinalar, todavia, que poucas mensagens e telefonemas são transcritos e registrados. A grande maioria é excluída após ser lida e ouvida pelo sistema. Apenas as mensagens que contiverem as frases ou palavras-chave alvo são armazenadas para análise posterior.

Cada estação da UKUSA mantém uma lista de frases e palavras-chave (essa lista é denominada Dicionário). Um gestor do Dicionário de cada agência é responsável por acrescentar, apagar ou alterar os critérios de frases ou palavras-chave para seus dicionários em cada uma das estações.

O Echelon é um produto da Guerra Fria, todavia, a atual luta global contra o terrorismo parece ter dado a essa estrutura, aos olhos de muitos, a justificativa necessária para desenvolver uma capacidade ainda maior para espionar os aliados, os inimigos e os cidadãos em todo o mundo, violando a soberania dos países e a privacidade das pessoas.

Além dessa rede de espionagem global, existe também um programa de rastreamento financeiro como parte dos esforços da luta global contra o terrorismo. Seria o Echelon Financeiro.

Após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, o Departamento do Tesouro dos EUA teria passado a rastrear possíveis financiamentos terroristas através de um programa denominado Sociedade Internacional para as Telecomunicações Financeiras e Interbancarias (SWIFT), que proporciona acesso aos registros de todas as multimilionárias transferências diárias internacionais de divisas entre oito mil bancos, casas de câmbio, bolsas de valores e outras instituições. Segundo John Snow, que foi Secretário do Tesouro até 30 de maio de 2006, o programa persegue cuidadosamente as transações financeiras de supostos terroristas estrangeiros “e é parte de um esforço para localizar as redes terroristas e deter os terroristas em todo o mundo”.

Nota:
No entanto, recentemente – segundo o artigo O Pior dos Maiores, de Olavo de Carvalho, publicado pelo JB de 29 de junho de 2006 – “o The New York Times” – jornal que, ao que parece, se especializou no vazamento de operações de Inteligência – “deu todo o serviço sobre uma operação ultra-secreta que vinha conseguindo penetrar as transações bancárias da Al-Qaeda, colocando vidas e dólares dos terroristas a salvo do malvado governo americano”.


Carlos Azambuja é historiador.

Fonte: www.midiasemmascara.org

segunda-feira, 15 de julho de 2013

ONU ri da ciência e intimida os cidadãos a respeito do aumento de CO2

ONU espalha pânico com artifícios de má lei:
condições atmosféricas no Mauna-Loa, maior vulcão do mundo
(4.169 metros de altura e 90 km de largura, na Ilha Havaí)
não podem ser generalizadas a toda a Terra em boa fé
Ouça sem pensar e apavore-se: o mundo “entrou numa nova zona de perigo”. Como se já não o tivesse o suficiente!

Segundo a responsável pelo clima da ONU, Christiana Figueres, a concentração de CO2 atingiu o limite de 400 partes por milhão (ppm), algo que há milhões de anos que não acontece, informou o semanário socialista francês “Le Nouvel Observateur”.

“O mundo deve acordar e perceber o que isso significa para a segurança dos homens, seu bem-estar e o desenvolvimento econômico”, disse ela, sem explicar do que estava falando, apesar de seu comunicado ser oficial.

O leitor vai ser o primeiro a se perguntar por que essas 400 ppm de CO2 na atmosfera causam tanto alarme.

O CO2 constitui apenas 0,03% da atmosfera da terra! E sua taxa média na atmosfera anda pelos 393 ppm. Com o aumento constatado, ele terá crescido 2%, uma oscilação muito menor do que as diferenças consignadas em ambos trabalhos científicos.

E como se constatou esse aumento, que suscitou tão pomposo anúncio da ONU?

Foi no observatório instalado sobre o vulcão Mauna Loa, no Havaí. O registro da concentração de CO2 atingiu 400,03 ppm, segundo a reputada Agência Americana para a Atmosfera e os Oceanos (NOAA).

Astutamente, a informação da revista socialista francesa enfia pelo meio a ideia de tratar-se de uma “medida pontual”, e não de uma “média anual”.

Obviamente é um caso raro, pois, em virtude das emanações, no topo dos vulcões registram-se muitas proporções anômalas de gases e minérios que não representam toda a Terra!

No Eoceno, a temperatura global e o CO2 se multiplicaram várias vezes.
O resultado não foi a morte, mas extraordinário desenvolvimento
da vida vegetal e animal
Mas para evitar que o leitor perca a paciência e sinta-se logrado, a informação acrescenta que o verdadeiramente importante é que se atravessou uma fronteira simbólica.

A ciência é positiva e não funciona com as nobres evoluções dos raciocínios simbólicos.

Após achar que enrolou o leitor com o argumento do simbolismo, o jornal continua alegremente dizendo que este “é o sinal de que o planeta está lançado numa trajetória de aquecimento inquietante”!

De fato, no Eoceno (entre 55 milhões e 36 milhões de anos atrás), a concentração de CO2 na atmosfera atingiu de 700 a 1.000 ppm (CONFIRA), ou até segundo outros 2.000 ppm.

Foi um período pronunciadamente mais quente e úmido que o nosso, com um colossal desenvolvimento vegetal e animal. Foi a época dos sáurios gigantescos e de inúmeras outras espécies hoje desaparecidas.

O homem ainda não existia e a culpa do aumento do CO2 não pode ser-lhe atribuída.

Com esses índices de CO2 no Eoceno, o mundo não caminhou para um aquecimento assassino de toda vida. Ao contrário, após o Eoceno as temperaturas caíram, e em toda a História os humanos nunca tiveram razão para se preocupar com esse benéfico gás.

Precisou que, após a queda da URSS, surgisse uma onda de fundo comuno-anarquista mundial denunciando que o homem do mundo livre capitalista vai extinguir a vida pelo aumento do CO2.

Após embair o leitor, a grande coordenadora das negociações da ONU sobre o clima acrescentou que “sempre há uma chance de fugir dos piores efeitos do cambio climático”, e que o jeito é que a comunidade internacional profira uma “resposta política que enfrente o desafio”.

Após rir da ciência, atribuir tudo ao simbolismo e lograr os cidadãos, chega a hora de passar o comando para os “salvadores” da Terra: a classe política, os super-burocratas do mundo, assessorados obviamente pelas iniludíveis ONGs verdes.

Sobre essas bases, a ONU prepara uma grande conferência sobre o clima, a realizar-se na França em 2015.

Até essa data, os governos dos mais de 190 países engajados nas negociações tentarão formular um “tratado global e ambicioso para limitar as emissões de gases estufa”, como se estes fossem intrinsecamente maus, sempre e em toda parte.

A fantasia do comunicado da ONU atinge o hilariante quando acena com o perigo de voltarmos a um clima como o do Plioceno (entre 5 e 2 milhões de anos atrás), como se fosse pavorosa desgraça.

Teria bastado consultar a Wikipedia para saber que “nele o clima e a vegetação eram muito similares aos atuais, sendo que, se pudéssemos retornar até ele, dificilmente veríamos diferenças com o mundo atual”.
Dado básico omitido para espalhar pânico:
no Plioceno “o clima e a vegetação eram muito similares aos atuais, (...)
dificilmente veríamos diferenças com o mundo atual”

O clima foi cálido e houve grande expansão das calotas polares além de diminuição do nível dos mares com o benéfico CO2 a mais de 400 ppm.

Mas procura-se apavorar os homens para que aceitem uma espécie de ditadura socialista e ecológica universal. E isto se faz explorando a falta normal de conhecimentos sobre o meigo Plioceno para espalhar que retrocedemos a um sinistro período!

“Estamos em via de criar um clima pré-histórico no qual nossa sociedade terá que enfrentar riscos enormes e potencialmente catastróficos”, explicou Bob Ward, diretor de comunicação do Instituto de pesquisa Grantham sobre a mudança climática e o Meio Ambiente, da London School of Economics and Political Science.

Para a utopia neocomunista e anticristã ambientalista vale tudo para impingir nos homens uma ditadura universal que eles não querem e já recusaram repetidas vezes. Basta lembrar a URSS e o III Reich.

Fonte: Verde: a cor nova do comunismo

quarta-feira, 10 de julho de 2013

A Mídia programa sua mente



[Imagem: 0.jpg]

Os meios de comunicação são as ferramentas mais poderosas usadas pela classe dominante para manipular as massas. Ela molda moldes de opiniões e atitudes, e define o que é normal e aceitável. Este artigo analisa o funcionamento dos meios de comunicação através das teorias de seus maiores pensadores, a sua estrutura de poder e as técnicas que utiliza, a fim de compreender o seu verdadeiro papel na sociedade.

A maioria dos artigos deste site discute o simbolismo oculto encontrado em objetos de cultura popular. A partir destes artigos surgem muitas perguntas relacionadas com a finalidade dos símbolos e as motivações daqueles que colocá-los lá, mas é impossível para mim dar respostas satisfatórias a estas perguntas sem mencionar muitos outros conceitos e fatos.

Eu, portanto, decidi escrever este artigo para suprir a fundamentação teórica e metodológica das análises apresentadas neste site, bem como introduzir os estudiosos do campo principal de comunicação de massa. Algumas pessoas lêem meus artigos e acham que estou dizendo: "Lady Gaga quer controlar nossas mentes". Isso não é o caso. Ela é apenas uma pequena parte do gigantesco sistema que é a mídia de massa.

Programação Através da Mídia


[Imagem: 1.png]

Os meios de comunicação são formas de mídia projetadas para atingir o maior público possível. Eles incluem televisão, cinema, rádio, jornais, revistas, livros, discos, jogos de vídeo e internet. Muitos estudos têm sido realizados no século passado para medir os efeitos da mídia sobre a população, a fim de descobrir as melhores técnicas para influenciá-la. Desses estudos surgiu a ciência das Comunicações, que é usado em marketing, relações públicas e da política. A comunicação de massa é uma ferramenta necessária a garantir a funcionalidade de uma grande democracia, é também uma ferramenta necessária para uma ditadura. Tudo depende do seu uso.

No prefácio de Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, ele pinta um retrato bastante sombrio da sociedade. Ele acredita que ela é controlada por uma "força impessoal", uma elite dominante, que manipula a população que utiliza vários métodos.Forças impessoais sobre as quais temos quase nenhum controle parecem estar a empurrar-nos a todos na direção do pesadelo “Brave New Worldian”, e isso está sendo impessoal, empurrando conscientemente acelerado por representantes de organizações comerciais e políticos que tenham desenvolvido uma série de novas técnicas de manipulação, no interesse de alguma minoria, os pensamentos e sentimentos das massas.

Sua perspectiva sombria não é uma simples hipótese ou um delírio paranóico. É um fato documentado, presente em estudos mais importantes do mundo na mídia de massa. Aqui estão algumas delas:

Pensadores da Elite


[Imagem: 2.jpg]

Walter Lippmann


Walter Lippmann, um intelectual norte-americano, escritor e duas vezes vencedor do prêmio Pulitzer trouxe um dos primeiros trabalhos sobre a utilização dos meios de comunicação de massa nos Estados Unidos. No Opinião Pública (1922), Lippmann faz a relação das massas com um animal grande ou um rebanho confuso que precisava ser guiado por uma classe governante.

Ele descreveu a elite dominante como uma "classe especializada, cujos interesses vão além da localidade." Esta classe é composta por peritos, especialistas e burocratas. Segundo Lippmann, os peritos, que muitas vezes são referidos como "elites", são um mecanismo de conhecimento que contorna o defeito primário da democracia, o ideal impossível do cidadão "onicompetente." O atropelamento ruge no "rebanho desnorteado" e tem a sua função: ser "o espectador interessado de ação", ou seja, não participantes. A participação é o direito do "homem responsável", que não é o cidadão comum.

Meios de comunicação e propaganda são, portanto, ferramentas que devem ser utilizadas pela elite para dominar o público, sem coerção física. Um conceito importante apresentado por Lippmann é a "fabricação do consentimento", que é, em suma, a manipulação da opinião pública para aceitar a agenda da elite. É opinião de Lippmann que o público não está qualificado para raciocinar e decidir sobre questões importantes. Portanto, é importante para a elite decidir "para seu próprio bem" e, em seguida, vender as decisões para as massas.

Que a fabricação de consentimento é capaz de grandes requintes ninguém, penso eu, nega. O processo pelo qual a opinião pública surge certamente não é menos complicado do que tem aparecido nestas páginas, e as possibilidades de manipulação aberta a qualquer pessoa que entenda o processo é bastante clara. Como resultado da pesquisa psicológica, juntamente com os meios modernos de comunicação, a prática da democracia virou uma esquina. Uma revolução está ocorrendo, infinitamente mais importante do que qualquer deslocamento do poder econômico. Sob o impacto da propaganda, não necessariamente o significado sinistro da palavra sozinho, as constantes antigas do nosso pensamento tornaram-se, variáveis.

Não é mais possível, por exemplo, a acreditar no dogma original da democracia, que os conhecimentos necessários para a gestão dos assuntos humanos surge espontaneamente do coração humano. Quando agimos de acordo com essa teoria nos expomos ao auto-engano, e às formas de persuasão que não se pode verificar. Tem sido demonstrado que não podemos confiar na intuição, de consciência, ou os acidentes de parecer casual, se estamos a lidar com o mundo além do nosso alcance.Parecer - Walter Lippmann, Public

Pode ser interessante notar que Lippmann é um dos fundadores do Council on Foreign Relations (CFR), umaa das políticas estrangeiras mais influentes do mundo. Esse fato deve lhe dar uma pequena dica do estado de espírito da elite sobre a utilização dos meios de comunicação.
O poder político e econômico nos Estados Unidos está concentrado nas mãos de uma elite que controla a maioria de nós, baseado em empresas multinacionais, principais meios de comunicação, as fundações mais influentes, as principais universidades particulares e utilitários mais público. Fundada em 1921, o Conselho de Relações Exteriores é o elo fundamental entre as grandes corporações e do governo federal. Tem sido chamado de uma "escola de estadistas" e chega perto de ser um órgão de que C. Wright Mills chamou de a elite do poder (um grupo de homens, semelhante em juros e perspectivas de moldar os eventos e posições invulneráveis nos bastidores. A criação das Nações Unidas foi um projeto do Conselho, bem como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial).

Alguns dos atuais membros do CFR incluem David Rockefeller, Dick Cheney, Barack Obama, Hilary Clinton, a mega-igreja do pastor Rick Warren e os CEOs das grandes corporações, como CBS, Nike, Coca-Cola e Visa.

[Imagem: 3.jpg]

Carl Jung

Carl Jung é o fundador da psicologia analítica (também conhecido como uma psicologia junguiana), que enfatiza a compreensão do psiquismo, explorando os sonhos, arte, mitologia, religião, símbolos e filosofia. O terapeuta suíço está na origem de muitos conceitos psicológicos utilizados hoje, como o arquétipo, do complexo, a persona, o introvertido / extrovertido e sincronicidade. Ele foi fortemente influenciado pelo contexto oculto de sua família. Carl Gustav, seu avô, foi um maçom ávido (ele era Grão-Mestre) e Jung se descobriu que alguns dos seus antepassados eram Rosacruzes. Isso poderia explicar seu grande interesse em filosofia oriental e ocidental, a alquimia, astrologia e simbolismo. Um de seus mais importantes (e mal) conceitos foi o Inconsciente Coletivo.

A minha tese, então, é a seguinte: Além da nossa consciência imediata, que é de natureza totalmente pessoal e que acreditamos ser a psique só empírica (mesmo que alinhada no inconsciente pessoal como um apêndice), existe um segundo sistema psíquico de natureza coletiva, universal e impessoal, que é idêntico em todos os indivíduos. Este inconsciente coletivo não se desenvolve individualmente, mas é herdado. É constituído de formas pré-existentes, os arquétipos, que só pode tornar-se consciente e secundariamente, que pode dar a forma definitiva a determinados conteúdos psíquicos.Carl Jung, o conceito de inconsciente coletivo.

[Imagem: 4.jpg]

1955 Capa da Time Magazine com Carl Jung. Parece um pouco como Avatar, não é?


O inconsciente coletivo transparece através da existência de símbolos e figuras mitológicas similares em diferentes civilizações. símbolos arquetípicos parecem ser incorporados em nosso inconsciente coletivo, e, quando expostas a eles, que demonstram atração natural e fascínio. Símbolos ocultistas podem, portanto, exercer um grande impacto sobre as pessoas, mesmo que muitas pessoas nunca se apresentaram pessoalmente ao significado esotérico do símbolo. Alguns pensadores de comunicação social, tais como Edward Bernays D., encontrou nesse conceito uma ótima maneira de manipular o inconsciente pessoal e coletivo do público.


[Imagem: 5.jpg]

Edward Bernays


Edward Bernays é considerado o "pai das relações públicas" e os conceitos utilizados, descobertos por seu tio Sigmund Freud para manipular o público com o subconsciente. Ele partilhou da opinião de Walter Lippmann da população geral, considerando-o irracional e sem prejuízo do instinto gregário. Na sua opinião, as massas precisam ser manipuladas por um governo invisível para assegurar a sobrevivência da democracia.

A manipulação consciente e inteligente dos hábitos organizados e opiniões das massas é um elemento importante na sociedade democrática. Aqueles que manipulam este mecanismo oculto da sociedade constituem um governo invisível que é o verdadeiro poder do nosso país.

Nós somos governados, nossas mentes são moldadas, nossos gostos formados, nossas idéias são, em grande parte, feitas por homens que nós nunca ouvimos falar. Este é um resultado lógico do modo em que a nossa sociedade democrática é organizada. Um vasto número de seres humanos devem colaborar desta forma para que possam viver juntos como uma sociedade do bom funcionamento.Nossos governantes invisíveis são, em muitos casos, desconhecidos de suas identidades dos seus colegas no gabinete interior.Edward Bernays, Propaganda

Campanhas de marketing pioneiras como Bernay alteraram profundamente o funcionamento da sociedade norte-americana. Ele basicamente criou o "consumismo" por criar uma cultura onde os americanos compravam por prazer em vez de comprar por sobrevivência. Por esse motivo, ele foi considerado pela revista Life um dos 100 norte-americanos mais influentes do século 20.

[Imagem: 6.jpg]

Harold Lasswell


Em 1939-1940, a Universidade de Chicago foi anfitriã de uma série de seminários sobre segredo das comunicações. Estes grupos de reflexão foram financiados pela Fundação Rockefeller e envolveu os pesquisadores mais proeminentes nos campos da comunicação e estudos sociológicos. Um desses estudiosos foi Harold Lasswell, um cientista político e teórico da comunicação, especializando-se na análise da propaganda. Ele também foi da opinião de que uma democracia, um governo governado pelo povo, não poderia se sustentar sem uma elite especializada moldar e moldar a opinião pública através da propaganda.

Em sua “Enciclopédia das Ciências Sociais”, Lasswell explicou que quando as elites não têm a força necessária para obrigar a obediência, os gestores sociais devem se voltar para uma "técnica totalmente nova de controle, principalmente através da propaganda". Ele acrescentou que a justificação convencional: temos de reconhecer o "ignorância e (estupidez) ... as massas e não sucumbir aos dogmatismos democráticos sobre os homens serem os melhores juízes de seus próprios interesses".

Lasswell estudou extensivamente o campo de análise de conteúdo, a fim de compreender a eficácia de diferentes tipos de propaganda. Conteúdos em seu ensaio de comunicação, Lasswell explicou que, a fim de compreender o significado de uma mensagem (ou seja, um filme, um discurso, um livro, etc.), deve-se levar em conta a freqüência com que alguns símbolos aparecem na mensagem , a direção na qual os símbolos tentam convencer a opinião do público, e a intensidade dos símbolos usados.

- Lasswell era famoso por seu modelo de análise de mídia com base em:

Que (diz); que (a); quem (nos); Qual canal (com); Que efeito

Por este modelo, Lasswell indica que, a fim de analisar corretamente um produto da mídia, é preciso olhar para quem produziu o produto (o povo que ordenou a sua criação), que era destinado (o público-alvo) e quais foram os efeitos desejados de este produto (informar, convencer, vender, etc.) sobre a platéia.Usando um vídeo da Rihanna como exemplo, a análise seria a seguinte: OMS produziu: Vivendi Universal, O QUE: a artista pop Rihanna, a quem: os consumidores com idades entre 9 e 25, o CANAL: videoclipe; e qual o efeito: sua música, sua imagem e sua mensagem.

O termo "Illuminati" é freqüentemente usado para descrever esse grupo de elite pequena que secretamente faz decisão do povo. Embora o termo soa bastante caricaturado e conspirador, que descreve adequadamente as afinidades da elite com sociedades secretas e conhecimento oculto. No entanto, eu pessoalmente detesto usar o termo teoria da conspiração para descrever o que está acontecendo nos meios de comunicação de massa. Se todos os fatos sobre a natureza elitista da indústria estão prontamente disponíveis ao público, pode ainda ser considerada uma teoria da conspiração?

Costumava haver uma variedade de pontos de vista, idéias e opiniões na cultura popular. A consolidação das empresas de mídia, no entanto, produziu uma padronização da indústria cultural. Já se perguntou por que todas as músicas recentes soam a mesma coisa e todos os filmes recentes têm a mesma aparência? A seguinte é parte da resposta:

Propriedades Da Mídia


[Imagem: 7.jpg]

Como representado no gráfico acima, o número de empresas que possuem a maioria dos meios de comunicação E.U. foi de 50-5 em menos de 20 anos. Aqui estão as corporações que evoluem ao redor do mundo e os bens que possuem.

Uma lista das propriedades controladas pela AOL Time Warner tem dez páginas digitadas de anúncios de empresas distintas e 292 filiais. Destes, 22 são joint-ventures com outras grandes corporações envolvidas em diferentes graus com as operações de mídia. Estes parceiros incluem 3Com, eBay, Hewlett-Packard, Citigroup, Ticketmaster, American Express, Homestore, Sony, Viva, Bertelsmann, Polygram, e Amazon.com.

Algumas das propriedades mais familiares e plenas propriedades da Time Warner Book incluem a Month Club, Little, Brown editores, HBO, com seus sete canais, CNN, sete canais especializados e de língua estrangeira; Road Runner, Warner Brothers Studios; Weight Watchers, Popular Science e cinqüenta e duas gravadoras diferentes.Bagdikan Ben, The New Media Monopoly.

AOL Time Warner possui:


[Imagem: 8.jpg]

  • 64 revistas, como Time, Life, People, revista MAD e DC Comics
  • A Warner Bros, New Line e Fine Line Features no cinema
  • Mais de 40 músicas, incluindo Warner Bros, Elektra e Atlantic
  • Muitas redes de televisão como a WB Networks, HBO, Cinemax, TNT, Cartoon Network e CNN
  • Madonna, Sean Paul, The White Stripes

Viacom possui:


[Imagem: 9.jpg]
  • CBS, MTV, MTV2, UPN, VH1, Showtime, Nickelodeon, Comedy Central, TNN, a CMT e BET
  • Paramount Pictures, Nickelodeon, MTV Films
  • Paramount Pictures, Nickelodeon, MTV Films
  • Nos cinemas e jogadores famosos

A Walt Disney Company possui


[Imagem: 20.png]
  • Disney Channel, ABC, ESPN, A & E, History Channel,Walt Disney Pictures, Touchstone Pictures, Hollywood Pictures, Miramax Film Corp, e Buena Vista International
  • Miley Cyrus / Hannah Montana, Selena Gomez, Jonas Brothers

As propriedades da Disney de uma equipe de hóquei chamado The Mighty Ducks de Anaheim não começa a descrever a vastidão desse reino. Hollywood ainda é o coração simbólico, com oito estúdios de produção e distribuidores: Walt Disney Pictures, Touchstone Pictures, Miramax, Buena Vista Home Video, Buena Vista Home Entertainment, Buena Vista International, Hollywood Pictures, e Caravan Pictures.

[Imagem: 10.gif]

A Walt Disney Company controla oito marcas de livro em casa, como Walt Disney Company Book Publishing e ABC Publishing Group; a ABC Television Network, com dez estações de propriedade e operados própria, incluindo os cinco principais mercados; trinta estações de rádio, incluindo todos os principais mercados, canais a cabo, incluindo Disney, ESPN (conjuntamente), A & E e History Channel, treze canais de difusão internacional de alongamento da Austrália para o Brasil, sete unidades de produção e de esportes em todo o mundo e sites da Internet, incluindo o ABC grupo, ESPN.sportszone, NFL.com, NBAZ.com e NASCAR.com. Seus cinco grupos musicais incluem o Buena Vista, Lyric Street, e os rótulos Walt Disney, e produções de teatro ao vivo que cresce fora dos filmes; O Rei Leão, A Bela ea Fera e O Rei Davi.

Vivendi Universal possui:


[Imagem: 11.jpg]
  • 27% das vendas de música E.U., rótulos incluem: Interscope Records, Geffen, A & M, Island, Def Jam, MCA, Mercury, Motown e Universal

  • Universal Studios, Studio Canal, Filmes Polygram, Canal
  • Inúmeros sites de internet e empresas de telefonia celular
  • Lady Gaga, The Black Eyed Peas, Lil Wayne, Rihanna, Mariah Carey, Jay-Z

Sony possui:


[Imagem: 12.jpg]
  • Columbia Pictures, Screen Gems, da Sony Pictures Classics
  • 15% das vendas nos E.U. na música, rótulos incluem a Columbia, Epic, Sony, Arista, Jive Records e RCA
  • Beyoncé, Shakira, Michael Jackson, Alicia Keys, Christina Aguilera

Um número limitado de agentes da indústria cultural, uma quantidade limitada de pontos de vista e idéias que fazem sua maneira ao público em geral. Isso também significa que uma única mensagem pode facilmente saturar todas as formas de mídia para gerar consentimento (ou seja, "há armas de destruição em massa no Iraque").

A Padronização do Pensamento Humano


[Imagem: 13.jpg]

A fusão das empresas de comunicação nas últimas décadas gerou uma pequena oligarquia dos conglomerados de mídia. A TV mostra o que seguimos, a música que ouvimos, os filmes que assistimos e lemos os jornais que são produzidos por cinco empresas. Os proprietários desses conglomerados têm laços estreitos com a elite do mundo e, em muitos aspectos, eles são a elite. Por possuir todos os canais de escoamento, tendo potencial para atingir as massas, esses conglomerados têm o poder de criar na mente das pessoas uma visão de mundo única e coesa, gerando uma padronização "do pensamento humano".

Mesmo os movimentos ou estilos que são considerados marginais são, na verdade, extensões do pensamento mainstream. Meios de comunicação de massa produzem seus próprios rebeldes que definitivamente olham para o lado, mas ainda são parte do estabelecimento e não pergunta nada. Artistas, criações e idéias que não cabem a maneira dominante de pensar são impiedosamente excluídos e esquecidos pelos conglomerados, o que torna praticamente desaparecido a partir da própria sociedade. No entanto, as idéias que são consideradas válidas e desejáveis para serem aceitos pela sociedade são habilmente comercializadas para as massas, a fim de torná-los tornar-se norma auto-evidente.

Em 1928, Edward Bernays já viu o potencial imenso de filmes para padronizar o pensamento:


O cinema americano é a maior transportadora inconsciente de propaganda no mundo de hoje. É um grande distribuidor de idéias e opiniões. O filme pode padronizar as idéias e os hábitos de uma nação. Porque as imagens são feitas para atender às demandas do mercado, que refletem, enfatizam até exagerar as amplas tendências populares, ao invés de estimular novas idéias e opiniões. O filme aproveita apenas de idéias e fatos que estão em voga. Como o jornal pretende com a notícia, ele pretende com entretenimento. Edward Bernays, Propaganda

Esses fatos foram classificados como perigos para a liberdade humana na década de 1930 pelos pensadores da escola de Frankfurt, como Theodor Adorno e Herbert Marcuse. Eles identificaram três principais problemas relacionados com a indústria cultural. A indústria pode:

1. Reduzir os seres humanos ao estado de massa, impedindo o desenvolvimento dos indivíduos emancipados, que são capazes de tomar decisões racionais;

2. Substituir a unidade legítima para a autonomia e auto-conhecimento pela preguiça segura de conformismo e passividade.

3. Validar a idéia de que os homens realmente procuram fugir do mundo absurdo e cruel em que vivem por perder-se em um estado hipnótico de auto-satisfação.

A noção de escapismo é ainda mais relevante hoje, com o advento dos jogos de vídeo online, filmes 3D e home theaters. As massas, constantemente estão à procura de entretenimento, vai recorrer a produtos de alto orçamento que só podem ser produzidos pelas maiores corporações de mídia do mundo. Estes produtos contêm mensagens cuidadosamente calculadas e símbolos que não são nada mais e nada menos do que propaganda divertida. O público foi treinado para AMAR sua propaganda na medida em que ele gasta o seu dinheiro suado para ser exposto a ele. As propagandas (usada em políticas, culturais e comerciais) não é mais a forma de comunicação coerciva ou autoritária encontrada em ditadura, tornou-se sinônimo de diversão e prazer.

No que diz respeito à propaganda, os defensores iniciais da alfabetização universal e a liberdade de imprensa prevista apenas duas possibilidades: a propaganda pode ser verdade, ou ele pode ser falsa. Eles não prevêem o que de fato aconteceu, sobretudo na nossa democracia ocidental capitalista, o desenvolvimento de uma vasta indústria de comunicação de massa, em causa a principal, nem com o verdadeiro nem falso, mas com o irreal, a mais ou menos totalmente irrelevante . Em uma palavra, eles não conseguiram levar em conta o homem do apetite com quase infinita distrações.Aldous Huxley, prefácio de Um Admirável Mundo Novo

A única peça de mídia muitas vezes não tem um efeito duradouro sobre a psique humana. Os meios de comunicação social, no entanto, pela sua natureza onipresente, cria um ambiente de vida que evoluem em uma base diária. Ele define a norma e que exclui o indesejável. Da mesma forma que os cavalos usam antolhos de transporte para que eles só podem ver o que está bem na frente deles, as massas só podem ver para onde eles deveriam ir.

É o surgimento da mídia de massa que possibilita o uso de técnicas de propaganda em escala social. A orquestração da imprensa, rádio e televisão para criar um processo contínuo, duradouro, torna o ambiente de total influência da propaganda praticamente despercebido, precisamente, porque cria um ambiente de constante. A mídia fornece a ligação essencial entre o indivíduo e as demandas da sociedade tecnológica.Jacques Ellul

Uma das razões da mídia de massa estar em êxito nas influências da sociedade é devida à extensa pesquisa em ciências cognitivas e da natureza humana que tem sido aplicado a ele.

Dessensibilização

[Imagem: 14.jpg]

No passado, quando as mudanças eram impostas à população, eles tomariam as ruas, protestariam e haveria até revolta. O principal motivo para este choque se deveu ao fato de que a mudança foi claramente anunciada pelos governantes e compreendido pela população. Foi súbito e seus efeitos podem ser claramente analisados e avaliados. Hoje, quando a elite precisa que uma parte de sua agenda seja aceita pelo público, é feito através de dessensibilização. A agenda, que pode ir contra os melhores interesses públicos, é lento, gradual e repetidamente apresentado ao mundo através de filmes (envolvendo-lo dentro do lote), vídeos de música (que torná-lo legal e sexy), ou a notícia (que apresentá-lo como uma solução para os problemas de hoje). Após vários anos de exposição às massas, uma agenda particular, a elite abertamente apresenta o conceito do mundo e, devido à programação mental, é recebida com indiferença geral e é aceita passivamente. Esta técnica origina da psicoterapia.

As técnicas de psicoterapia, amplamente praticadas e aceitas como um meio de curar distúrbios psicológicos, são também métodos de controlar as pessoas. Eles podem ser usadas sistematicamente para influenciar atitudes e comportamentos. Dessensibilização sistemática é um método utilizado para dissolver a ansiedade do paciente para que o público não seja mais perturbado por um medo específico, o medo da violência, por exemplo. As pessoas se adaptam a situações assustadoras se forem expostas a eles o suficiente.

A programação preditiva é freqüentemente encontrada no gênero ficção científica. Apresenta uma imagem específica do futuro (o que é desejado pela elite) e, finalmente, torna-se na mente dos homens uma inevitabilidade. Uma década atrás, o público estava sendo insensível à guerra contra o mundo árabe. Hoje, a população está sendo gradualmente exposta a existência de controle da mente, do transhumanismo e de uma elite Illuminati. Emergindo das sombras, esses conceitos estão hoje em toda a cultura popular. Isto é o que Alice Bailey descreve como a externalização "da hierarquia": os governantes ocultos lentamente revelando-se.

Conclusão


[Imagem: 15.jpg]

Neste artigo analisamos os principais pensadores no campo dos meios de comunicação, estrutura de poder da mídia e das técnicas utilizadas para manipular as massas. Creio que esta informação é vital para a compreensão do "porquê" dos temas serem discutidos aqui no A Indústria Satânica Exposta. A população em massa "versus" classe dominante descrita em vários artigos, não é uma teoria da conspiração (novamente, eu odeio esse termo), mas uma realidade que tem sido claramente vista nas obras de alguns dos homens do século 20 mais influentes.

Lippmann, Bernays e Lasswell, todos declararam que o público não está apto a decidir seu próprio destino, que é o objetivo inerente à democracia. Em vez disso, apelou a uma criptocracia, um governo oculto, uma classe dirigente no comando do rebanho "confusos". Como as suas idéias continuam a ser aplicadas para a sociedade, é cada vez mais evidente que uma população ignorante não é um obstáculo que os governantes devem tratar. É algo que é desejável e, de fato, necessário, para garantir a liderança total. Uma população ignorante não sabe os seus direitos, não busca uma maior compreensão das questões e autoridades. Ele simplesmente segue as tendências. A cultura popular serve para a ignorância, e alimenta continuamente servindo de entretenimento ao cérebro, colocando celebridades para ser idolatradas. Alguns perguntam se a como parar isso, o começo seria você tomar alguma atitude, não só com a sociedade, mas com você.

FONTE: KILUMINATI/SAIBA


Fonte: http://forum.antinovaordemmundial.com

terça-feira, 9 de julho de 2013

[Documento NASA] - O Futuro da Guerra (2025) - O Futuro é Agora - Transhumanismo, Robôs, Armas do futuro





Um documento da NASA, datado de 2001, mostra informações chocantes sobre o futuro da guerra em 2025, baseado em revoluções tecnológicas em andamento através do mundo (de acordo com o documento, sem "pó de pirlimpimpim", o que quer dizer, são tecnologias reais), como armas baseadas em robôs, nano-partículas que aderem ao pulmão com "Missões patológicas", e o mais revoltante, colocando os humanos como inimigo, um impedimento para a evolução, a qual poderia ser dirigida utilizando tecnologias genéticas. O documento (na realidade uma apresentação), intitulado "Questões Estratégicas do Futuro / Guerras do Futuro (cerca de 2025)"  trata ainda de armas a serem utilizadas no futuro, como Pulsos Eletromagnéticos (EMP), guerras de informação, na internet e psicológicas (psy-ops), alterações de comportamento e no cérebro utilizando microondas e rádio-frequência. O documento trata ainda do uso prevalente de drones, inteligência artificial em robôs para guerra, uso militar de cérebros de animais junto com máquinas,

Tive contato com este documento ontem através de um vídeo (em inglês, ao fim do post) postado no Fórum Anti-NOM, onde uma senhora, aparentemente do site stopthecrime.net, apresentava os itens mais chocantes deste documento. Pretendo expandir este tópico e acrescentar mais informações.

O documento na íntegra pode ser visualizado neste link.

Abaixo traduzi um resumo dos pontos mais preocupantes contidos nesta apresentação e mais adiante a tradução dos primeiros slides, que irei atualizando a medida em que
for traduzindo. Fiquei em dúvida sobre a legitimidade deste documento, porém localizei este outro estudo ("Tecnologias Emergentes: Recomendações para Contra-Terrorismo") em um site militar americano ("Centro Biológico/Químico Edgewoods"), que contém a apresentação completa, o que demostra sua legitimidade. Além disto, esta pesquisa no google scholar abaixo mostra vários outros estudos/documentos que citam a apresentação/documento em discussão.

Não é necessário nem esclarecer que estas armas não serão utilizadas contra os terroristas, mas contra todos que se opuserem contra aqueles que dominarem estes tipos de tecnologias.

Resumo pontos principais:

Página 4
A apresentação é baseada em todos os casos mediante dados/tendências/análises/tecnologias
existentes (Sem pó de pirlimpimpim)
Robôs, Cyborgs e os seres humanos

Página 93
CONUS- Estados Unidos Continental
Explorar a Síndrome "CNN"
- Afundar cargueiro(s) via
"Ataques de enxame"
- Capturar/torturar Norte-americanos em cores vivas em horário nobre
- Ataques de "terror" dentro
Território continental dos EUA (bio binário,
"derrubar" Infra-estrutura crítica, IO/IW,
EMP, RF contra o cérebro,
etc)
- "Psywar" séria (exploração de danos colaterais, etc)

Página 9
Os seres humanos têm tomado e diminuído "Evolução"
- "Evolução dirigida"

Página 14
"TECNOLOGIAS CHAVES DO FUTURO"
- Automatizar / robotizar "Tudo"
- A engenharia genética antes do nascimento

Página 66
Cada vez mais crítico
Limitações Humanas / Desvantagens
- Grande
- Pesada
- Frágil
- Lento (fisicamente,
mentalmente)
- Exigir treinamento logístico enorme, ou seja, Os seres humanos têm-se rapidamente diminuindo o "Valor acrescentado"

Página 67
ROBÓTICA "em larga escala" (Salva vidas, melhora acessibilidade, redefine ambiente de risco/ameaças, aumenta a eficácia)

Página 35
Exemplos: confluência de TI / Bio / Nano
- Cérebro de uma lampréia marinha inserido/ligado ao corpo de um peixe robótico
(Um cyborg inicial)
- "Chew-Chew" - um robô comedor de carne/planta que caça / bio-digere "alimentos naturais" de "viver fora da terra "
(Inventor do robô Chew Chew: Stuart Wilkinson expressa preocupação com os perigos dos robôs se alimentar de seres humanos)

Página 43
Armamentos de Micro Poeira
- Um "poeira" mecanizada de tamanho "micron" mecanizada que é distribuída como um aerossol e inalada para os pulmões.
A Poeira mecanicamente se adere aos tecidos do pulmão e executa várias "Missões patológicas"
- Uma Totalmente "Nova" classe de Armamento que é legal.

Página 45
Armas de Feixes Cada vez mais prevalente

Página 50
Efeitos da microondas de baixa potência (EXÉRCITO americano, SRI, WALTER REED)
- Diminui o desempenho comportamental
- Convulsões
- Alteração bruta na função cerebral
- Aumentos de 30% a 100% no fluxo de sangue cérebro
- Letalidade
- Interações entre baixa potência (microwatts por cm/2/.4 a 3 GHz) MW e função cerebral

Página 55
O que é, aparentemente, "Legal"
- Armamentos AntiFunctional e antipessoal de Microondas /Rádio-frequencia
- Armamento químico AntiFunctional
- Armamentos de "Efeitos Psicológicos" químicos via órgãos sensoriais (por exemplo, cheiro)
- Armamento químico de Incapacitação Pessoal ["Sem Guerras" (por exemplo Terrorismo de refém) apenas]
- Psywar (guerra psicológica)
- Armamentos Acústicos
- Micro Poeira Mecânica

Tradução slides:

Capa:
Assuntos Estratégicos futuros / Guerras do Futuro
[Circa 2025]
• Capacidades do "inimigo depois do próximo"
  - Revoluções tecnológicas em andamento/   Tendências-Econômicas
• Natureza em Potencial de Guerras a mais longo prazo

O próximo item se intitula "Os 'Bots', Borgs, e Humanos
Bem-vindo a 2025 DC"

O próximo slide afirma que o trabalho foi baseado no trabalho "futuro" dos seguintes órgãos:

USAF NWV
• USAF 2025
• National Research
Council
• Army After Next
• ACOM Joint Futures
• SSG of the CNO
• Australian DOD
• NRO, DSB
• DARPA, SBCCOM
• DIA, AFSOC, EB, AU
• CIA, STIC, L-M, IDA
• APL, ONA, SEALS
• ONI, FBI, AWC/SSI
• NSAP, SOCOM, CNO
• MSIC, TRADOC, QDR
• NGIC, JWAC, NAIC
• JFCOM, TACOM
• SACLANT, OOTW

O documento então afirma que esta apresentação:

• Serve para incitar a reflexão / discussão
• Baseia-se em todos os casos existentes sobre
dados / tendências / análises / tecnologias (por exemplo, sem
Pixie Dust (pó de pirlimpimpim))
• Fornece em alguns casos um pouco mais amplas
ver as questões e desenvolvimentos futuros

Próximo slide:

Utilização / Aplicação de Projeções 2025+ (nota blog: pós-2025)
• Entradas (nota blog: sugestões, recomendações) para o futuro Desenvolvimento de conceitos de combates de guerra do futuro (Inimigo depois do próximo e Azul)
• Entradas para nova decisão de aquisição (15+
anos para produzir, 40+ anos em inventório
• "Heads Up" para a Comunidade de inteligência
("Avisos e Advertências")
• Entradas para Planejamento de Pesquisa e Desenvolvimento do DOD (nota blog: departamento de defesa)

Vídeo entrevista:
Fontes:

Site Stop the Crime (NASA frame)
- Apresentação: "Questões Estratégicas do Futuro / Guerras do Futuro (cerca de 2025)"
- Fórum Anti-NOM
Tecnologias Emergentes: Recomendações para Contra-Terrorismo


Fonte:http://www.anovaordemmundial.com

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Dan brown, autor de "O Código Da Vinci", Faz Declarações Assustadoras Sobre a Redução Populacional


Em entrevista concedida à correspondente da Rede Globo na Itália(veiculada no canal Globonews.), Ilze Scamparini, o escritor Dan Brown (dos sucessos "Anjos e Demônios", "O Símbolo Perdido" e, mais recentemente, "Inferno".) não se conteve e revelou às câmeras sua verdadeira face eugenista.

Para quem não sabe, eugenia nada mais é do que uma espécie de sistema científico-filosófico derivado do evolucionismo que prega, resumidamente, a sobrevivência e o desenvolvimento da Civilização mediante algo chamado "higiene social" ou "evolução social".

Que Dan Brown é o grande laranja à frente dos movimentos gnósticos modernos, não é muita novidade. Que ele tenha como função na Nova Ordem Mundial preparar a cabeça da população(o inconsciente coletivo.) para a falsa ideia de um descendente do Senhor Jesus Cristo habitando entre nós(para quem não sabe, a Bíblia aponta fortes evidências de que o Anticristo, aquele que seduzirá a todos e será abraçado pelo mundo como um presidente mundial, terá sangue semita.), também não é surpresa alguma. Todavia, o que me deixou perplexo foi descobrir que, agora, ele possui um novo papel na agenda global: popularizar a ideologia eugenista.
Confesso que estranhei um bocado o fato de seu novo livro não apresentar a tradicional combinação "cristianismo e sociedades secretas", afinal, desde o sucesso de "O Código Da Vinci (fator decisivo para que Brown descobrisse sua galinha dos ovos de ouro.)" que ele não sabe o que é escrever algo que não envolva a fórmula citada acima. Sei que não foi a primeira vez. Dan Brown já se propôs, por exemplo, a fazer apologia à ufologia em seu livro "Ponto de Impacto"; porém sem obter o mesmo sucesso das aventuras de Robert Langdon. "Qual será sua nova cartada", eu pensava... Eis que, após sua participação no programa "Globonews Literatura", tudo veio às claras.

Na entrevista, o cara de pau explica que o vilão do seu novo livro é um terrorista que tem por objetivo reduzir a população mundial mediante "métodos extremos" e, sem qualquer tipo de pudor ou constrangimento (evidentemente por ter uma grande cobertura...), solta na lata da jornalista que partilha dos ideais do principal antagonista de sua obra!

Ilze Scamparini: A super-população do planeta é um problema tão grande quanto o senhor nos faz acreditar no livro(note que a repórter não pergunta se "é um problema", e sim se "é um problema tão grande". Ela já parte do princípio de que, de fato, é um problema.)?

Dan Brown: Sim, é um problema enorme. "Inferno" é muito relevante para o mundo atual moderno (interessante jogo de palavras, não?). E meus leitores vão apreciar isso(alguma dúvida sobre a ideia principal a ser propagada entre o público?). É relevante porque a superpopulação é um problema que cruza todas as culturas, todas as línguas, todas as geografias do mundo (discurso tipicamente globalista.). É um problema que toda a população terrestre compartilha (outra frase deste tipo e podemos chamá-lo de "Ninrode".). É um problema que aumenta todos os dias (ou seja, o milagre da vida que acontece diariamente em toda Terra, segundo Dan Brown, é um problema que deve ser combatido. Toda criança que nasce, os nossos filhos e netos, são o tal problema que o escritor afirma aumentar a cada dia.). O que mais me interessou sobre a Peste Negra (pandemia que dizimou 1 terço da Europa na Idade Média. Aproximadamente 75 milhões de pessoas.) foi entender que a Renascença foi um resultado da Peste Negra (!!!!!!!!!!!!!). Foi somente após a queda drástica da população da Europa que a Renascença teve início (ou seja, o demente enxerga uma das maiores tragédias da humanidade, talvez o maior genocídio que já houve, como algo extremamente positivo; o grande salto de desenvolvimento humano ocorrido na História, a carta de alforria cultural das classes menos favorecidas, enfim; um evento que todos concordam ter sido mais positivo do que negativo à sociedade. Para Dan Brown, a Peste Negra deve ser celebrada, uma vez que, graças à ela, as doutrinas antropocêntricas defendidas e divulgadas tão ardorosamente por ele e seus mestres existem. Diante disto, eu pergunto: como não refletir sobre até que ponto aquela catástrofe foi natural ou não? Seria demais meditar na possibilidade de a Peste Negra ter sido um "HAARP da Idade Média"?). Zobrist(o vilão do livro.) vê isso, esse atual momento da História como um momento potencial para uma nova Renascença (ou seria "uma Nova Ordem"??? Lembrem-se de que quem fala é um aficcionado por códigos e joguinhos de palavras...).
Um outro aspecto interessante aqui é o fato do vilão de "Inferno" ser um trashumanista. Se você, caro leitor, não sabe o que é, eu te digo: o transhumanismo é o segmento científico que, basicamente, trabalha com a ideia de implantes, adaptações e alterações cibernéticas no corpo humano que, como fachada, possui um discurso altruísta de melhora da Medicina e, consequentemente, da condição humana; sendo que, na realidade, esconde bizarras e assustadoras experiências envolvendo o desenvolvimento de uma nova espécie: um humano superior (ops, acho que voltamos a esbarrar no super-homem de Darwin aqui...).

O vídeo pode ser visto neste link.

Fontes:
Blog Unidos Contra o Mundo: DAN BROWN, AUTOR DE "O CÓDIGO DA VINCI", FAZ DECLARAÇÕES ASSUSTADORAS SOBRE A REDUÇÃO POPULACIONAL
- Globo News Literatura: ‘Inferno’, de Dan Brown, foi inspirado na obra de Dante Alighieri
- Fórum Anti-NOM: INFERNO - Dan Brown
Fonte: www.anovaordemmundial.com

O Mundo é vigiado pelos americanos -ECHELON

Controle total do sistema : cientistas criam o chip-órgão que pode emular o corpo;

 “No futuro, você será um microchip – O “xeque-mate” contra a humanidade! By  Bruno Asher ,  www.apocalipsenews.com Setembro 14º, 201 7...