segunda-feira, 1 de março de 2010

MK-ULTRA: O Programa de Controle Mental da CIA

The  -foot (  m) diameter CIA seal in the lobb...Image via Wikipedia

MK-ULTRA: O Programa de Controle Mental da CIA.

Por Stephen Lendman

Publicado em 16/02/2010

MK-ULTRA era o codinome para o programa de controle mental da CIA, começado em 1953, sob o diretor Allen Dulles. Seu propósito era multifacetado, incluindo uma droga da verdade perfeita para interrogar suspeitos de espionar para os soviéticos durante a Guerra Fria. Seguida anteriormente de hipnose durante a 2a. Guerra Mundial, pesquisas primitivas de drogas, e o projeto da marinha americana Chatter (tagarelar), explicado pelo seu departamento de Medicina e Cirurgia em resposta ao pedido da Lei de Liberdade de Informação (FOIA, em inglês) como segue:

Começou "no outono de 1947 concentrando-se na identificação e teste de drogas (LSD e outras) em interrogatórios e no recrutamento de agentes. A pesquisa incluía experiências de laboratório tanto em animais como em seres humanos. O programa terminou logo depois da Guerra da Coréia em 1953."

Ele foi desenvolvido sob a direção do Dr. Charles Savage do Instituto de Pesquisa Médica Naval, Bethesda, Maryland, de 1947 a 1953, após o que o escritório de Inteligência Científica da CIA continuou o projeto sob o nome de Projeto Bluebird, seu primeiro programa de controle mental para:

* Aprender como condicionar pessoas a impedir que informações fossem extraídas delas por meios conhecidos;
* Desenvolver métodos de interrogação para exercer controle;
* Desenvolver técnicas de aperfeiçoamento da memória; e
* Estabelecer maneiras de prevenir o controle inimigo do pessoal da agência.


Em 1951, ele foi renomeado Projeto Artichoke, depois MK-ULTRA sob o vice diretor da CIA Richard Helms em 1953. Ele objetivava controlar o comportamento humano através de drogas psicodélicas e alucinógenas, eletrochoque, radiação, grafologia, técnicas paramilitares, e métodos psicológicos/sociológicos/antropológicos, entre outros - um vasto campo aberto de experimentação da mente tentando alguma coisa que pudesse funcionar, legal ou de outro modo, sobre a vontade e o inconsciente dos sujeitos.

Em andamento em tempos diferentes estavam 149 subprojetos em 80 universidades americanas e canadenses, centros médicos e três prisões, envolvendo 185 pesquisadores, 15 fundações e numerosas empresas farmacêuticas. Tudo era ultra-secreto, e a maior parte dos registros destruída mais tarde, apesar disso, processos da Lei de Liberdade de Informação salvaram milhares de páginas com evidência documentada dos horríveis experimentos e seus efeitos nos seres humanos.

Muitos eram cobaias involuntárias, e aqueles que consentiam estavam mal informados dos perigos. James Stanley era um soldado de carreira quando lhe deram LSD em 1958 junto com 1.000 outros militares "voluntários". Eles sofreram alucinações, perda de memória, incoerência, e severas mudanças de personalidade. Stanley exibiu uma violência incontrolável. Isso destruiu sua família, inibiu sua capacidade de trabalho, e ele nunca soube por que até que o exército pediu a ele para participar de um estudo de revisão.

Ele processou por danos sob a Lei Federal de Reclamação de Prejuízo (FTCA, em inglês), o caso dele chegou a Suprema Corte em Estados Unidos vs Stanley. Debatida e decidida em 1987, a Corte declarou improcedente sua reclamação (por 5 a 4), decidindo que seus danos ocorreram durante o serviço militar. Os juízes Thurgood Marshall, William Brennan e Sandra Day O'Conner escreveram opiniões divergentes, dizendo que o Código de Nuremberg se aplica a soldados bem como a civis. Em 1996 Stanley conseguiu $400.000 em compensação, mas nenhum pedido de desculpa do governo.

Talvez a vítima mais conhecida do MK-ULTRA seja Frank Olsen, um bioquímico trabalhando para a Divisão de Operações das Forças Especiais do exército em Forte Detrick, Maryland. Em 18 de novembro de 1953, administraram LSD a ele. Imediatamente ele se tornou agitado e completamente paranóico. Nove dias depois, ele supostamente cometeu suicídio pulando 13 andares para a morte através de uma janela fechada de um hotel de Nova York. Os membros da família dele não sabiam que ele foi drogado até que o MK-ULTRA foi exposto em 1975.

O presidente Gerald Ford se desculpou, garantiu um pagamento de $750.000, mas o filho de Olson descobriu documentos sugerindo que seu pai foi assassinado. Em 1994 ele exumou o corpo, foi avaliado de forma judicial, e a conclusão foi homicídio baseado em fratura no esqueleto não detectada anteriormente sugerindo uma pancada na cabeça e outras evidências perturbadoras.

Stanley Glickman foi outra tragédia do MK-ULTRA, uma vítima involuntária de drogas alucinógenas e tratamento de eletrochoque. Ele se tornou traumatizado, não podia trabalhar, mal comia, sofreu colapso nervoso, e nunca se recuperou completamente. Depois de saber sobre as experiências da CIA com LSD, ele processou em 1983. O julgamento foi adiado por 16 anos, ele morreu, mas sua irmã Gloria Kronish insistiu no caso.

O chefe do MK-ULTRA Stanley Gotleib estava em discussão, contratado para dirigir os funcionários do serviço técnico (TSS, em inglês) para desenvolver venenos para assassinar adversários políticos, drogas de soro da verdade para interrogar espiões, e técnicas de controle mental para criar assassinos robôs ou agentes duplos inconscientes. Ele usou cientistas nazistas e seus métodos sofisticados, aperfeiçoados em vítimas de campos de concentração. Alguns eram conhecidos como programadores, profissionais habilidosos na arte de quebrar as barreiras e controlar a mente humana.

Joseph Mengele fazia um trabalho semelhante, experimentando extensivamente com crianças e adultos usando mescalina, terapia de eletrochoque, hipnose, privação sensorial, tortura, estupro, fome, e colagem de traumas. Ele foi tão bem sucedido com a última técnica que os sobreviventes expressavam forte afeição por ele.

A CIA e os militares americanos copiaram a metodologia nazista através de numerosos programas, incluindo o MK-ULTRA, MK sendo a abreviação para as palavras "mind control" em alemão. De acordo com documentos obtidos, funciona melhor quando trauma severo (como estupro) ocorre com idade de 3 anos, o resultado frequentemente causando uma divisão da personalidade ou dissociação (chamada desordem de identidade dissossiativa) para reprimir memórias dolorosas.

Terapeutas podem causar múltiplas desordens de personalidade pela manipulação da mente, mas trauma cedo na vida faz as vítimas especialmente vulneráveis. Gottlieb se concentrou no LSD para o controle da mente e venenos e drogas exóticas para assassinatos políticos.

Sob a Operação Paperclip 9.000 cientistas e técnicos nazistas foram recrutados para ajudar a minar a União Soviética.

Em 1952, Gottlieb se reuniu com Glickman em um café em Paris, pagou um drink para ele e colocou LSD. Depois de finalmente ter sido responsabilizado, ele ficou doente (Gottlieb). O julgamento foi adiado, e na véspera de seu reinício ele morreu inesperadamente. Na época, os obituários do New York Times e Los Angeles Times relataram que a família dele recusou-se a revelar a causa. O jornal online WorldDailyNet explicou que foi depois de uma "pneumonia de cerca de um mês," dizendo que depois de ser admitido para o Centro Médico da Universidade da Virgínia, ele entrou em coma, nunca se recuperou, mas o crime não pôde ser determinado.

No julgamento contra seu espólio, o juiz morreu de ataque cardíaco enquanto se exercitava. A questão novamente apareceu. Foi natural ou ele foi assassinado? Especialmente porque sua substituição foi prejudicial ao demandante tendo abandonado seu caso dois anos antes. Talvez apenas depois que o júri decidiu contra a família Glickman, negando a eles justiça.

Em 22 de dezembro de 1974, Seymour Hersh expôs o MK-ULTRA em um artigo do New York Times. Intitulado, "Relatada Grande Operação da CIA nos Estados Unidos Contra as Forças Antiguerra, e Outros Dissidentes nos Anos Nixon," atividades ilegais documentadas, incluindo experiências secretas com cidadãos americanos durante os anos 60 e antes. Seguiu-se uma investigação do Comitê Church do congresso americano, encabeçada pelo senador Frank Church, sobre as práticas de inteligência abusivas, substituída pelo comitê Pyke 5 meses depois. A Comissão Rockefeller, sob o vice presidente Nelson Rockefeller, também examinou as atividades domésticas da CIA, FBI, e agências de inteligência militares.

No verão de 1975, foi sabido que a CIA e o Departamento de Defesa tinham conduzido experiências ilegais em sujeitos involuntários como parte de um programa exaustivo para influenciar o comportamento humano através de drogas psicoativas (incluindo LSD e mescalina) e outras substâncias químicas, biológicas, psicológicas, e outros métodos.

Origens das Práticas de Manipulação da Mente da CIA

A CIA se tornou interessada no trabalho do Dr. Ewen Cameron em Montreal no Instituto Memorial Allan da Universidade McGill. Com o total conhecimento do governo do Canadá, ele foi financiado para realizar experimentos bizarros em seus pacientes psiquiátricos, incluindo mantê-los acordados e isolados por semanas, então administrar largas doses de eletrochoque e coquetéis de drogas experimentais, LSD e PCP poeira de anjo entre elas.

Embora claramente imoral, Cameron acreditava que detonando o cérebro humano com uma série de choques, ele poderia desfazer mentes defeituosas, reconstruindo-as com novas personalidades limpas de seu estado anterior. Isso era ciência vodu e fracassou, mas a CIA ganhou uma riqueza de conhecimentos que têm sido usados até hoje.

Em 1951, a Agência engajou o diretor de psicologia da McGill, Dr. Donald Hebb, e outros para conduzir experiências de privação sensorial em estudantes voluntários. Eles mostraram que o intenso isolamento interrompe a clareza de pensamento o suficiente para fazer os sujeitos receptivos a sugestão. Eram também formidáveis técnicas de interrogatório equivalentes a tortura quando administradas através do uso da força.

Esses experimentos precoces puseram os fundamentos para o processo de tortura de dois estágios da CIA: privação sensorial seguida por sobrecarga. O historiador da Universidade de Wisconsin, Alfred McCoy documentou eles em um livro, Uma questão de tortura: Interrogatório da CIA, da Guerra Fria a Guerra ao Terror (A Question of Torture: CIA Interrogation, from the Cold War to the War on Terror), chamando-as "a primeira revolução real na cruel ciência da dor em mais de três séculos."

A CIA desenvolveu e codificou tudo em manuais, usados extensivamente no Sudeste da Ásia, América Central, Iraque, Afeganistão, Guantánamo e em locais secretos em todo mundo. McCoy se referiu a um mini gulague de extração de informações durante a Guerra Fria e a Guerra ao Terror. Fora da vista, nada é proibido, incluindo crueldade física e métodos de controle mental de enfraquecimento psicológico que transformam seres humanos em mingau.

O MK-ULTRA foi um deles, ainda que a ordem executiva de 1976 de Gerald Ford (EO 11905) "estabelecesse políticas para melhorar a qualidade da inteligência necessária para a segurança nacional e estabelecesse uma efetiva vigilância para assegurar a concordância com a lei no gerenciamento e direção das agências de inteligência e departamentos do governo nacional."

A Ordem Executiva proibia "experiência com drogas em seres humanos, exceto com seu consentimento informado, por escrito e testemunhado por uma parte desinteressada, de cada sujeito, como ser humano," de acordo com as diretrizes emitidas pela Comissão Nacional. Subsequentes diretivas de Carter e Reagan baniram todas as experiências humanas. Contudo, elas continuam em violação ao código de Nuremberg que proíbe:

* experiências médicas sem o consentimento dos seres humanos - "sem coerção, fraude, engano, e completa divulgação dos riscos conhecidos;"

* aqueles "onde há uma razão a priori para acreditar que morte ou dano incapacitante ocorrerá;" e

* somente aqueles que se esperam "resultados proveitosos para o bem da sociedade, não adquiríveis por outros métodos ou meios de estudo..."

Conduzir experiências de controle da mente humana é claramente ilegal e imoral. Elas são mais sofisticadas do que nunca hoje, e afirmações de que as experiências do MK-ULTRA foram paradas nos anos 70 eram falsas. Renomeadas elas continuam e muito mais.

A Longa História de Experiências Humanas na América

Os exemplos precedentes incluem:

- Em 1931, Dr. Cornelius Rhoad infectou seres humanos com células de câncer sob a proteção do Instituto Rockefeller para Investigações Médicas; Rhoads mais tarde conduziu experiências de exposição de radiação em soldados americanos e pacientes civis do hospital;

- Em 1932, começou o estudo de sífilis Tuskegee em 200 homens negros; eles não eram informados de sua doença, tinham negado tratamento, e eram usados como cobaias humanas para seguir os sintomas e progressão de sua doença; todos eles morreram subsequentemente;

- Em 1940, 400 prisioneiros de Chicago foram infectados com malária para estudar os efeitos de novas drogas experimentais;

- De 1942/1945, a marinha dos Estados Unidos usou seres humanos (trancados em câmaras) para testar máscaras e roupas de gás;

- Desde os anos 40 experiências de radiação em humanos eram conduzidas para testar seus efeitos e determinar quanto podia matar; sujeitos involuntários eram usados em prisões, hospitais, orfanatos, e hospícios, incluindo homens, mulheres, crianças e bebês em gestação de todas as raças, principalmente pessoas das categorias sócio-econômicas mais baixas; Em adição, mais de 200.000 soldados americanos foram expostos testes nucleares acima do solo; muitos depois ficaram doentes e morreram;

- Em 1945, a comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos (AEC) implementou o "Programa F," o mais exaustivo estudo americano dos efeitos do flúor na saúde - um componente chave na produção da bomba atômica e um dos produtos químicos mais tóxicos conhecido; ele causa marcados efeitos adversos no sistema nervoso central; no interesse da segurança nacional, a informação foi suprimida;

- Em 1945, os pacientes do hospital da Virgínia se tornaram cobaias para experiências médicas;

- Em 1947, o coronel da A.E.C E.E Kirkpatrich emitiu o documento secreto #07075001, afirmando que a agência começará a administrar doses intravenosas de substâncias radioativas em seres humanos;

- Em 1949, o exército dos Estados Unidos liberou agentes biológicos em cidades americanas para estudar os efeitos do ataque de germes reais na guerra; testes continuaram secretamente até pelo menos os anos 60 em São Francisco, Nova York, Washington, DC, Cidade do Panamá e Key West, Flórida, Minnesota e outros locais do meio-oeste, junto com Pennsylvania turnpike e outros lugares;

- Em 1950, o Departamento de Defesa (DOD, em inglês) começou a testar armas nucleares em espaço aberto em áreas de deserto, então monitoravam os residentes a favor do vento por problemas médicos e taxas de mortalidade;

- Em 1951, afro-americanos foram expostos a estimulantes potencialmente fatais como parte do teste de armas de fungos específicas para a raça na Virgínia;

- Em 1953, o Departamento de Defesa liberou gás de sulfeto de zinco cádmiun sobre Winnipeg, Canadá, St. Louis, Minneapolis, Fort Wayne, o Vale do Rio Monocacy, Maryland, e Leesburg, Virgínia - para determinar o quão eficientemente agentes químicos podem ser dispersos;

Em 1953, experiências conjuntas Exército-Marinha-CIA foram conduzidas em Nova York e São Francisco, expondo dezenas de milhares de pessoas aos agentes aéreos Serratia marcescens e Bacillus glogigii;

- Em 1955, a CIA liberou bactérias do arsenal de guerra biológica de Tampa, Flórida, para testar sua habilidade de infectar populações humanas;

- Em 1956, os militares americanos liberaram mosquitos infectados com febre amarela sobre Savannah, Georgia e Avon Park, Flórida, para testar os efeitos na saúde dos humanos;

- Em 1965, na Prisão Estadual Homesburg, prisioneiros da Philadelphia foram expostos a dioxina, o altamente tóxico agente laranja, para estudar deus efeitos cancerígenos;

- Em 1966, o sistema de metrô de Nova York foi usado para uma experiência de guerra com germes;

- Em 1969, um aparente agente nervoso matou milhares de ovelhas em Utah;

- Em 1970, A Revista Militar relatou que o desenvolvimento de "armas étnicas" foi intensificado para ser capaz de atingir grupos étnicos específicos que pensava-se serem suscetíveis a diferenças genéticas e variações de DNA;

- 1976, americanos foram avisados sobre o temor de uma gripe suína mais cedo, apressando todos a serem vacinados; milhões obedeceram, muitos dos quais se prejudicaram; 500 resultaram na Síndrome Guillan-Barre (GBS - uma desordem nervosa mortal); pessoas morreram de falha respiratória depois de paralisia severa, e os especialistas disseram que a vacina aumentou o nível de risco da GBS em oito vezes;

- Em 1985 e 1986, testes de agentes biológicos ao ar livre foram feito em áreas povoadas;

- Em 1990, cerca de 1.500 bebês negros e hispânicos de seis meses de idade de Los Angeles receberam uma vacina experimental para sarampo, nunca informaram aos pais dos riscos potenciais;

- Em 1990 e 1991 antes de ficar de prontidão para o Golfo Pérsico, todos os soldados dos Estados Unidos foram inoculados com vacinas experimentais de antraz e toxina botulínica, mesmo que fossem levantadas preocupações sobre seus efeitos adversos de longo prazo; cerca de 12.000 morreram e cerca de 30% se tornaram doentes de fatores não relacionados ao combate no que subsequentemente foi chamado Síndrome da Guerra do Golfo, o resultado da exposição a uma variedade de toxinas;

- Em 1994, o Senador Jay Rockefeller emitiu um relatório revelando que pelos últimos 50 anos ou mais, o Departamento de Defesa usou centenas de milhares de pessoal militar dos Estados Unidos, expondo-os a substâncias experimentais perigosas; os materiais incluíam gás mostarda e gás nervoso, radiação ionizante, substâncias psicoquímicas, alucinógenos e outras drogas;

- Em 1995, Dr. Garth Nicolson descobriu que agentes tóxicos usados durante a Guerra do Golfo foram pré-testadas nos prisioneiros do Departamento de Correções do Texas;

- Em 1996, o Departamento de Defesa admitiu que as tropas da Guerra do Golfo foram expostos a agentes químicos; e

- Em 2009, vacinas experimentais foram novamente usadas para inocular pessoas globalmente em resposta a outro badalado temor de Gripe Suína; diversos relatórios de doenças e mortes se seguiram.

Vítima do MK-ULTRA Maryam Ruhullah

Como uma vítima do MK-ULTRA, a memória de Ruhullah estava enfraquecida e de algum modo ainda está por causa do que ele experimentou. Ela explicou da seguinte forma.

No início dos anos 70 ela vivia em Boston, Massachusetts, era casada e tinha um filho de 6 anos, e como advogada trabalhava para uma firma prestigiosa, o nome da firma ela não pode se lembrar. "Um dia dois agentes federais vieram a casa dela sem aviso prévio," pedindo a ela para ser uma testemunha federal contra uma suposta personalidade do crime organizado. Para a segurança dela, eles explicaram, ela seria posta em custódia protetora por um período que não excederia seis meses. Pediram a ela para deixar a família e o emprego imediatamente, e não dizer nada ao marido dela nem ao patrão.

Ela "foi forçada a abandonar a casa dela com os agentes naquele mesmo dia." Ela não teve escolha, e "foi tratada mais como uma prisioneira do que testemunha." Ela não podia usar o telefone ou se comunicar com ninguém, era transferida frequentemente, e mantida em "lugares de baixo custo," durante o tempo no qual ela sua vida "se tornou uma sucessão de abusos e explorações."

"Até esse dia," ela diz, ela não sabe precisamente "quando ou porque o governo decidiu usá-la" para experiências do MK-ULTRA, "mas um dia ela foi mãe, esposa e advogada, então, depois não tinha memória de seu passado."

Tendo se recuperado parcialmente, ela lembra "tendo recebido tratamentos de eletrochoque não necessários medicamente. Isso foi feito para criar amnésia (para bloqueá-la) no centro da personalidade e substituir só com" as informações que precisava saber.

Ela se lembra "que o tratamento de choque dado a ela era tão severo e frequente que um dia alguma coisa aconteceu e" ela foi devolvida ao quarto dela. Ela agora fala de "uma longa lista de inacreditáveis explorações e abusos desumanos" feitos a ela.

No final dos anos 80, fragmentos de sua memória retornaram. Ela procurou informação sobre o caso dela através do requerimento da Lei de Liberdade de Informação, mas foi informada de que não havia sido encontrado nenhum registro. De 1992/1996, ninguém a ajudou até que um membro do B'nai Brith, Stephanie Suleiman, ofereceu-se para ajudar, mas precisava de algumas semanas para completar outro trabalho.

Quando Ruhullah recontactou ela, ela descobriu que essa "mãe de dois filhos de 32 anos morreu de ataque cardíaco," muito suspeito dada sua idade.

Ruhullah também explica que agentes federais pararam de se comunicar com ela. Suas experiências foram "totalmente removidas do registro público," e ela foi de "ser uma pessoa desaparecida para se tornar uma pessoa apagada." Ela agora está divorciada e incapaz de contactar seus filhos e antigos amigos. "O governo americano não quer a história dela contada."

Ela acrescenta que o "único caminho que ela pode medir a extensão de tempo retida é pela idade de seu filho. Ele tinha seis quando os agentes entraram em sua casa, e ele está agora com seus 13 anos." Ela se considera ter estado continuamente separada de seus filhos, netos, família, amigos, patrimônios, memórias e habilidades profissionais.

Ela chama cada dia "uma experiência de ser retida contra sua vontade enquanto vivia em um barril de arrogância burocrática que se recusa a reconhecer o que foi feito (tornado pior por impedí-la de conseguir sua vida de volta." Cada dia ela está "sendo mais machucada e tendo mais de sua vida roubada dela."

Ela diz que ela "não estava liberada da custódia." Depois de ser usada para experiências médicas, ela "recebeu uma falsa identidade implantada, depois foi deixada sem dinheiro e sem prova de sua verdadeira identidade ou linhagem." Ela ainda se considera uma prisioneira, um corpo sem uma personalidade, com pouco conhecimento de seu antigo eu, despida de tudo que importava em sua vida.

A história da MK-ULTRA e Ruhullah foi apresentada pelo Progressive Radio News Hour em 18 de fevereiro na The Progressive Radio Network.

Fonte: http://sjlendman.blogapot.com/2010/02/mk-ultra-cias-mind-control-program.html


Reblog this post [with Zemanta]

Um comentário:

Anônimo disse...

essas informações realmente são verdadeiras?
como faço para saber se são confiáveis ou não?

TECNICAS DE CONTROLE MENTAL