domingo, 18 de maio de 2014

As primeiras crianças OGM













O Leitor acha bom manipular geneticamente as plantas? Qual direito temos de fazer isso? Não seria mais correto começar a manipular os seres humanos?

Dito, feito: os primeiros seres humanos geneticamente modificados foram criados.

Trinta crianças saudáveis ​​nasceram após uma série de experimentos nos Estados Unidos (óbvio...). Até agora, duas das crianças foram testadas e verificou-se que contêm os genes de três pais. No pleno respeito da Natureza, evidentemente.
Quinze dos filhos nasceram nos últimos três anos, como resultado dum programa experimental do Instituto de Medicina Reprodutiva e Ciências de São Barnaba, New Jersey. Um hospital non-profit? Muito bem, tudo cientificamente controlado e longe dos lucros, esta é uma garantia.

As crianças nasceram de mulheres que tinham problemas para conceber. Assim, genes extra de doadores de sexo feminino foram inseridos nos óvulos antes de serem fertilizados, num esforço para permitir a concepção.

Evidências da impressão digital genética em duas crianças com um ano de idade confirmam que estas herdaram o DNA de três adultos, duas mulheres e um homem. Mas a coisa maravilhosa é o fato de que as crianças que herdaram estes genes, conseguiram integra-los na "linhagem germinal" e, portanto, serão capazes de transmiti-los aos filhos.

Alterar a linha germinal humana, isso é, o fato de mexer com a constituição das nossa espécie, é uma técnica evitada pela grande maioria dos cientistas do mundo. Os geneticistas temem que um dia este método possa ser usado para criar novas raças de seres humanos, com recursos extras, como força ou inteligência. No entanto, não há almoços grátis: isso pode trazer consequências no organismo e não se sabe ainda quais.

Mas nada retira a glória dos pesquisadores do Instituto: num artigo na revista Human Reproduction, o líder do grupo, o Professor Jacques Cohen, diz que este "é o primeiro caso de modificação genética germinal humana, resultando em "normais crianças saudáveis".

Quanto "normais" podem ser definidas crianças com três doadores de DNA?
Pormenores, típicos duma mente provinciana e limitada.

Alguns especialistas criticam severamente os experimentos. O dr. Winston, do Hospital Hammersmith (Londres), disse à BBC:

No que diz respeito ao tratamento da infertilidade, não há evidências de que esta técnica seja eficaz [...] Estou muito surpreso que tenha sido efetuado nesta altura. Certamente não seria permitido na Grã-Bretanha.

Pois, mas a Grã Bretanha é provinciana e limitada também.
John Smeaton, diretor nacional da Sociedade para a Protecção de Crianças Não Nascidas:

É necessário simpatizar com os casais que sofrem de problemas de infertilidade. Mas este parece ser um exemplo adicional do fato de todo o processo de fertilização in vitro, como meio de conceber bebês, levam a que as crianças sejam consideradas como objetos numa linha de produção. Para a humanidade, é mais um preocupante passo em frente no caminho errado.
Patético. O que pode haver de mais natural e mais fofo do que uma mãe que abraça o filho com três DNA
misturados? Além de que esta ideia nem é assim tão nova, pois já em 1817 Mary Shelley tinha proposto o mesmo: um pedaço aqui, um pedaço aí, junta-se tudo e pronto, eis o novo ser.

Só que a Ciência evoluiu desde então, já não é preciso colar membros de várias origens, hoje pode-se intervir diretamente nos genes. E entretanto o nome Frankestein caiu em desuso.
Mas como funciona a técnica?
Simples: o Professor Cohen e os seus dignos colegas diagnosticaram que as mulheres eram inférteis porque tinham defeitos nas pequenas estruturas dos seus óvulos, chamadas mitocôndrias.

Adoção? Afinal há tantas crianças que precisam...Nem pensar! Porque adotar uma solução lógica e altruísta quando é possível escolher a estrada mais complicada, egoísta e eticamente (muito) dúbia? Foram buscar os óvulos das doadoras e, com uma pequena agulha, sugaram o material interno (que continha as mitocôndrias "saudáveis"), injetando tudo nos óvulos das mulheres que queriam engravidar. Dado que os mitocôndrias continham os genes das doadoras, as crianças resultantes têm herdado o DNA das duas mulheres.

Jacques Cohen é considerado como um cientista brilhante mas controverso, que tem empurrado os limites das tecnologias da reprodução assistida. Desenvolveu uma técnica que permite que homens inférteis tenham os seus próprios filhos, injetando o DNA do esperma diretamente num óvulo em laboratório.

No ano passado, Cohen disse que a sua experiência lhe permitiria clonar crianças, uma perspectiva tratada com horror pela comunidade científica.
Cohen:
Seria o trabalho de uma tarde para um dos meus alunos.
Justo. Pelo contrário, concentrar-se no estudo do DNA para prevenir as doenças genéticas ou as malformações dos nascituros deve dar muito mais trabalho, não compensa não é? Ups, esquecia-me: énon-profit. Nada de lucro aqui, tudo feito em nome da Ciência e da sociedade.

Doutro lado, quem consegue resistir ao choro duma mãe que não pode ter filhos? O Leitor não tem coração? Que venham os novos Frankestein.

Ipse dixit.

Fontes: Daily MailThe New York Times

Nenhum comentário:

Controle total do sistema : cientistas criam o chip-órgão que pode emular o corpo;

 “No futuro, você será um microchip – O “xeque-mate” contra a humanidade! By  Bruno Asher ,  www.apocalipsenews.com Setembro 14º, 201 7...