quarta-feira, 23 de maio de 2012

O Grupo dos Trinta – Programando o Colapso Financeiro Mundial



Um prefácio? Até tinha escrito um.

Depois pensei: “Tempo perdido. Publica e nada mais”.

Sim, acho que é isso. Não quero gastar o tempo dos Leitores e o meu também.


Enquanto deixamos que a nossa vida seja vendida como uma mercadoria qualquer, preferimos preencher o vazio com lobisomens, aventais, caveiras, antigos rituais ou beber da Fonte da Santa Ignorância, a televisão.

Aqui há uma conspiração, mas nada de alienígenas, vampiros ou Bicho-papão. É uma das conspirações nos moldes das leis. As mais aborrecidas e as únicas que resultam.

O que tinha escrito? “É preciso estudar”? Sim, sim, tá bom… No dia seguinte aparece um link para ver uma menina nua que dança numa festa maçónica.

Quem quer entender que entenda. E paciência.


Derivativos

O resultado dos Derivativos , que são produtos financeiros inteiramente compreensíveis para pouco mais de 200 pessoas em todo o mundo, é a crise financeira de 2007-2012. Foi uma brincadeirinha começada no escritório da AIG de Joseph Cassano em Londres, para iniciar um colapso global.

Não que tudo tenha sido culpa da AIG, porque antes já tinha nascido a bolha dos Derivativos dos subprime nos Estados Unidos, a bolha imobiliária, os criminosos Mers, os Servicers e os Derivativos tipo Frankestein (uma criação de Wall Street) que em breve acabaram por infectar todo o mercado financeiro e os bancos. A partir dai foi (e ainda é) possível começar o mantra do “controle orçamental”, da “austeridade”, o pesadelo da “Dívida Pública”.

De facto: esvaziar os Estados para torna-los impotentes.

Breve parênteses.

Tenho uma certa admiração acerca de quem inventou o esquema: foi possível criar algo com o qual apresentar ao povo-boi dados que “demonstram” como um excesso de despesa foi mortal pelas finanças dos vários Países.


Admiração? Sim, mesmo isso, dito sem ironia. Meus amigos, temos de reconhecer que foi e ainda é uma obra prima: é preciso saber pegar na arma que fica nas mãos dos cidadãos e torna-la numa arma contra os cidadãos. Cérebros finos, disso não há dúvidas.

E o resultado é que as pessoas, nas ruas, hoje falam da dívida pública como do pecado mortal dos anteriores políticos. Doutro lado, uma eventual tomada de consciência na internet é mantida sob controle com notícias estúpidas, sem sentido, até ridículas. Assim, nas ruas é maldita a salvação da sociedade enquanto no mundo informático é apontado o Bicho-papão.

Genial.

Mas fechamos a parênteses.


Os Derivativos são armas de destruição de massa, e “massa” é a palavra certa uma vez que estes activos-Frankenstein percorrem o planeta sem nenhum controle ou regulação para um valor total que assusta qualquer calculadora portátil.

Em 1994 o alarme tocou, com a Merrill Lynch que fez desaparecer 1,5 biliões de activos em Orange County (EUA), mas ninguém ligou e os activos continuaram a percorrer alegremente o planeta todo, até ocupar qualquer instituição bancária. Ainda hoje, os contratos OTC (Over the Counter, sempre produtos Derivativos) são livremente usados para destruir, como bem sabe o criminoso John Paulson.

Usando os Derivativos , um punhado de especuladores pode tranquilamente afundar um Estado soberano do G8, empurrá-lo até à beira da falência com consequências horríveis que têm o nome de desemprego, subemprego, suicídios, pobreza; pode obriga-lo a vender o património dos cidadãos, cortar salários, reformas e serviços, destruir o que ainda sobrar da democracia.

Não é difícil e tudo isso em troca de lucros incalculáveis dos especuladores, mas também do fascismo financeiro da União Europeia, aquele mesmo fascismo que impôs os Tratados mortais da UE, os mesmos para os quais nenhum cidadão da União alguma vez votou.

Estamos a falar duma arma de triliões de Dólares, 8 vezes o Produto Interno Bruto do Mundo, não sei se é claro.

Perante tudo isso, repito, façam uma pesquisa na internet e tentem encontrar alguma coisa acerca do Grupo dos Trinta. Resultado: pouco ou até nada. Isso é espantoso e realça, mais uma vez, a sofisticação de quem arquitectou este diabólico plano

O Grupo dos Trinta

O que faz este Grupo?

Os Leitores mais antigos já conhecem a resposta, pois o esquema é velho. Mas funciona.


Primeiro: destrói-se a capacidade do Estado para criar e controlar qualquer riqueza financeira significativa (a “superstição ou a histeria da Dívida Pública”, como diz P. Samuelson). Nesta altura, a criação da riqueza financeira continua a ser significativa apenas nas mãos dos mercados de capitais, dos quais os Estados acabam por depender totalmente.

Segundo: os mercados de capital, agora donos e soberanos, encarregam lobbies e tecnocratas para que possam ser criadas leis, ferramentas institucionais e instrumentos de propaganda que permitam optimizar o saque global.

Terceiro: os governos, impedidos de criar qualquer tipo de riqueza, são totalmente dependentes da chantagem dos mercados e de quem estes controla, sendo assim obrigados a engolir ou directamente ignorar as aberrações especulativas, como a existência dos OTC.

Depois disso, os golpes financeiros são quase uma piada.


Agora, voltem até o segundo ponto, aquele da lobbies e dos tecnocratas: é aqui que encontramos, em destaque absoluto, o Grupo dos 30.

Em 1978, Rockefeller (tinha que ser, não é?) ajuda a criar o grupo. Serão 30 membros rotativos, mas sempre 30 indivíduos. E o que está definindo é muito mau desde o início: são quase todos os homens que trabalham com a mão direita na especulação financeira e com a esquerda na regulamentação governamental da mesma. Isso não tem piada nenhuma: um grupo assim deveria ser preso.

Eleni Tsingou, na sua investigação académica acerca do Grupo (em 2003):
Este grupo não apenas legitimou a participação do sector privado nas políticas do Estado, mas também permitiu que os interesses privados se tornassem o centro das decisões político-financeiras. Isto porque muitos dos seus membros são aqueles mesmos políticos que o grupo pretende convencer.
O Grupo dos 30, então, começou o trabalho com cérebros de primeira grandeza e bem recheado de dinheiro. Não faltava nada e os resultados não demoraram. Em 1993, o Grupo publicou o primeiro estudo abrangente sobre os produtos Derivativos: Derivatives: Practices and Principles.

Os controladores das transacções financeiras de América e Europa encontravam-se no meio do nevoeiro mais denso acerca destes produtos, portanto aceitaram o estudo de braços abertos: até que enfim, alguém que explica alguma coisa. Só que a ignorância não permite contrariar as conclusões, e as conclusões do Grupo dos 30 eram essencialmente duas:
  • os derivados OTC são essenciais porque “representam novas formas de compreender, medir e gerir o risco financeiro” (esta é lindíssima: os produtos financeiros mais arriscados alguma vez criados deveriam ter reduzido o risco)
  • e, em segundo lugar: foi salientado que “a chave para o uso de Derivativos é a auto-regulação: as regras estatais intrusivas teriam arruinado a elasticidade do produto e impedido a inovação financeira” (que significa: as leis são feitas por nós, privados, porque vocês, políticos, nem sabem do que estamos a falar. O que era bem verdade)
E para não fazer a figura das bestas ao quadrado, o que fez a maioria dos políticos? Seguiram os principais leader políticos que eram, na melhor das hipóteses, pagos pelas elites financeiras. Verdade seja dita: encontrar material informativo acerca dos Derivativos não era simples na altura.

Mas no estudo citado o Grupo dos 30 também ousou mais e escreveu que os auditores deviam “ajudar a remover a incerteza das normas legais e fornecer um tratamento fiscal [isso é, os impostos, ndt] favorável perante os Derivativos”.

Um trabalho teórico nada mal, preparado e divulgado com o lubrificante gentilmente fornecido pela JPMorgan.


Apesar da audácia dessas linhas, os três principais órgãos de controle (o Comité de Basileia, o Congresso dos EUA e a Federal Reserve) acharam a ideia da auto-regulamentação bem simpática e começaram a remar contra aqueles que lançavam o alarme: veja-se o caso de William K. Black.

Nesta altura, duas das mais poderosas lobbies financeiras anglo-saxónicas, o Institute for International Finance(IIF) de Washington e a Investment Banking Association (IBA) de Londres lançaram na mesa de negociações as suas propostas para a auto-regulamentação dos Derivativos , com o óbvio total apoio do Grupo dos 30. Tanto para ter uma ideia, o IIF é a lobby que algumas semanas atrás deu as ordens na negociação-suicídio da Grécia para o segundo resgate.

O resultado de quanto dito até aqui: a oportunidade de entender e controlar a destrutividade dos Derivativos apresentou-se no início da década dos Noventa. O Grupo dos Trinta foi o principal actor na operação para tornar inútil qualquer tentativa de trazer sob controle público estes assassinos financeiros, cujas consequências bem conhecemos.

Vamos ver alguns dos nomes.

Apenas alguns, é suficiente.


São estas as pessoas que arruinaram a vida de centenas de milhões de famílias, milhões de empresas, das democracias dos principais Países ocidentais, para não mencionar os horrores do Terceiro Mundo e o Ambiente.


Estes senhores (não sozinhos, claro, há outros também) criaram e defenderam um dispositivo termonuclear fora de controle hoje representado por 650.000.000.000.000 de Dólares de Derivativos que pode arrasar o planeta.


Este senhores perpetraram um golpe financeiro único na História.

Paul A. Volcker presidente da Federal Reserve (o banco central dos EUA), mas também homem da Chase Manhattan Bank.
Lord Richardson of Duntisbourne, governador do Banco Central da Inglaterra, mas também homem da Lloyds Bank.
Jacob A. Frenkel, governador do Banco Central de israel, mas também homem da Merrill Lynch International.
Geoffrey Bell, Ministro do Tesouro da Grã-Bretanha, também director da Schroders.
Domingo Cavallo, que foi Ministro da Economia da Argentina, pai do terrível desastre económico no País do Sul América.
Gerald Corrigan, Presidente da Federal Reserve Bank de New York, mas também Managing Director da Goldman Sachs e da Morgan Stanley.
Guillermo de la Dehesa, Governador do Banco Central da Espanha, Ministro das Finanças, mas também banqueiro do Banco Santander Central Hispanico e da Goldman Sachs.
Armínio Fraga Neto, Governador do Banco Central do Brasil, mas pago também pela Solomon Brothers NY e Soros Fund Management.
Toyoo Gyohten, Ministro das Finanças do Japão, mas também executivo do Bank of Tokyo.
Gerd Hausler, governador da Bundesbank (o banco central alemão), mas também no Dresdner Bank.
Mervyn King, governador do Banco da Inglaterra.
Jacques de Larosière Conseiller, governador do Banco Central da França, também executivo-chefe do BNP Paribas.
William McDonough, do Departmento de Estado dos Estados Unidos, pago também pela First National Bank of Chicago. 
Tomasso Padoa-Schioppa, Comissão Europeia, vice-director da Banca d’Italia, BCE, FMI e Bildberg.
Lawrence Summers, Secretário do Tesouro dos EUA, fiel do grupo Bilderberg. 
Jean-Claude Trichet, ex governador do Banco Central Europeu mas também Ministro das Finanças francês e parte do Grupo Bilderberg.
Axel A. Weber, presidente da Bundesbank, mas também membro do Conselho Europeu do Risco Sistémico e Conselho de Estabilidade Financeira e presidente do banco UBS.
Adair Turner, presidente da Autoridade de Serviços Financeiros da Grã-Bretanha, vice-presidente do banco Merrill Lynch Europa. 
Gerd Häusler, que trabalhou no Relatório de Estabilidade Financeira Global, no Fórum de Estabilidade Financeira, Director do Instituto de Finanças Internacionais em Washington e mesmo do grupo de consultoria financeira Lazard.
Mario Draghi, Governador do BCE.
Paul Krugman, economista.
Paul Krugman???

Com certeza, meus senhores: porque o facto duma pessoa saber qual o caminho certo não significa que depois não possa seguir o caminho mau (“façam como eu digo mas não como eu faço…”).


Aqui não se fala de conflitos de interesse bilionários, aqui fala-se dos mestres das finanças globais, dos mais importantes bancos centrais do mundo, de gigantes do sector bancário, de especulação global e dos maiores controladores do mesmo, tudo envolvido numa amálgama obscena.

Este é o Grupo dos Trinta, a lobby que ajudou deforma decisiva a provocar este cenário assustador, esse nível de criminalidade internacional. Trinta indivíduos em rotação, mas apenas trinta.

Coisas reais, tragicamente verdadeiras como verdadeiro são os nomes aqui apresentados.


Por cada um dele seria preciso preencher páginas e páginas.


Há os nomes de quem deveria ter controlado a finança, criado segurança, construído barreiras legais para proteger o resto da sociedade.

Há os nomes de quem elaborou relatórios públicos que diziam “está tudo bem” quando, na mesma altura, cuidava dos próprios interesses nas instituições privadas.


Para ler o todos os nomes dos actuais membros do Grupo dos Trinta e ver as caras deles também é possível aceder ao site do Grupo (pois tem um site, porquê esconder-se?): Group of Thirty.

E nada mais.

Fonte: www.fimdostempos.net
Enhanced by Zemanta

Nenhum comentário:

Controle total do sistema : cientistas criam o chip-órgão que pode emular o corpo;

 “No futuro, você será um microchip – O “xeque-mate” contra a humanidade! By  Bruno Asher ,  www.apocalipsenews.com Setembro 14º, 201 7...