terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Crise financeira, Moeda Única e Governo Mundial.

O Espectro de Wall StreetImage by *Bloco via Flickr

Qualquer que seja o papel que os governos venham a assumir será um empreendimento público de ação e iniciativa, que será algo que orientará, organizará e dirigirá também a economia privada. Será muito mais uma economia mista do que tem sido até agora...

Fonte: bog Fatos em Foco
http://www.artureduardo.blogspot.com

O texto acima é parte de uma entrevista do historiador Eric Hobsbawn, considerado um dos mais importantes historiadores do século XX.

A entrevista foi dada a Rádio 4 inglesa, durante o auge da crise financeira mundial, o historiador que é marxista, advoga uma análise marxista sobre a forma como o capitalismo opera.

Ele diz em outro trecho: "Não sabemos o que virá pela frente. Temos um problema intelectual: estávamos acostumados a pensar até então que havia apenas duas alternativas: ou o livre mercado ou o socialismo. Mas, na realidade, há muito poucos exemplos de um caso completo de laboratório de cada uma dessas ideologias. Então eu acho que teremos de deixar de pensar em uma ou em outra e devemos pensar na natureza da mescla. E principalmente até que ponto esta mistura será motivada pela consciência do modelo socialista e das conseqüências sociais do que está acontecendo."

Isso é bastante revelador porque um importante historiador, de renome mundial, revela que a economia será moldada de uma forma mista depois dessa crise financeira, ou como ele diz, será uma mescla.

Isso nos leva diretamente a declaração de Mikhail Gorbachev, que em pronunciamento disse que "uma alternativa entre capitalismo e comunismo estará sendo oferecida em um futuro próximo", isso foi dito por Gorbachev a Revista Time em 25/5/1992.

Ele está na verdade afirmando que existem 3 sistemas de governo; o capitalismo, o comunismo e um outro que está por vir. Este não seria nem capitalismo nem socialismo, mas uma mescla. Não foi isso que Eric Hobsbawn afirmou na entrevista?

A economia mundial está agora a se mover rapidamente em direção a esse sistema misto. Os Estados Unidos gastaram bilhões de dólares de dinheiro público para socorrer os bancos e as empresas privadas, o mesmo foi feito na Europa.

O governo é agora um componente importante na economia, podendo ditar as diretrizes de investimento das empresas, não somente como regulador, mas também como sócio e gestor.

A criação de crises globais, que por serem globais exigem soluções globais, como o aquecimento global e a crise financeira global são passos importantes nos planos para criação de um Governo Mundial.

Texe Mars, um professor cristão da Universidade do Texas, afirmou que "os senhores do dinheiro declararam que o sonho de dominar o mundo só será possível se houver uma crise financeira total, um colapso financeiro".

A prioridade seria acabar com todos os pequenos bancos submetendo-os ao domínio de um superbanco central.

Durante esse período de crise faliram aproximadamente 150 pequenos bancos americanos, eram bancos regionais que pela falta de crédito declaram falência, na outra ponta o banco central, o FED, aumentava sua participação no mercado financeiro, comprando as dívidas dos bancos e financiando as empresas descapitalizadas.

O plano é criar um novo sistema monetário, destruindo o atual sistema através de uma "quebradeira" proposital. Um artigo da revista The Economist, uma das mais conceituadas publicações da área financeira da Inglaterra dizia:

"Prepare-se para a nova moeda que entrará em circulação: a moeda tendo o desenho do pássaro fênix".

A matéria dessa revista afirmava ainda que a única solução para a crise financeira mundial será a nova moeda que poderá ser chamada de "A Fênix”.

Outra citação do poderoso banqueiro David Rockefeller:

"Estamos no limiar de uma transformação global. Tudo o que precisamos é de uma crise mundial no momento certo, e as nações aceitarão a Nova Ordem Mundial." Um dos livros do movimento afirma que:

"O plano da ordem esmagará a América economicamente com uma depressão tão grande, que fará com que a de 1929 não seja nada! O pânico financeiro fará com que as elites da "Ordem" criem uma nova moeda mundial."

Na reunião do G-8 na Itália em 2009 o presidente russo Dmitry Medvedev apresentou o que seria o modelo de uma "moeda corrente de um futuro mundo unido".

O megainvestidor George Soros largou sua aposentadoria e voltou ao comando de seus negócios durante a crise financeira, em artigo do Portal Terra Soros defende uma reforma profunda no sistema financeiro internacional, ele também defende um novo sistema de moedas. E que o FMI seja o fiador do processo, criando uma cesta de moedas em substituição ao dólar, que está bastante desvalorizado em relação as outras moedas.

Podemos concluir então que a crise financeira não foi um problema causado unicamente pelas hipotecas americanas, mas um plano de longo prazo com o objetivo de destruir a economia capitalista, simbolizada pelos Estados Unidos, e implantar um sistema econômico misto.

Esse sistema misto está em pleno desenvolvimento agora mesmo nos Estados Unidos e no resto do mundo. A economia de livre mercado está agora sendo substituída por um sistema de intervencionismo estatal, de cunho socialista, como previa Hobsbawn e como declarou Gorbachev em 1992.

Estamos vendo a Nova Ordem Mundial sendo construída diante de nossos olhos. O próximo passo será a implantação da Moeda Única Mundial e finalmente o Governo Mundial.

O tempo da liberdade está se esgotando!

O Observador.











Reblog this post [with Zemanta]

Nenhum comentário: