segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Cyber tecnologias invasivas e privacidadde na internet: O Big Brother está a distância apenas de um "toque" ou clique do mouse

Seal of the Central Intelligence Agency of the...Image via WikipediaCyber tecnologias invasivas e privacidade na internet: O Big Brother está a distancia apenas de um "toque" ou clique do mouse.

Por Tom Burghardt

Enquanto eles caminhavam ao longo da movimentada fileira de escritórios, amarelo iluminada, Anderson disse: "Você está familiarizado com a teoria do pré-crime, é claro.

Presumo que podemos tomar isso como garantido." - - Philip K. Dick, The Minority Report

O que o Google, a CIA e várias das assim chamadas start-ups de "comportamento preditivo" tem em comum?

Eles estão interessados em você, ou mais especificamente, em seus interesses online - do Facebook aos posts do Twitter, e das fotos do Flickr ao Youtube e entradas do blog - podem ser explorados por poderosos algoritmos de computador e subsequentemente transformados em "inteligência acionável".

E se o conhecimento adquirido a partir de um endereço IP é voltado para a venda de lixo inútil ou a inserção de um nome no banco de dados de aplicação da lei não importa nadinha. É tudo "apenas dado" e "zumbido" diz o mantra, junto com o pouco que resta de nossa privacidade e nossos direitos.

Crescentemente, agências secretas estatais variando da CIA a Agência de Segurança Nacional estão despejando milhões de dólares em firmas de mineração de dados que afirmam que podem identificar quem você é ou que você pode fazer no futuro. 

E ainda por cima, a última moda em capinação de dissidentes e inconformistas da paisagem social estará em breve invadindo um local de trabalho perto de você; na verdade, já está.

Bem vindo ao sinistro mundo do "Pré-crime" onde fraudadores capitalistas, lojas de espionagem com drogas e manchadas de tortura estão todas trabalhando poderosamente para reprimir cada último vestígio de pensamento livre aqui em nossa pátria.

A CIA entra na Organização

Em julho, o jornalista de segurança Noah Shachtman revelou na Wired que "os braços de investimento da CIA e da Google estão ambos apoiando uma companhia que monitora a web em tempo real - e diz que usa essa informação para prever o futuro."

Shachtman relatou que a companhia de investimento semi privada da CIA, a In-Q-Tel, e a Google Ventures, a divisão de negócios da gigante das buscas, tinham feito parceria com um grupo duvidoso chamado Recorded Future despejando, de acordo com algumas estimativas, 20 milhões de dólares na empresa nascente.

O anúncio no website da In-Q-Tel informa-nos que a "Recorded Future extrai informação de tempo e de eventos a partir da web. A companhia oferece aos usuários novas maneiras de analisar o passado, o presente e previsões para o futuro."

Quem esses onipresentes embora sem nome "usuários" são ou o que eles poderiam fazer com essa informação uma vez que eles a "extraia" da web não é dito. Contudo, julgando pelo interesse que a entidade conectada a CIA tem expressado no financiamento da companhia, privacidade não figurará de forma destacada nas "novas maneiras" em que tais ferramentas serão usadas.

A Wired informou que a companhia, fundada pelo ex-ranger do exército sueco Christopher Ahlberg, "vasculha dezenas de milhares de websites, blogs e contas de Twitter para descobrir as relações entre pessoas, organizações, ações e incidentes - tanto presentes como ainda por vir."    

"A coisa legal é" Ahlberg disse, "que você pode realmente predizer a curva, em muitos casos." 

E com o interesse da gigante das buscas em "prever o futuro" para o segredo de estado, não seria a primeira vez que a Google Ventures vendeu equipamento e conhecimentos para os guerreiros das sombras da América.

Enquanto a empresa pode se orgulhar do slogan corporativo, "não seja mau", informação é uma commodity valiosa. E onde há valor, há dinheiro a ser feito. Venha ele na forma de "aumento de valor de ações" através da venda de informação privada para comerciantes ou agências de inteligência ávidas para aumentar a "consciência situacional" da "batalha espacial" é uma questão de completa indiferença para os contadores de feijão corporativos.

Afinal de contas, como o CEO da Google Eric Schmidt disse a CNBC no ano passado, "se você tem alguma coisa que não quer que ninguém saiba, talvez você não devesse estar fazendo isso em primeiro lugar."

Mas esse padrão, "somente pessoas más tem alguma coisa a esconder," é infinitamente mutável e pode ser estendido - ou manipulado como tem tão frequentemente sido o caso nos Estados Unidos - para englobar tudo de conspirações "papistas", imigrantes "ilegais", homossexualidade, comunismo, uso de drogas, ou a última besta negra americana: a "ameaça muçulmana". 

Schmidt continuou a dizer que "a realidade é que mecanismos de busca, incluindo o Google, realmente retém essa informação por algum tempo. E todos estamos sujeitos, nos Estados Unidos ao Ato Patriota, e é possível que essa informação poderá estar disponível para as autoridades."

Em fevereiro, o The Washington Post reportou que "a maior companhia de buscas na internet e a mais poderosa organização de vigilância eletrônica do mundo estão se unindo em nome da cybersegurança."

"A aliança" entre Google e a NSA "está sendo planejada para permitir as duas organizações partilharem informações críticas sem violar políticas da Google ou leis que protegem a privacidade das comunicações online dos americanos," o Post alegou.

Uma fonte anônima disse ao Post que "o acordo não significa que a NSA estará visualizando as buscas dos usuários ou contas de e-mails ou que a Google estará compartilhando dados de propriedade industrial."

Realmente?

Na primavera passada foi revelado que os carros do Google Street View tinham estado aspirando secretamente terabytes de dados privados de WiFi por mais de três anos em toda a Europa e Estados Unidos. 

O Sunday Times reportou que a empresa tinha "estado pegando trechos de atividades online de pessoas em redes desprotegidas de transmissões de WiFi domésticas e de negócios."

Em julho, investigação "Top Secret America" do The Washington Post divulgou que o Google fornece mapeamento de fontes e pesquisa de produtos para o estado secreto dos Estados Unidos e que seus empregados, terceirizados contratados da inteligência para o Departamento de Defesa, podem ter surrupiado dados de WiFi de seus clientes como parte de um projeto de vigilância da NSA.

E quanto as buscas em email e na web? Ano passado, The New York Times revelou que a interceptação da NSA de "chamadas de telefone particular e mensagens de e-mail de americanos é maior do que reconhecida anteriormente." De fato, um ex-analista da NSA descreveu como ele foi treinado forte em 2005 "para um programa no qual a agência rotineiramente examinava grandes volumes de mensagens de e-mails de americanos sem autorização judicial."  

Esse programa, nome código PINWALE, e a espionagem de mineração de meta dados da NSA operação STELLAR WIND, continuam sob Obama. Na verdade, The Atlantic nos contou na época que PINWALE "é atualmente um termo proprietário desclassificado usado para se referir ao software de mineração de dados que o governo usa." 

Mas as relações improváveis entre as gigantes das comunicações como a Google e o estado secreto não param aqui.

Mesmo antes que a Google procurasse uma assistência da Agência Nacional de Segurança para proteger suas redes depois de uma alegada brecha pela China no ano passado, em 2004 a empresa tinha adquirido a Keyhole, Inc., uma start-up financiada pela In-Q-Tel que desenvolvia imagens 3-D espiãs no céu; A Keyhole se tornou a espinha dorsal para o que depois evoluiu para o Google Earth. 

Na época do nosso investimento inicial, a In-Q-Tel disse que o "relacionamento estratégico da Keyhole... significa que a Comunidade de Inteligência pode agora se beneficiar de grande escalabilidade e alto desempenho da solução da empresa Keyhole."

O então CEO da In-Q-Tel, Gilman Louie, disse que a spy shop venture capitalists investiu na empresa "porque dava aos usuários governamentais e comerciais uma nova capacidade de melhorar radicalmente a tomada de decisões críticas. Através de sua habilidade de fluir um enorme conjunto de dados geoespacial na internet e redes privadas, a Keyhole criou uma maneira inteiramente nova de interagir com imagens da terra e recursos de dados."

Ou, como pode ser visto diariamente o "teatro" AfPak entrega excitantes novas maneiras de matar pessoas. Agora isso é inovação!

Isso foi antes, agora a gigante das buscas e o braço de investimento da CIA estão bancando produtos que levarão a invasão de privacidade a um nível completamente novo.

Uma oferta promocional da up-and-comers no mercado de comportamento preditivo, Recorded Future - um documento sobre Análise Temporal assevera que "diferente de mecanismos de busca tradicionais que focalizam em recuperação de dados e deixa a análise para o usuário, nós nos esforçamos para oferecer ferramentas que ajudam na identificação e compreensão da evolução histórica, e que podem também ajudar a formular hipóteses sobre e dá pistas de prováveis eventos futuros. Nós decidimos sobre o termo "análise temporal" para descrever análise de tarefas orientadas pelo tempo suportadas pelos nossos sistemas."

Grande no departamento da hipérbole, a Recorded Future afirma ter desenvolvido um "mecanismo de análise, que vai além da busca, analisa links explícitos e adiciona análise implícita de links, olhando para os "links invisíveis" entre documentos que falam sobre as mesmas, ou relacionadas, entidades e eventos. Fazemos isso pela separação de documentos e os conteúdos sobre o qual eles falam."

De acordo com a aspirante a habilitadora do Big Brother, a "Recorded Future também analisa a 'a dimensão tempo e espaço' dos documentos - referências para quando e onde um evento tomou lugar, ou mesmo quando e onde terá lugar - uma vez que muitos documentos atualmente se referem a eventos que se espera tomem lugar no futuro."

Somando-se a um autêntico fator de deformação, os farsantes tecnocráticos declaram que estão "adicionando mais componentes, exemplo, análise de sentimentos, que determina qual atitude um autor tem em relação com o tópico dele/dela, e quão forte essa atitude é - o estado afetivo do autor."

Fortemente contrário ao projeto imperial da América para roubar recursos de outras pessoas no Afeganistão e Iraque, ou, crime dos crimes, ter a temeridade de escrever ou se organizar contra isso. Um passo direto nessa direção, a Recorded Future tem seus olhos sobre você e venderá essa informação pelo maior lance!  

Além do mais, como Mike Van Winkle, um figurante do Centro de Informação Anti-Terrorismo disse de forma incorreta ao Oakland Tribune em 2003 depois que policiais de Oakland ferirem dezenas de estivadores de peacenik em uma passeata no porto contra a guerra: "Você pode fazer um tipo fácil de ligação que, se você tem um grupo de protesto protestando contra a guerra onde a causa que está sendo travada é contra o terrorismo internacional, você poderia ter terrorismo nisso (no protesto). Você pode quase argumentar que um protesto contra isso é um ato terrorista."

E com a "análise de sentimentos" da Recorded Future tais "ligações" serão ainda mais fáceis de construir.   

Não importa que o prestigioso Conselho Nacional de Pesquisa da Academia Nacional de Ciências emitiu um relatório mordaz em 2008, Protegendo a Privacidade Individual na Luta Contra Terroristas: Uma Estrutura Para Avaliação, que menospreza a utilidade da mineração de dados e análise de ligações como ferramentas efetivas de contraterrorismo.

"Muito mais problemático," o Conselho Nacional de Pesquisa nos informa, "são técnicas de mineração de dados automatizadas que procuram em bancos de dados por padrões incomuns de atividade não conhecidos ainda estar associados com terroristas." Desde que "tão pouco é conhecido sobre quais padrões indicam atividade terrorista" o relatório declara, técnicas espertalhonas tais como a análise de ligações "são suscetíveis de gerar enorme número de pistas falsas."

Quanto ao super exagerado "análise de sentimento" da Recorded Future o Conselho Nacional de Pesquisa desmascarou, alguém poderia mesmo dizer preventivamente, as alegações duvidosas do nosso candidato a especialista em pré-crime. "O comitê também examinou as técnicas de vigilância comportamental, que tentam identificar terroristas pela observação do comportamento ou medição de estados psicológicos.

A conclusão deles? "Não há consenso científico sobre se essas técnicas estão prontas para uso em contraterrorismo efetivamente.” O Conselho Nacional de Pesquisa afirmou que esta técnica "tem enorme potencial para violações de privacidade porque elas irão inevitavelmente forçar os indivíduos visados a explicar e justificar seu estado mental e emocional, miseravelmente."   

Não que tais fatos inconvenientes importem para a Recorded Future ou seus patrões na assim chamada comunidade de inteligência que afinal de contas, está no assento do motorista quando os produtos da empresa de inteligência "fazem previsões sobre o futuro."

Afinal de contas, como Ahlberg e seu bando feliz de invasores de privacidade nos informam: "Nossa missão não é ajudar nossos clientes a encontrar documentos, mas capacitá-los a entender o que está acontecendo no mundo."

O melhor para obter uma vantagem sobre a concorrência ou saber em quem mirar.

O "Verdadeiro Você"

Para não serem ultrapassados por agências de espionagem do mundo negro, seus parceiros corporativos terceirizados ou gurus futuristas fazem suas ofertas, a publicação high-tech Datamation, nos disse no mês passado que o conceito pré-crime "vai chegar muito em breve ao mundo dos recursos humanos (RH) e gestão de pessoas."

O Repórter Mike Elgan revelou que uma "start-up de Santa Bárbara, Califórnia, chamada Social Intelligence vasculha dados de redes sociais para ajudar empresas a decidirem se elas realmente querem contratar você."

Elgan afirmou que enquanto checagens de antecedentes têm historicamente procurado por evidência de comportamento criminoso da parte dos potenciais empregados, "A Inteligência Social é a primeira empresa que eu saiba que sistematicamente pesca em redes sociais por evidências de mau caráter."

Semelhante a Recorded Future e dezenas de outras companhias "preditivas de comportamento" tais como Attensity e Visible Technologies, a Social Intelligence posiciona "software de automação que vasculha Facebook, Twitter, Flickr, Youtube, LinckedIn, blogs e "milhares de outras fontes," a companhia desenvolve um relatório sobre o 'verdadeiro você' - não o você cuidadosamente fabricado em seu currículo." 

De acordo com a Datamation, "a empresa também oferece um serviço separado de Monitoramento de Inteligência Social para observar a atividade pessoal dos empregados existentes em uma base contínua." Tal monitoramento intrusivo transforma o "local de trabalho" em um panóptico orwelliano 24/7 do qual não há esperança de escapar.

O serviço é vendido como um meio exemplar de "aplicar as políticas de mídia social da empresa." Contudo, desde que os "critérios são definidos pelas empresas, não está claro se é possível monitorar a atividade pessoal."

Inteligência Social, de acordo com Elgan, "fornece relatórios que desenfatizam ações específicas e enfatizam o caráter. É menos sobre 'o que o empregado fez' e mais sobre 'que tipo de pessoa é esse empregado? '"

Em outras palavras, é tudo a respeito do futuro; especificamente, a ordem de mundo sombria que as corporações da cultura do medo estão rapidamente levando a bom termo.

A Datamation relata que "seguindo as linhas da tendência atual," enraizadas na informação defeituosa derivada da mineração de dados e análise de ligações, "aranhas das redes sociais e mecanismos de análise preditiva estarão trabalhando noite e dia escaneando a internet e usando esses dados para prever o que cada empregado é suscetível de fazer no futuro. Essa capacidade será simplesmente bem cozida nas suítes dos softwares de RH."

Como com outros aspectos da vida diária na América pós-constitucional, decisões executivas, que vão desde se se deve ou não contratar ou demitir alguém, lançá-lo em um gulag sem lei e sem um julgamento, ou mesmo matá-lo exclusivamente com autorização de nosso criminoso-de-guerra-em-chefe, são as novas regras da casa.

Como nosso falso presidente progressista, alguns burocratas de RH agirão como juízes, júri e executor, tomando decisões que podem - e têm - arruinado vidas.

Elgan nos diz que ao contrário de um processo penal onde você fica perante a lei acusado de um mal feito e tem de encarar seu acusador, "você não pode legalmente ser jogado na cadeia por mal caráter, julgamento pobre, ou expectativas do que você poderia fazer no futuro. Você realmente tem de quebrar a lei, e eles têm de provar isso."

"Ações pessoais não são nada assim." A você não são oferecidos os meios de "encarar seu acusador." De fato, baseado em se ou não você aborreceu o patrão, irritou algum bajulador corporativo, ou entrou na categoria de "suspeito", baseado em um algoritmo, você não tem de realmente violar as regras da empresa a fim de ser demitido", e eles não têm de provar isso.

A Datamation nos conta, "se o escaneamento de redes sociais, software de análise preditiva do futuro decide que você vai fazer alguma coisa no futuro que é inconsistente com os interesses da empresa, você está demitido."

E, Elgan afirma, agora que "as ferramentas estão se tornando monstruosamente sofisticadas, eficientes, poderosas, de longo alcance e invasivas," conceito de pré-crime "está chegando ao RH."

O Big Brother está a apenas a um "toque" ou clique do mouse de distância...

Tom Burghardt é um contribuinte frequente do Global Research.     

Fonte: www.globalresearch.ca   

  



    



 



     

 
 

     


    

Enhanced by Zemanta

Um comentário:

Emerson disse...

otima traducao. Espero que nao se importe que eu reposte em meu blog.

Alias, O titulo tem um duplo d.

TECNICAS DE CONTROLE MENTAL