segunda-feira, 7 de maio de 2012

O aparato global de espionagem: Vocês são todos suspeitos agora. O que você vai fazer a respeito disso?

wikileakswikileaks (Photo credit: Sean MacEntee)
O aparato global de espionagem: Vocês são todos suspeitos agora. O que você vai fazer a respeito disso?


Vocês todos são potenciais terroristas. Não importa se você vive na Inglaterra, Estados Unidos, Austrália ou Oriente Médio. A cidadania está efetivamente abolida. Ligue seu computador e o Centro de Operações do Departamento Nacional de Segurança Interna pode monitorar se você está digitando não simplesmente "al-Qaeda", mas "exercício", "instrução", "onda", "iniciativa" e "organização": todas palavras proscritas. O anúncio do governo britânico de que pretende espionar cada email e chamada telefônica está ultrapassado. O satélite aspirador de pó conhecido como Echelon tem feito isso por anos. O que mudou é que um estado de guerra permanente foi lançado pelos Estados Unidos e o estado policial está consumindo a democracia ocidental.

O que você vai fazer a respeito disso?

Na Inglaterra, em instruções da CIA, tribunais secretos vão lidar com "suspeitos de terror". O Habeas Corpus está morrendo. A Corte Europeia de Direitos Humanos determinou que cinco homens, incluindo três cidadãos britânicos, podem ser extraditados para os Estados Unidos, embora ninguém, exceto um deles, tenha sido acusado por um crime. Todos foram aprisionados por anos sob o Tratado de Extradição Estados Unidos/Inglaterra que foi assinado um mês depois da invasão criminosa do Iraque. A Corte Europeia tinha condenado o Tratado como suscetível de conduzir a "punição cruel e incomum". Um dos homens, Babar Ahmad, foi recompensado com 63.000 libras por 73 lesões registradas que ele sofreu sob a custódia da polícia metropolitana. Abuso sexual, a assinatura do fascismo, estava no topo da lista. Um outro homem é um esquizofrênico que sofreu um total colapso mental e está no hospital de segurança de Broadmoor; um outro é um risco de suicídio. Para a terra dos homens livres eles vão -- junto com o jovem O'Dwyer, que enfrenta 10 anos com algemas e um macacão laranja porque supostamente infringiu direitos autorais americanos na internet.
Como a lei é politizada e americanizada, esses disfarces não são atípicos. Na sustentação da acusação de um estudante da Universidade de Londres, Mohammed Gul, por disseminar 'terrorismo' na internet, os juízes da corte de apelação de Londres determinaram que "atos...contra as forças armadas de um Estado em qualquer lugar do mundo que procurassem influenciar um governo e fossem feitos por propósitos políticos" agora eram crime. Chamar para o banco dos réus Thomas Paine, Aung San Suu Kyi, Nelson Mandela.

O que você vai fazer a respeito disso?

O prognóstico é claro agora: A malignidade que Norman Mailer chamou "pré-fascista" se espalhou. O procurador geral dos Estados Unidos, Eric Holder, defende o "direito" de seu governo de assassinar cidadãos americanos. Israel, o protegido, está permitido a apontar suas ogivas ao Irã sem ogivas. Nesse mundo de espelhos, a mentira é panorâmica. O massacre de 17 civis afegãos em 11 de março, incluindo pelo menos nove crianças e quatro mulheres, é atribuído a um soldado americano "perigoso". A "autenticidade" disso é atestada pelo próprio presidente Obama, que tinha "visto um vídeo" e o considera como "prova conclusiva". Uma investigação parlamentar independente afegã produz testemunhas que dão provas detalhadas de pelo menos 20 soldados, ajudados por um helicóptero, destruindo suas vilas, matando e estuprando: um padrão, se marginalmente um "ataque noturno" mais mortífero das forças especiais.
Tire a tecnologia de matar estilo videogame, a contribuição americana para a modernidade, e o comportamento é o tradicional. Imersos na justiça dos quadrinhos, mal ou brutalmente treinados, frequentemente racistas, obesos e guiados por uma classe de oficiais corruptos, as forças americanas transferem o homicídio doméstico para lugares distantes cujas lutas empobrecidas eles não podem compreender. Uma nação fundada no genocídio das populações nativas nunca abandona o hábito. Vietnam foi o "território indígena" e suas "brechas" e "asiáticos" eram para ser "desintegrados".

desintegração de centenas na maior parte de crianças e mulheres nas aldeias vietnamitas de My Lai em 1968 foi também um incidente "vagabundo" e, grossamente, uma "tragédia americana" (A matéria de capa da Newsweek). Somente um dos 26 homens julgados foi condenado e foi libertado pelo presidente Richard Nixon. My Lai está na província de Quang Ngai onde, como eu aprendi como repórter, um número estimado de 50.000 pessoas foram mortas pelas tropas americanas, a maior parte no que eles chamaram de "zonas de fogo livre". Esse era o modelo da guerra moderna: assassinato industrial.

Como no Iraque e na Líbia, o Afeganistão é um parque temático para os beneficiários da nova guerra permanente da América: OTAN, os armamentos e empresas de alta tecnologia, a mídia e a indústria de "segurança" cuja contaminação lucrativa é uma doença contagiosa na vida cotidiana. A conquista ou "pacificação" do território é importante. O que importa é a pacificação de você, o cultivo de sua indiferença.

O que você vai fazer a respeito disso?

A descida para o totalitarismo tem marcos. A qualquer dia agora, a Suprema Corte em Londres decidirá se o editor da Wikileaks, Julina Assange, vai ser extraditado para a Suécia. Caso este apelo final falhe, esse facilitador de contar a verdade em escala épica, que não é acusado de nenhum crime, enfrenta confinamento na solitária e interrogatório sobre ridículas alegações sexuais. Graças a um acordo secreto entre Estados Unidos e Suécia, ele pode ser "emprestado" a um gulag americano a qualquer momento. Em seu próprio país, a Austrália, a primeiro ministro Júlia Gillard conspirou com os de Washington que ela chama seus "verdadeiros colegas" para assegurar que seu inocente concidadão seja equipado com seu macação laranja em caso de ele voltar para casa. Em fevereiro, seu governo escreveu uma "Emenda Wikileaks" para o tratado de extradição entre Austrália e EUA que torna mais fácil para seus "colegas" por suas mãos nele. Ela até deu a eles o poder de aprovação sobre a liberdade de busca de informações, de forma que o mundo exterior possa ser enganado, como é habitual.

O que você vai fazer a respeito disso?

Fonte: www.globalresearch.ca
Enhanced by Zemanta

Nenhum comentário:

Fortalecer a Máquina do Governo Mundial: A Era da Política Espiritual Global

Forcing Change , Volume 9, Edição 5. Autor : Carl Teichrib. É impressionante o que o tempo revela. Meses atrás, tive a oportunid...